RIO BRANCO

Tudo sobre Política

Edvaldo questiona dono da Mediall sobre quantos infectologistas atuam no Into/Acre; trabalho é feito por telemedicina, responde a Mediall

Publicados

Tudo sobre Política

O hospital, referência no tratamento da covid-19 no Estado, é administrado pela Mediall após uma contratação emergencial na ordem de R$ 36.101.322,00, por um prazo de 6 meses.

Durante a audiência da Comissão de Saúde Assembleia Legislativa do Acre na manhã desta sexta-feira (11), Edvaldo Magalhães frisou que, caso se confirme que não há infectologistas em um hospital que trata especificamente de uma patologia viral, o caso é “espantoso” para não dizer “estranho”.

“A contratada precisa se apresentar na condição de prestar o melhor serviço. Numa pandemia, o infectologista tem papel importante. Queria saber quantos profissionais da assistência social integram o quadro da Medial no Into e de psicólogos também”, reiterou.

Quanto à comunicação entre pacientes e familiares. Edvaldo Magalhães sugeriu o uso da tecnologia como acontece nos grandes hospitais do Brasil e fora dele. O uso de tabletes pelo corpo clínico para auxiliar os pacientes nisso, com o contato com seus familiares, resolveria o problema e encurtaria a distância e amenizaria a saudade imposta pelo isolamento.

“A tecnologia está ao alcance da mão. Adquirir tablete para que o paciente possa se comunicar uma vez ao dia com os familiares, diminuindo essa angustia. Você diminuirá em muitos os problemas que tem surgido. Não venham me dizer que não tenham recursos para isso. O problema não são recursos, talvez o gerenciamento deles. Um pouco mais de tecnologia diminuiria o sofrimento de quem está internado”, pondera.

Quanto ao problema em si, da falta de informação atualizada sobre o quadro clínico dos pacientes, o parlamentar pediu ao Ministério Público do Acre, por meio da Promotoria Especializada em Saúde, que faça valer o que a Assembleia aprovou e o governador Gladson Cameli sancionou. Ou seja, o projeto de lei do deputado Chico Viga (PHS), que cria a central de informações de pacientes da covid-19.

Leia Também:  Jair Bolsonaro prejudica até os aliados do agronegócio

O outro lado

Em resposta, o diretor-presidente da Mediall Hilton Rinaldo Salles disse que está ampliando de 8 para 12 o número de assistentes sociais no Into/Acre para atender a demanda. Quanto ao número de psicólogos, Salles disse que está saindo de 2 para 4 profissionais.

Com relação ao número de infectologistas, Hilton Rinaldo deixou claro que não há infectologistas atuando presencialmente no Into/Acre, que os atendimentos partem de teleconsultas, pela telemedicina aprovada pelo Ministério da Saúde. Hilton destacou que isso é uma prerrogativa da Secretaria de Estado de Saúde de dizer quais profissionais devem ou não fazer parte do quadro do Into, que a Mediall apenas presta o serviço e atende a demanda da Sesacre.

“Temos feito isso por telemedicina e nós temos tentando melhorar essa área a casa dia mais. Nós temos sim essa assistência. Caso haja interesse de infectologista no Into, tem que ser via Sesacre, isso é prerrogativa da Secretaria de Saúde”, disse o diretor presidente.

Tensão

O debate ficou tenso após Hilton Rinaldo ter negado uma fala dele de que a partir da audiência pública da Aleac, iria ser criada a coordenação de assistência social.

Leia Também:  Vereador Mamed Dankar apresenta PL que proíbe nomeação de condenados na Lei Maria da Penha

A fala de Hilton foi questionada por Edvaldo Magalhães, que perguntou por que só agora, após meses de pandemia, é que isso veio acontecer. Descontextualizando da fala inicial, o dono da Mediall disse a Edvaldo que havia dito que a coordenação de assistência social existia dentro da coordenação de enfermagem. Entretanto, não fora isso que Rinaldo falou antes.

Edvaldo Magalhães rebateu. Ressaltou que a fala de Hilton estava gravada e que ele deixou claro que não havia essa coordenação antes da audiência pública e que será só implantada agora, após reclame dos deputados estaduais e dos conselhos de Saúde presentes na audiência pública.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Tudo sobre Política

Sem a presença da prefeitura, moradores do Santa Cecília fazem limpeza do bairro e prometem fechar a BR

Publicados

em

Um dos bairros mais distantes do centro urbano de Rio Branco, o Santa Cecília fica na saída da cidade no sentido Porto Velho e se encontra abandonado pelo poder público.

Na trade deste sábado, moradores gravaram um vídeo que circula nas redes sociais e que mostra a comunidade fazendo o trabalho de limpeza das ruas

Revoltados, os mesmos prometem fechar a BR-364 esta semana, para que assim chamem atenção do poder público e ter os serviços básicos realizados pelos gestores.

Veja o vídeo:

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Leia Também:  O incômodo de Gladson é nítido, ao convidar Rocha para ser candidato a prefeito de Rio Branco

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA