Saúde

Saúde Itinerante leva atendimentos para haitianos neste fim de semana

Os atendimentos ocorrerão no dia 23, a partir das 14 horas, e no dia 24, a partir das 8 horas, no Centro Cultural da cidade

Publicados

Saúde

Os atendimentos ocorrerão no dia 23, a partir das 14 horas, e no dia 24, a partir das 8 horas, no Centro Cultural da cidade

Os atendimentos ocorrerão no dia 23, a partir das 14 horas, e no dia 24, a partir das 8 horas

Os atendimentos ocorrerão no dia 23, a partir das 14 horas, e no dia 24, a partir das 8 horas

Também serão oferecidos atendimentos com assistente social e distribuição de medicamentos receitados pelos médicos.

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio do programa Saúde Itinerante, realizará atendimentos médicos especializados no município de Brasileia, destinados aos imigrantes haitianos.

Os atendimentos ocorrerão no dia 23, a partir das 14 horas, e no dia 24, a partir das 8 horas, no Centro Cultural da cidade.

Serão ofertadas consultas nas áreas de clínica médica e ginecologia/obstetrícia, além de exames de ultrassonografia, Preventivo do Câncer do Colo Útero (PCCU) e eletrocardiograma.

Também serão oferecidos atendimentos com assistente social e distribuição de medicamentos receitados pelos médicos.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Pai faz apelo pela filha que contraiu bactéria em hospital: “saúde acreana, você é uma vergonha”

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Saúde

Mais da metade dos médicos formados no Acre deixaram o estado para atuar em outras regiões do país, diz CFM

Publicados

em

Dados do CFM mostram que dos 240 profissionais formados entre 2018 e 2021 no Acre, 151 não ficaram no estado. Presidência está no estado para debater esse e outros assuntos – Foto: Reprodução Ac24horas

Mais da metade dos médicos que se formam no Acre não atuam no estado. Um levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM) mostra que quase 63% profissionais optam por trabalhar em unidades de saúde de outras regiões do país após a graduação.

Um dos principais motivos para essa mudança, segundo o Conselho, seria a falta de estímulos para garantir a permanência desses profissionais nos hospitais do estado acreano.

O estudo do CFM mostra também que, dos 240 médicos formados no Acre entre 2018 e 2021, 151 partiram para outros estados assim que se formaram. O número corresponde a mais da metade dos profissionais e é o maior percentual de evasão entre todos os estados brasileiros.

Em visita ao estado acreano, o presidente do CFM, José Hiran da Silva Gallo, disse, em entrevista à Rede Amazônica Acre, disse que faltam estímulos salariais e boas condições de trabalho para que esses profissionais permaneçam no estado.

Leia Também:  Hospital de Campanha de Cruzeiro do Sul começa a receber equipamentos para a inauguração

“Oferecem um salário e, muita das vezes, não pagam aquele salário para o médico. Queremos não só um bom salário, mas também condições de trabalho. É inadmissível, em pleno século 21, sermos agredidos nas unidades públicas, como aconteceu no Rio de Janeiro que uma pediatra foi agredida e ninguém fez nada. Como presidente do conselho, estou pedindo às autoridades melhores condições de trabalho, uma política pública palpável e mais atrativa para que nossos estados pobres tenham médicos constantemente”, destacou o presidente.

Segundo o presidente, faltam políticas públicas para incentivar esses profissionais a se manterem nos estados mais pobres, a exemplos do Acre, Rondônia, Roraima e outros. “É preocupante a situação, temos hoje 563 mil médicos no Brasil e, lamentavelmente, a maioria desses médicos procuram esses estados mais pujantes, onde tem condições de vida melhor com praia, cinema, teatro e é o que falta em nosso estado. Para que isso aconteça, não adianta só chegar e fazer promessas e não cumprir essas promessas”, lamentou.

Falta de especialistas

Leia Também:  Mesmo com 12 mil casos de malária, número de diagnósticos reduziu em 39% em Cruzeiro do Sul

Hospitais e unidades de saúde quase sempre lotados, pessoas há anos na fila de espera por cirurgias, entre outros problemas enfrentados na rede pública do Acre. Muitos desses problemas estão ligados à insuficiência de médicos para atender a população. E a situação fica ainda mais agravada quando se trata de especialistas.

Em 2018, o Conselho Regional de Medicina no Acre (CRM-AC) divulgou que 571 médicos especialistas cadastrados naquela época, apenas 265 atendia na rede pública do estado, sendo que seis eram temporários. Nos últimos anos, a falta de especialistas em muitas das 22 cidades acreanas tem sido o gargalo da gestão estadual.

Nos hospitais no interior do estado, o clínico-geral acabava fazendo o papel de anestesista, ginecologista e outros atendimentos para que o paciente consiga se reabilitar. Muitas vezes também recorre aos mutirões de atendimento e ao Tratamento Fora do Domicílio (TFD). Veja mais no G1 Acre

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA