Entre o Céu e o Inferno: Carlos Gadelha anda babando de raiva aos quatro cantos da cidade. Hélio Lopes, sobrinho querido de Aldemilr Lopes, amuleto financeiro para as horas difíceis

ORIGINAL

Conta-se que um dia uma velha raposa conhecida da política, muita temida pela sua índole violenta, foi procurar um sábio monge do alto clero de seu partido em busca de respostas para suas dúvidas.

-”Monge”, disse a velha raposa com desejo sincero de aprender, “ensina-me sobre o céu e o inferno”.

O monge, de cabeça grande segurou sua bengala, olhou para a velha raposa e, simulando desprezo, lhe disse: -”Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo. Seu mau cheiro é insuportável. Ademais, a lâmina da sua espada está enferrujada. Você é uma vergonha para sua região.” A raposa velha ficou enfurecida.

Está foi apenas uma introdução de uma antiga lenda que serve para ilustrar nossa história aqui no presente.

O nosso cenário político, com pouca expressão na assembléia e com muita decepção nos resultados eleitoreiros, reserva um capítulo à parte na realidade política de um experiente político local.

Trata-se da indecisão de Aldemir Lopes no apoio político para dois outros conhecidos em eleições passadas. De um lado seu fiel escudeiro, Carlos Gadelha, mais conhecido pelo alcunha de “CAPETA”, ex-vereador e companheiro inseparável de todas as angústias políticas ao qual sofreram por longos doze anos de administração de seu arqui-rival partido o PT, comandado pelos ex-prefeitos Alvanir Lopes e Leila Galvão.

Do outro lado, Hélio Lopes, sobrinho querido e ex-deputado estadual, amuleto financeiro para as horas difíceis e que conseguiu reunir em torno de si a maioria dos vereadores de base e o apoio incondicional dos comissionados do prefeito Everaldo.

Segundo os fofoqueiros de plantão, bons entendedores de política, Carlos Gadelha anda babando de raiva aos quatro cantos da cidade para não perder o apoio do grande líder da fronteira.

Mas o que se sabe através de uma fonte poderosa próxima de Aldemir Lopes é que o prego já está batido e a ponta virada no tocante ao apoio ao seu  sobrinho, diz a mesma fonte que essa decisão se deu pelo simples fato de Aldemir Lopes ter dito que Carlos Gadelha enfrenta problemas na justiça e ser uma mercadoria ruim de ser comercializada no meio político.