RIO BRANCO

Geral

Barbearia é museu do Flamengo em, no interior do Acre

Proprietário herda estabelecimento do pai e há oito anos coleciona objetos.

Publicados

Geral

Proprietário herda estabelecimento do pai e há oito anos coleciona objetos. 

Getúlio Alves é um dos milhões de torcedores apaixonados pelo Flamengo (Foto: Duaine Rodrigues)

Getúlio Alves é um dos milhões de torcedores apaixonados pelo Flamengo (Foto: Duaine Rodrigues)

Getúlio Alves de Almeida Filho tem 44 anos de idade e há 16 herdou de pai a barbearia que administra no município acreano de Senador Guiomard, localizado a aproximadamente 30km de Rio Branco, capital do estado. O espaço, que já foi do avô, passa de geração em geração dentro da família e desde que está sob os cuidados de Getúlio Alves ganhou uma característica que chama a atenção de quem passa pela rua onde fica a propriedade. Rubro-negro desde que ‘saiu da maternidade’, como ele mesmo diz, transformou o ambiente em um minimuseu do Flamengo há oito anos: a ‘Barbearia Museu Pai & Filho’.

 Quando herdei, tinha uma decoração simples. Sou Flamengo praticamente de berço. Quando saí da maternidade, já saí com a camisa do Flamengo. De lá para cá fui tomando gosto pelo time e, de repente, resolvi radicalizar, digamos assim. Então, decidi fazer a barbearia com as cores do time. Fui modificando aos poucos – explicou o flamenguista.

Entre tantos objetos como miniaturas, cartões que contam a história de títulos conquistados pelo Flamengo, pôsteres, quadros, placa personalizada enviada do Rio de Janeiro, um se destaca mais e é considerado o mais valioso pelo barbeiro: a geladeira que mandou pintar com as cores do clube.

– Mandei personalizar com um amigo que pinta carros e teve a ideia de fazer o escudo do clube em alto relevo. Esse é o bem mais valioso que tenho aqui – destacou Getúlio, que também cita como relíquia uma cadeira de barbeiro fabricada em maio de 1878, que passou pelas três gerações da família.

Getúlio Alves está pensando em leiloar os objetos do museu (Foto: Duaine Rodrigues)

Getúlio Alves está pensando em leiloar os objetos do museu (Foto: Duaine Rodrigues)

Mas ele garante que sua barbearia não agrada somente aos flamenguistas. Para não ficar mal com os clientes torcedores de outros times, ele resolveu usar toalhas personalizadas de acordo com o gosto do cliente.

Leia Também:  Prefeita Socorro Neri autoriza construção de quadra de grama sintética na Cidade do Povo

– Aqui não tem preconceito. Tenho toalhas de outros times, como Vasco, Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Fluminense e vários. Antes só tinha coisas do Flamengo e o pessoal que torcia para outros times reclamava. Então, para agradar aos clientes, optei por ter as toalhas. Sou um torcedor colecionador. A minha intenção é deixar o ambiente mesclado com as cores rubro-negras e as cores do Brasil, por causa da Copa do Mundo de 2014 – avisou.

A transformação, segundo Getúlio Alves, fez o local ser visto como um ponto turístico em Senador Guiomard. Além disso, aumentou bastante o número de fregueses.

– Eles param, tiram fotos, filmam. Trazem os filhos para conhecer. Atrai os flamenguistas e também os críticos, no caso os torcedores de outros times. Tenho clientes de todas as torcidas.

Um desses clientes é o eletricista Márcio José, de 24 anos. Vascaíno, ele usa os serviços da barbearia há três anos. No início, estranhou, mas afirma que a rivalidade das torcidas fica em segundo plano diante da amizade.

Leia Também:  Ufac abre vagas para estágio em diversas áreas; Inscrições serão feitas online

– Achei diferente. Só aqui na cidade mesmo tem uma barbearia do Flamengo no Acre. Já rodei por várias cidades e não encontrei  em lugar nenhum. Não tive receio nenhum, a amizade vale mais. Sou vascaíno, ele flamenguista, mas a rivalidade é só dentro de campo.

Getúlio Flamengo Quinari (Foto: Duaine Rodrigues)

‘Flamengo até morrer’

Apesar da presença do arqueiro acreano Weverton no gol do Atlético-PR, adversário na final da Copa do Brasil, Getúlio Alves declarou que não teria como torcer para o rubro-negro paranaense.

– Ele (Weverton) que me desculpe, que é acreano. Sou flamenguista, não tem como torcer para outro time. É Flamengo até morrer. Flamenguista mesmo não torce contra. Ficamos orgulhosos por ter um acreano jogando contra o nosso time de coração. Agora, os outros times, todos torcem contra o Flamengo. O Flamengo só tem duas torcidas, aquela que o ama e aquela que o odeia.

Fim do museu?

Getúlio Alves diz que está pensando em abandonar a coleção. Evangélico, ele quer dedicar seu tempo à palavra de Deus, e por isso pode se desfazer dos objetos rubro-negros. Mas ressalta: deixar de ser flamenguista, jamais.

– Provavelmente, estou quase abandonando a coleção. Sou evangélico e agora quero levar a palavra do Rei. Não vou deixar de torcer para o Flamengo, mas não serei mais colecionador. Quero leiloar ou vender. Tenho um preço na geladeira, que vale R$ 2,5 mil. Quem comprá-la pode levar tudo que é do Flamengo  que tenho aqui na barbearia.

Por  Rio Branco,G1- AC

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Geral

Após 20 anos, principal testemunha da morte de Chico Mendes supera o alcoolismo com apoio do MP

Publicados

em

Genésio Ferreira da Silva, testemunha da morte de Chico Mendes supera o alcoolismo após mais de 20 anos com apoio do núcleo do MP — Foto: Alcinete Gadelha/G1

“Me sinto uma nova pessoa. Um novo homem”. É assim que o auxiliar de serviços gerais Genésio Ferreira da Silva, de 46 anos, descreve o novo capítulo de sua história que está vivendo nos últimos anos após vencer o alcoolismo depois de uma longa jornada no vício, viver longe da família e de não poder criar a própria filha.

Natural da cidade de Xapuri, no interior do Acre, o auxiliar vivia na zona rural do município. Com poucas informações e orientações, o estreitamento da relação com a bebida começou logo cedo, quando ele tinha apenas 10 anos de idade.

Pouco tempo depois, vivenciou uma situação que marcaria para sempre sua vida. Quando ainda tinha 13 anos, foi testemunha da morte do líder seringueiro Chico Mendes. Todos estes marcos o levaram a longos anos no alcoolismo, doença contra a qual vem lutando, nos últimos anos.

“Meu primeiro contato com o álcool foi ainda na infância, em uma festa de natal, tinha 10 anos quando me embriaguei a primeira vez. Depois disso, bebia todo final de ano e depois uma vez por mês, comecei a andar em festas, fui ficando dependente. Onde estivesse, queria e precisava beber alguma coisa”, relembra.
Os sinais de uma vida de uso contínuo do álcool ainda estão nas dores que sente no corpo e moral por ser excluído da sociedade, além da cicatriz de um tiro que levou no braço. São lutas diárias com as quais lida para poder traçar um novo capítulo em sua história.

Mas, em 2017, Silva decidiu mudar de vida e conseguiu dar o primeiro passo em direção à superação do alcoolismo, doença que mata mais de 3 milhões de pessoas por ano, no mundo todo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Essa mudança na vida dele começou depois de ser acolhido pelo trabalho do Núcleo de Atendimento Terapêutico Psicossocial em Dependência Química (Natera), do Ministério Público do Acre (MP-AC). O auxiliar de serviços gerais faz parte das centenas de pessoas que já foram atendidas pelo órgão desde o início de sua atuação, em 2013.

‘Fundo do poço’

Com uma história de vida conturbada, Silva afirma que, além da falta de orientação e começar a beber ainda criança, teve que ir embora do estado após ser uma das principais testemunhas no julgamento do fazendeiro Darly Alves, mandante do crime, e o filho dele Darcy Alves Ferreira, responsável pelo disparo de escopeta, fossem condenados a 19 anos de prisão pela morte de Chico Mendes.

“Caí no fundo do poço, principalmente depois que fui embora do Acre para o Rio de Janeiro. Foram várias mudanças na minha vida, quando fui testemunha do caso Chico Mendes e tive que me afastar por segurança”, pontua.

Com essa mudança, as oportunidades que teve não foram ruins, mas o abalo emocional e distância da família mexeram com ele por não se adaptar.

“Estudei, concluí o ensino médio, mas nunca me adaptei. Quando fiz 18 anos recebi um bom dinheiro ao receber os direitos autorais do filme sobre a história do Chico Mendes, mas gastei tudo e fui pro fundo do poço, gastei com bebida e não me aprumei mais tão cedo”, explica.

Naquele tempo, o sonho dele era voltar para o Acre. Depois de lutar por isso, conseguiu retornar pelo programa de proteção à testemunha, só que continuou bebendo porque era a forma que tinha encontrado para encarar a realidade da vida. E o caminho que trilhava, já parecia não ter mais volta.

“Não me aceitava mais depois de passar por tanta coisa e não tinha mais sentido para a vida. Tinha apoio, as pessoas queriam me ajudar, mas não fazia a minha parte, faltava alguma coisa”, relata.

Com uma filha que hoje tem 25 anos, ele a viu a apenas uma vez, quando ainda era pequena, esta é uma das perdas que relata na vida, além do tempo, confiança e oportunidades.

“Dormia bebendo e acordava para beber, amanhecia me tremendo e precisava de uma dose de cachaça para me ‘equilibrar’ e ter coragem para fazer alguma coisa. Cheguei a ficar na rua, passar semanas, dormir nas praças. Era sem rumo.”

Leia Também:  Policiais do Batalhão Ambiental realiza operação nos rios do Acre

Hoje, são pouco mais três anos limpo. Mas, nem tudo foi ou é simples. Ao longo da jornada ele teve duas recaídas, mas voltou. Hoje, trabalhando como auxiliar de serviços gerais, ele guarda cada fase que viveu e o caminho, agora, já apresenta alternativas e não esquecer do que passou é motivo para não olhar para trás.

Trabalho de acolhimento do Natera ocorre desde 2013 — Foto: Arquivo/Natera

‘Natera foi meu escudo’

Genésio Ferreira começou a vislumbrar um futuro, quando em 2017, procurou o Natera que existe desde 2013, como estratégia do Ministério Público do Estado do Acre ao enfrentamento às drogas.

Desde então, já foram realizados mais de 8,6 mil atendimentos que englobam acompanhamentos, atividades educativas, estudo de casos, visitas, audiências, orientações por telefone, entre outros, feitos por meio do Natera.

“Passei pelo tratamento e estou de pé, me reintegrei à sociedade. Agradeço muito ao Natera porque eles foram meu escudo. Foi fundamental o cuidado, atenção e acolhimento que eles tiveram comigo. Aquilo me deu muita força e levantou minha autoestima. Via que estavam felizes quando vinham me visitar, então, tenho grande admiração por eles.”

O primeiro contato com o Natera foi por meio da indicação de um juiz, que devido ao quadro de uso contínuo do álcool, Silva não lembra dos detalhes de como foi essa indicação, mas ele afirma que foi o passo mais importante para que pudesse mudar de vida.

A promotora Patrícia de Amorim Rego, coordenadora geral do Natera, afirma que o órgão auxiliar tem sua atuação marcada pelo atendimento de pessoas, famílias e grupos que têm questões relacionadas ao uso prejudicial ou abusivo de álcool e outras drogas, bem como demais questões de saúde mental e outras vulnerabilidades e riscos sociais que afetam a dimensão psicossocial.

“O Natera é órgão de atendimento e articulação de redes, de elaboração de estudos e manifestações técnicas para atuação dos membros do MP, e apoio técnico operacional em estratégias relacionadas à avaliação, implementação ou indução de políticas públicas”, diz.

A coordenadora informa que no caso das pessoas com questões decorrentes do uso abusivo de drogas, o Natera atua em forma de acolhida por meio da escuta da pessoa, dos familiares, rede social de apoio e das redes de serviços quando já houver ocorrência de atendimentos prévios. Após o momento inicial, é realizada a mediação com os serviços de acordo com cada nível de complexidade apresentada pela situação de cada pessoa.

“Importante dizer que o Natera tem se consolidado como possibilitador de diálogos entre redes e destas com o sistema de justiça ofertando, não mais apenas ao MP, mas a diversos operadores do direito informações qualificadas, no âmbito extrajudicial e judicial, para fortalecimento do acesso à justiça – aos serviços, às políticas públicas, aos direitos de cidadania – deste segmento populacional crescente”, destaca.

Além disso, a coordenadora afirma que o Natera tem um papel estratégico porque aproxima a instituição dos reais problemas das pessoas. E mesmo durante o período crítico de pandemia do novo coronavírus, o órgão, conforme informou a promotora Patrícia Rego, não parou suas atividades.

“Considerando que o nosso público está nas ruas e essa realidade não mudou na pandemia, porque para essa pessoas, o isolamento social literalmente se deu na rua, o Natera buscou modernizar sua atuação abrindo novas formas de contato com a sociedade, as redes de proteção e o sistema de justiça. Por meio de estudo de casos semanais foi possível organizar linhas de cuidados para casos mais complexos que cotidianamente tem chegado ao MP-AC, desde o período mais crítico da crise sanitária”, explica.

Alcoolismo

Bruna Oliveira, psicóloga do Natera, do núcleo de apoio psicossocial afirma que o alcoolismo assim como o uso de outras drogas pode ser consequência de vários fatores.

“O alcoolismo, assim como o uso de outras drogas, é um sofrimento mental. Nós percebemos o uso abusivo de drogas como uma questão de saúde mental. Então, quando passa de um uso ocasional para uso problemático, a gente percebe que aquela pessoa precisa de cuidados em saúde mental”, explica.

Leia Também:  Homem dá facada em vizinho durante torneio de futebol e foge a cavalo

Para a psicóloga, cada pessoa tem uma história e que não existe um fator específico que possa levar ao alcoolismo, mas situações como desemprego, luto, separação afetiva, traumas, violência e até mesmo a vulnerabilidade social, que causam sofrimento mental grave, podem ser gatilhos que levam a pessoa a não conseguir fazer o uso do álcool de forma recreativa.

“A questão do uso abusivo do álcool e outras drogas é multifatorial, então as pessoas usam drogas por vários motivos, em várias ocasiões e cada organismo reage de uma forma. Então, a gente não pode dizer que existe uma causa. O sofrimento é individual, cada pessoa tem uma história de vida e deve ser tratado dessa forma.”

A doença, segundo explica, pode afetar áreas do cérebro e algumas drogas quando usadas, se a pessoa tiver pré-disposição para transtorno mental, pode acelerar e agravar esse transtorno, como a esquizofrenia, por exemplo. “Ou com o passar do tempo, a pessoa também pode desenvolver um transtorno e a gente não tem como saber se veio antes ou depois.”

Bruna acrescenta que o foco do Natera é a saúde pública e a proteção social por meio dos serviços da rede pública de saúde e assistência social.

“Para evitar a judicialização, o Natera faz muitas resoluções de conflitos por meios alternativos, sempre com foco no indivíduo. A gente tenta olhar a pessoa e as suas problemáticas não com uma visão penalista, moral, mas com uma pessoa que tem um problema de saúde e precisa de atendimento”, explica a profissional.

Sonho

Vivendo, hoje, na Associação Caminho de Luz, em Rio Branco, Silva está trabalhando como auxiliar de serviços gerais e sonha em construir uma nova história.

Antes, ele vivia uma realidade de falta de confiança, mas agora, tem outros objetivos. Fazia bicos para manter o vício. Agora, trabalha para construir um futuro.

“Era eu no meu canto, com meu sofrimento e a cachaça comigo. Não sabia por onde começar. Não estava daquele jeito porque queria. Estou me recompondo, fazendo meu tratamento, dia após dia. Sei que minha fraqueza é o álcool. Agora, procuro outros prazeres, bebo o chá da ayahuasca, trabalho, visito a família aos finais de semana para me manter distante, passeio, só que não vou tocar no que não posso. Recuperei minha autoestima, a confiança das pessoas que era tudo que eu queria e isso não quero mais perder.”

Silva diz que estava no ponto neutro. Mas, agora está tentando colocar as coisas no lugar e está pronto para engrenar a primeira marcha, depois a segunda e seguir a liberdade. Em 2015, ele chegou a lançar o livro “Pássaro sem rumo: Uma Amazônia chamada Genésio” e ele diz que o pássaro está pronto para encontrar um galho, pousar construir seu ninho e fazer morada. Nesse período estava em transição, buscando a cura e depois ainda teve recaídas, mas com a ajuda do Natera, está longe do vício.

“Era o nada do nada e não via luz, era tudo escuro e agora estou tentando organizar a vida, formar uma família e me preparar para ter um futuro tranquilo. Tudo é no tempo de Deus, então, sonho com uma família e casa própria e ter uma vida tranquila. Aquele tempo passou, mas novos tempos vêm”, conclui. Por G1 Acre.

Silva autografa exemplares de livro escrito por ele — Foto: Luan Cesar/arquivo g1

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O Gefron apreendeu dentro de Van do município de Brasileia aproximadamente 150 kg de entorpecente, seria esta a maior apreensão daquela regional. De acordo com informações preliminares, o veículo da prefeitura iria realizar mais um transporte de pacientes que estão fazendo tratamento em Rio Branco quando foi surpreendido pelo policiais, após revistarem os pacientes e o veículo encontraram em uma sacola preta com todo o entorpecente.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA