Tudo sobre Política

No Acre, clube se chama Ressaca

Longe dos grandes patrocínios, sede provisória é casa do vice-presidente e
jogadores não têm salários. Única gratificação dos atletas são as chuteiras

Publicados

Tudo sobre Política

Longe dos grandes patrocínios, sede provisória é casa do vice-presidente e 
jogadores não têm salários. Única gratificação dos atletas são as chuteiras

clube de Brasiléia

clube de Brasiléia

Acredite se quiser. No município de Brasiléia, interior do Acre, um clube chama a atenção pelo nome inusitado: Sport Club Ressaca. Mas o nome não vem da ‘ressaca’ do dia pós-balada. Vem do fenômeno da ressaca que acontece nas margens do Rio Acre, onde o clube fica localizado – fenômeno também bastante conhecido no litoral brasileiro, elevando o nível das águas. Na prática, o clube existe desde 2001, mas foi legalizado apenas em 2012 com as modalidades de futebol (base), futsal e handebol.

O atual presidente do clube é James Nascimento e o vice, Clebson Venâncio. Juntos com um grupo de 10 amigos conseguiram organizar a estrutura, ainda pequena. A sede, onde são feitas reuniões e as festas, é a casa do vice-presidente. A intenção, porém, é arrecadar recursos com um bingo no fim deste ano e começar a construir uma sede própria. Além disso, o clube conta com um sistema de sócio-torcedores, que ajudam no setor financeiro, e da prefeitura de Brasiléia, que auxilia com o transporte para os jogos.

– A ideia começou quando a gente foi participar de uma competição municipal de futebol de areia em 2001. No ano seguinte entramos no futsal e legalizamos a documentação do clube apenas em 2012. Podemos dizer em relação ao Ressaca que “o bairro Leonardo Barbosa foi seu berço, mas sua casa é Brasiléia”. Esse nome foi escolhido devido à localização da sede às margens do Rio Acre, onde tem uma curva e a água fica agitada – explicou Clebson Venâncio.

Conseguir grandes resultados, apesar da estrutura ainda provisória, e se destacar no cenário nacional do futsal e do handebol é o objetivo do clube ‘recém oficializado’. Porém, os desafios são grandes. No futebol, o clube só participa do Sub-15, mas pretende um dia jogar o profissional.

Time de futsal do Ressaca, clube de Brasiléia, interior do Acre (Foto: Divulgação/SC Ressaca)

Time de futsal do Ressaca, clube de Brasiléia, interior do Acre (Foto: Divulgação/SC Ressaca)

 No futsal nós vamos disputar a 2ª Divisão e o feminino, no handebol estamos nos dois naipes e no futebol apenas no Sub-15. Temos uma estrutura pequena ainda. O que temos para oferecer aos nossos jogadores são as chuteiras e só. Ninguém tem salário. Um dia quem sabe a gente consegue pagar nossos atletas, mas ainda não temos condições – completou Venâncio.

As cores do clube – presentes no escudo, uniforme e bandeira oficial – são o preto, branco, amarelo e laranja. O mascote é o Tigre devido as cores do uniforme.

Handebol forte

O handebol passou a fazer parte do clube na última temporada. Em poucos meses, as conquistas mostraram que a equipe está no caminho certo. Na Copa Írio Maia, o time não conseguiu grandes resultados, mas no Estadual Aberto, disputado em Brasiléia, as equipes do masculino e feminino conquistaram o título em casa.

Segundo o diretor de handebol e técnico do feminino, Jhonatan da Silva, o elenco é formado por mulheres do município. Já o masculino tem jogadores de Rio Branco, Xapuri e Plácido de Castro. Jhonatan espera que o clube consiga chegar em competições nacionais.

– Estamos em preparação desde o início do ano, focados na disputa do Estadual. Já atuamos em algumas competições, mas nosso objetivo principal é o título inédito do Estadual adulto para conseguir vaga em torneios no certame nacional – afirmou.

Por João Paulo Maia Rio Branco, AC

Torcida do Ressaca, clube de Brasiléia, interior do Acre (Foto: Divulgação/SC Ressaca)

Torcida do Ressaca, clube de Brasiléia, interior do Acre (Foto: Divulgação/SC Ressaca)

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Prefeitura recupera bueiro que comprometia tráfego na entrada da Cohab, em Cruzeiro do Sul

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Tudo sobre Política

Com emenda do deputado Leo de Brito, MPAC reforça ações de enfrentamento à violência de gênero

Publicados

em

Apoio ao combate à violência de gênero e, nas ações de atenção às vítimas desse tipo de violência, também são prioridades do mandato do deputado federal Leo de Brito (PT-AC). Nesta segunda-feira, 23, o parlamentar esteve no Ministério Público do Acre (MPAC) para acompanhar a implementação dos recursos de emenda destinados pelo seu mandato ao órgão.

Os recursos, na ordem de R$ 600 mil, estão sendo utilizados para melhorias na estruturação do Centro de Atendimento à Vítima (CAV) e do Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial (Natera).

“Estou muito feliz com essa parceria que estamos fazendo do nosso mandato com o Ministério Público. Feliz por saber que esses recursos, que nós encaminhamos para o MP, estão sendo muito bem investidos em ações que chegam às pessoas, principalmente aquelas que são vítimas e precisam de assistência adequada. Estamos levantando essa temática importante do combate às violências de gênero, principalmente o feminicídio. Uma situação tão nefasta que temos, infelizmente, no Acre, sendo crescente desde 2018”, declarou o parlamentar.

Leo de Brito frisou ainda que o Ministério Público do Acre tem dado bom exemplo nas ações de enfrentamento aos crimes de gênero e está sendo replicado em outros Estados. “Além disso, estamos aqui chamando a atenção do país para a realização de uma audiência pública que vamos realizar nesta terça-feira, 24, na Câmara dos Deputados sobre o feminicídio e também discutir o Estatuto das Vítimas, que hoje está sendo feita no Congresso Nacional”, acrescentou o deputado.

Leia Também:  Governo inicia Plano Agrícola de Capixaba e Senador Guiomard investindo R$ 4,7 milhões

O procurador-geral de Justiça do MPAC, Danilo Lovisaro, agradeceu a parceria do parlamentar petista com o órgão. Lovisaro recordou da época que Leo de Brito foi acadêmico do curso de Direito da Universidade Federal do Acre (UFAC) e que hoje, ambos são colegas sendo professores do quadro de docentes do curso de Direito da universidade.

“Ele é muito sensível às causas do MP, em especial essa causa que é o nosso Centro de Atendimento à Vítima e nosso Núcleo de Atenção Terapêutica, órgão auxiliar do Ministério Público que exerce um papel relevante no que diz respeito à acolhida das vítimas e também à pesquisa e estudos relacionados ao fenômeno da violência, sobretudo no recorte da violência relacionada ao feminicídio. O deputado Leo contribui de forma muito importante com o Observatório com emenda parlamentar para a implementação de forma efetiva desse observatório e nós somos muito agradecidos por isso”, afirmou o procurador-geral.

A coordenadora do CAV, procuradora de Justiça Patrícia Rego, também destacou a satisfaço em receber o apoio do mandato de Leo de Brito por meio de emenda parlamentar diante da demanda existente no Estado.

Leia Também:  Presidente do Alto Acre comemora vaga na elite.

A coordenadora destacou que o Acre, atualmente, está no primeiro lugar do ranking de crimes de feminicídio.

“Nós moramos num Estado que ostenta índices de violência contra a mulher altíssimos. Violência sexual, violência doméstica e feminicídio. O Acre é o lugar menos seguro para uma mulher viver no Brasil, o país que está no quinto lugar dos que mais matam mulheres. Nossa média de morte de mulheres por feminicídio é bem maior que a média nacional. Isso já acontece há quatro anos. O deputado Leo alocar emendas do seu mandato a uma estratégia de enfrentamento de violência contra a mulher, especificamente com relação ao feminicídio, para nós, é motivo de felicidade e, aliás, é um exemplo que deve ser seguido”, disse Patrícia Rego.

A coordenadora explicou que o Observatório da Violência já existe e a emenda vem para aportar as tecnologias que vão melhorar o desempenho para realizar um trabalho de excelência. Há ainda o aporte para aquisição de veículos que vão auxiliar no apoio ao trabalho realizado pelo órgão.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA