Saúde

Mais de 300 médicos formados no exterior conseguiram validar diploma na Universidade Federal

Publicados

Saúde

Mais de 300 médicos conseguiram revalidade o diploma na UFac entre 2013 e 2022 – Foto: Unsplash

O Núcleo de Registro e Controle Acadêmico (Nurca) da Universidade Federal do Acre (Acre) divulgou uma lista de médicos formados no exterior que conseguiram validar o diploma na instituição. São, ao todo, mais de 300 diplomas revalidados entre 2013 e 2022 pela Coordenadoria de Diplomas e Certificados do Nurca.

A lista não traz registro de diplomas revalidados em 2018 e 2020. A divulgação com todos os dados pode ser acessada no site da Ufac.

Segundo ho portal G1 Acre, profissionais formados em universidades estrangeiras só podem atuar no Brasil por meio do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida). Uma vez que o diploma for revalidado, o candidato passa a poder exercer a profissão no Brasil.

Para participar, é necessário:

1. Ser brasileiro(a) ou estrangeiro(a) em situação legal de residência no Brasil;

2. Enviar imagens do diploma (frente e verso), como solicitado pelo sistema de inscrição;

Leia Também:  Justiça determina retorno de médicos em greve ao trabalho em Rio Branco e sindicato diz que vai recorrer

3. Ter registro no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) emitido pela Receita Federal do Brasil;

4. Ser portador de diploma médico expedido por instituição de ensino superior estrangeira, reconhecida no país de origem pelo seu ministério da educação ou órgão equivalente, autenticado pela autoridade consular brasileira ou pelo processo de Apostilamento de Haia, regulamentado pela Convenção de Apostila da Haia, tratado internacional promulgado pelo Brasil por intermédio do Decreto nº 8.660, de 29 de janeiro de 2016.

A lista divulgada pelo Nurca detalha os países que os diplomas foram tirados e as instituições. Há diploma da Bolívia, Peru, Colômbia, Espanha, Paraguai, Cuba, Argentina e Itália.

  • 2013

Um diploma revalidado de uma universidade da Bolívia

  • 2014

Quatro diplomas revalidados de universidades da Bolívia

  • 2015

Vinte diplomas revalidados de universidades da Bolívia, Peru, Colômbia e Espanha

  • 2016

Total de 74 diplomas revalidados de universidades da Bolívia, Peru, Cuba e Paraguai

  • 2017

Setenta diplomas revalidados de universidades da Bolívia, Cuba, Paraguai, Espanha e Argentina

Leia Também:  Mãe luta para cuidar de filha com doença que cria ‘segundo esqueleto’
  • 2019

Total de 12 diplomas revalidados da Bolívia e Cuba

  • 2021

Vinte diplomas revalidados da Bolívia, Peru e Paraguai

  • 2022

Total de 103 diplomas revalidados Bolívia, Cuba, Paraguai, Peru e Itália

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Taxa de mortalidade infantil cai pela metade no país graças ao pré-natal e ao acompanhamento pediátrico

Publicados

em

De 2000 a 2019, índice teve queda de 26,1 para 13,3 óbitos por mil nascidos vivos; Ministério da Saúde aponta melhoria na prestação dos serviços de Atenção Primária à Saúde como uma das causas – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasiil

Em 20 anos, a taxa de mortalidade infantil no Brasil caiu pela metade: de 26,1 óbitos por mil nascidos vivos, em 2000, para 13,3 óbitos por mil nascidos vivos, em 2019. A queda é atribuída pelo Ministério da Saúde, responsável por mensurar os dados no país, à melhoria na prestação dos serviços de Atenção Primária à Saúde, como pré-natal e acompanhamento do crescimento da criança no primeiro ano de vida.

Na avaliação das autoridades públicas de saúde, a mortalidade infantil é um indicador de saúde e condições de vida de uma população. Com o cálculo da sua taxa, estima-se o risco de um nascido vivo morrer antes de chegar a um ano de vida. Quanto maior o valor, mais precárias são as condições de vida e saúde e menores são os níveis de desenvolvimento social e econômico. Entre as regiões brasileiras, o Norte é a que apresenta a situação mais preocupante: 16,6 crianças morrem a cada mil nascidos vivos, número superior à média nacional.

Leia Também:  Hospital do Juruá recebe mais de 280 novos equipamentos para unidades

Para reverter esse cenário e melhorar ainda mais o cuidado das crianças nos serviços   do SUS, o Ministério da Saúde, por meio do Programa Cuida Mais Brasil, vai reforçar a presença de médicos pediatras junto às equipes de Saúde da Família e de Atenção Primária. A ideia é que esse atendimento fique mais perto das Unidades Básicas de Saúde (UBS), ou seja, ao alcance do cidadão. 

“Esperamos que isso diminua a mortalidade infantil. As crianças são um público que fazemos acompanhamento do desenvolvimento delas por meio das nossas equipes. Criança tem uma singularidade no cuidado. Queremos evitar que mães não percam seus filhos por conta de uma morte que seria evitável se tivesse o cuidado adequado”, reforça Renata Maria de Oliveira Costa, diretora do Departamento de Saúde da Família (DESF) do Ministério da Saúde.

Cresce procura por pediatras

Entre dezembro de 2019 e dezembro de 2021, equipes de Saúde da Família que contam com profissionais médicos pediatras vinculados registraram um aumento nos atendimentos de 53%. Segundo Renata Maria de Oliveira Costa, isso reforça que há demanda por pediatra na rede pública e que é preciso espalhar esses profissionais para o máximo de localidades possível. 

Leia Também:  Gladson Cameli participa da posse de Ribamar Trindade no cargo de conselheiro do TCE

“O Cuida Mais Brasil também tem esse olhar de equidade, de podermos ofertar recursos para que nessas áreas onde não existem esses profissionais, eles possam chegar. Temos a primeira meta de ter esse serviço ofertado em todas as regiões. Nos lugares onde já existem esses profissionais, o incentivo vai apoiar financeiramente os municípios a ampliarem o acesso que já existe hoje”, acrescentou a gestora do Ministério da Saúde.

Atualmente, 5,7 mil pediatras estão vinculados diretamente a 1.311 equipes. Com o Cuida Mais Brasil, o governo federal vai incentivar financeiramente a inclusão desses profissionais na Atenção Primária, aumentando a capacidade de atendimento nas UBSs. A estimativa é que o número de equipes com médico pediatra possa chegar a mais de 8 mil em todo país. Em 2022, serão repassados R$ 169,6 milhões aos municípios para fortalecer a saúde geral da mulher desde a gravidez até o acompanhamento de crianças recém-nascidas e o cuidado com a infância. 

Para mais informações, acesse o site do Ministério da Saúde: gov.br/saude. Ou entre em contato com a Secretaria de Saúde do seu estado. Fonte: Brasil 61

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA