Tudo sobre Política

Equipe da Secretaria de Educação apresenta planejamento de retorno das aulas ao prefeito César Andrade

Publicados

Tudo sobre Política

O prefeito tomou conhecimento de tudo que vem sendo panejado para o retorno das aulas. Foto: Assecom

Assessoria – As propostas de retomada das aulas foram elaboradas pela equipe da Secretaria de Educação de Porto Walter e apresentadas ao Prefeito César Andrade na manhã desta Quarta-feira, 10.

O plano foi apresentado pelo Secretário Flávio Borges e pelas Coordenadoras de Ensino da Secretaria de Educação. As medidas estão definidas de acordo com o Decreto Nº7.225 de 05/11/2020 do Governo do Acre que dispõe sobre o retorno das aulas.

A Secretaria de Educação já planeja a continuidade do ano letivo de 2020, e o início do ano letivo de 2021, considerando o parecer do Conselho Nacional de Educação nº05/2020, que estabelece a reorganização do calendário escolar levando em consideração a possibilidade do retorno gradual das atividades.

“Não há uma previsão da data de aulas presenciais, estamos trabalhando a discussão desta retomada. É um momento delicado, mas já temos que elaborar o plano que poderá ser implementado ou não. Teremos o acompanhamento do Ministério Público, e do Comitê Estadual de Acompanhamento da Covid, junto ao Conselho de Educação, que deverão decidir se aprovam ou não. A retomada será feita quando os dados de saúde nos mostrarem que podemos iniciar”, explica o Secretário Flávio Borges.

Leia Também:  Prefeitura de Porto Walter lança campanha de arrecadação de mantimentos, para ajudar famílias atingidas pela enchente

O Prefeito César Andrade lembra do esforço conjunto que está sendo empreendido para minimizar os impactos da pandemia no município, e da preocupação com a questão pedagógica.

“O nosso esforço é conjunto, Prefeitura e Estado. Os órgãos é que irão decidir se aprovam ou não o Plano da Secretaria de Educação para esse retorno gradual”, esclarece o Prefeito.

Além da definição do modelo híbrido, com a permanência das aulas à distância até o final do ano letivo, da limitação do número de estudantes e de como isso será dividido, Flávio Borges lembra ainda, o escalonamento da entrada e saída dos alunos, a aferição da temperatura em dois momentos distintos do período escolar, a limitação de 50% da capacidade do transporte escolar a desativação dos bebedouros e a obrigatoriedade do uso de máscaras, que devem ser trocadas a cada duas horas.

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo Abaixo: Vereadora de Brasileia, Neiva Badotti, falou ao plantão 3 de Julho Notícias que esteve na capital Rio Branco, reunida com a coordenação do SAMU para tratar sobre a retirada da ambulâncias da região do Alto Acre que seriam centralizadas apenas em Rio Branco, a parlamentar cita também a situação da epidemia de dengue no município e sobre o aumento do coronavírus. Exercendo seu papel de vereadora, foi na Capital saber da real situação.

Leia Também:  Prefeito Tião Bocalom, desde que assumiu a gestão, vem sofrendo fake news, ataques e perseguição do governo Cameli

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Tudo sobre Política

Leo de Brito faz apelo ao ministro do Meio Ambiente para que haja mais atenção da pasta com a Resex Chico Mendes

Publicados

em

Atenção às áreas de conservação ambiental e reservas extrativistas, em especial a Reserva Extrativista Chico Mendes e liberação dos recursos do Fundo Amazônia. Esses foram os apelos que o deputado federal Leo de Brito (PT) fez ao ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, durante audiência realizada na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira, 6.

“Uma preocupação que temos é com relação às unidades de conservação. O que temos visto ao longo dos últimos anos é uma redução anual dos investimentos. É muito importante que tenha uma ação para dar incentivo para as pessoas que vivem dentro das reservas extrativistas”, afirmou Brito
O parlamentar destacou que entre os incentivos está o Fundo Amazônia, que já beneficiou milhares de famílias no Acre.

“A gente sabe que se os produtores rurais não têm incentivos, se as comunidades tradicionais extrativistas não têm incentivos, muitas vezes, a única saída que eles têm é usar técnicas que não são sustentáveis e aí, o que acaba sobrando para eles é a repressão e não é isso que nós queremos. Nós queremos, obviamente, que quem esteja irregular tenha a fiscalização, mas que antes disso, venham os incentivos e o Fundo Amazônia é um incentivo fundamental”, pontua o deputado federal.

Leia Também:  Em uma extensa agenda na capital Rio Branco, prefeito César Andrade anuncia investimentos para Porto Walter

Joaquim Leite disse que nesta semana está indo para uma unidade de conservação em Tapajós (PA) para acompanhar o programa de pagamento por serviços ambientais atrelados a economia.

“O governo entende que o pagamento por serviços ambientais tem que ser feito diretamente ao produtor que extrai alguma coisa da floresta e assim, receber mensalmente por proteger a floresta. Atrelar serviços ambientais a bioeconomia é muito importante. Quando você adquire algum produto da floresta, você deveria remunerar aquele extrativista mensalmente por proteger e deixar claro a ele que ele recebe por uma atividade de proteção que pode vir do setor privado e que é um modelo que o governo entende que é relevante”, pontuou.

Desmatamento crescente

A audiência foi realizada após Leo de Brito apresentar requerimento solicitando que o ministro responsável pela pasta do Meio Ambiente comparecesse à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) para prestar esclarecimentos sobre o aumento do desmatamento na Amazônia neste ano.

O parlamentar frisou que reportagens veiculadas na imprensa apontaram que em meio deste ano, o Acre registrou aumento de 225%.

“Bolsonaro acha que a Amazônia tem que ser invadida por garimpeiros, grileiros, madeireiros. O início da gestão do presidente Bolsonaro, que teve a frente da gestão do Ministério do Meio Ambiente Ricardo Salles, foi uma demonstração muito clara disso”, salientou.

Leia Também:  Prefeito de Porto Walter, César Andrade, leva a 8ª edição do itinerante de saúde a população ribeirinha

Leo de Brito enfatizou que investimentos em ação de incentivo aos extrativistas, aos povos indígenas, são essenciais na preservação da Amazônia. Brito ressaltou que foi por aderir a essa política que o desmatamento apresentou redução drástica na gestão do ex-presidente Lula, que na época teve a ex-ministra Marina Silva à frente da gestão do Ministério do Meio Ambiente.

“Isso foi possível tanto por causa dos incentivos às populações tradicionais, pela criação de unidades de conservação da natureza e território indígenas. Houve uma contribuição e uma ação forte do Estado brasileiro. Havia presença do Estado. O que aconteceu no Vale do Javari, que levou aos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips, é uma ausência do Estado brasileiro”, disse.

O ministro Joaquim Leite afirmou que parte das demandas apresentadas pelo deputado acreano poderão ser atendidas, em breve, haverá um chamamento de efetivo de servidores por meio de concurso público.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA