Saúde

Avanço: britânico pode ser a primeira pessoa do mundo a se curar do HIV

Um homem de 44 anos, da Inglaterra, pode ser a primeira pessoa na história a ser curada de HIV.

Publicados

Saúde

Um homem de 44 anos, da Inglaterra, pode ser a primeira pessoa na história a ser curada de HIV.

Os cientistas que trabalhavam em uma nova terapia experimental disseram que o sangue do paciente não apresentou vírus detectável. O experimento ainda está sendo conduzido no Reino Unido e abrange um total de 50 pessoas. Segundo os pesquisadores, o tratamento apresenta uma possiblidade de cura para o vírus HIV, responsável pela Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, de acordo com informações do jornal inglês The Telegraph.

Em entrevista ao Sunday Times, os cientistas disseram que o vírus está complemente indetectável no sangue do homem, apesar de que este também poderia ser um resultado obtido pelo uso de drogas normais. No entanto, se as células dormentes também forem removidas, este procedimento poderia representar o primeiro processo de cura completa.

Segundo Mark Samuels, diretor do National Institute for Health Research Office for Clinical Research Infrastructure, esta é uma das primeiras tentativas sérias de cura para o HIV. “Estamos explorando a possibilidade real de cura e este é um desafio enorme. Ainda é cedo, mas o progresso tem sido notável”, disse. O estudo está sendo conduzido por pesquisadores das Universidades de Oxford, Cambridge, Imperial College London, University College London e King’s College London.

Leia Também:  2ª Câmara Cível garante direito à saúde e entrega de remédio a paciente

Atualmente, as terapias antirretrovirais têm como alvo as células T infectadas com o HIV. No entanto, elas não podem tratar as células T latentes (dormentes) e isso significa que os pacientes continuam com o vírus.

A nova terapia, por sua vez, funciona em duas etapas. A primeira consiste na administração de uma vacina que ajuda o corpo a reconhecer as células infectadas pelo HIV, depois, uma droga nova chamada Vorinostat ativa as células T latentes. Esses dois passos fazem com que seja possível o corpo identificar e combater as células doentes.

O paciente em questão, um assistente social que teve sua identidade preservada, afirmou que seria “ótimo” se uma cura de fato acontecesse. “Meu último exame de sangue, feito há duas semanas, não apresentou vírus detectável”, disse. “Seria uma grande conquista se, depois de todos estes anos, algo for encontrado para curar as pessoas desta doença. O fato de que eu sou parte disso é incrível”.

Segundo Sarah Fidler, médica e professora no Imperial College London, a nova terapia é projetada especialmente para limpar o corpo do vírus do HIV, incluindo as células latentes. Em laboratório os resultados foram obtidos com sucesso e, segundo ela, há boas chances de que o mesmo ocorra com seres humanos. “No entanto, devemos salientar que ainda estamos muito longe de uma terapia real”, disse.

Leia Também:  Bebê com doença cardíaca é abandonado em maternidade do AC.

Ela acrescentou que os pesquisadores continuarão a analisar os pacientes do experimento pelos próximos cinco anos e que, no futuro, dependendo dos resultados dos testes, este tipo de terapia poderá ser muito mais explorado.

HIV

Telegraph / Gizmodo ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Saúde

Fundação Oswaldo Cruz indica possível aumento do Síndrome Respiratória Aguda Grave no Acre

Publicados

em

Análise é feita com base nos dados inseridos no Sivep-gripe até o dia 9 de maio e faz parte da semana epidemiológica número 18, entre os dias 1º a 5 de maio – Foto: Reprodução

O novo Boletim do InfoGripe, divulgado nessa quinta-feira (12) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta para um possível início de crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na população adulta em diversos estados, incluindo o Acre.

A análise é feita com base nos dados inseridos no Sivep-gripe até o dia 9 de maio e faz parte da semana epidemiológica número 18, entre os dias 1º a 5 de maio.

O estado acreano está entre os 17 com tendência de crescimento dos casos entre adultos, o que mostra uma diferença do que ocorreu no mês de abril, quando o levantamento apontava essa tendência de crescimento entre crianças.

De acordo com o boletim, os casos de Covid-19 ainda são a principal causa de SRAG entre os casos com identificação laboratorial na população adulta.

Das 27 unidades da federação, 17 apresentam indicação de crescimento dos casos. Entre as capitais, o número também é de com sinais de crescimento, incluindo Rio Branco. Veja estados com tendência de aumento:

Leia Também:  O desafio do combate às hepatites e os transplantes de fígado no Acre
  1. Acre
  2. Alagoas
  3. Amazonas
  4. Amapá
  5. Ceará
  6. Maranhão
  7. Mato Grosso
  8. Mato Grosso do Sul
  9. Pará
  10. Paraná
  11. Rio Grande do Norte
  12. Rio de Janeiro
  13. Rondônia
  14. Roraima
  15. Rio Grande do Sul
  16. Santa Catarina
  17. Tocantins

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)

A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) abrange casos de síndrome gripal (SG) que evoluem com comprometimento da função respiratória que, na maioria dos casos, leva à hospitalização, sem outra causa específica. As causas podem ser vírus respiratórios, dentre os quais predominam os da Influenza do tipo A e B, Vírus Sincicial Respiratório, SARS-COV-2, bactérias, fungos e outros agentes.

Síndrome Gripal (SG) – Indivíduo com quadro respiratório agudo, caracterizado por, pelo menos, dois (2) dos seguintes sinais e sintomas: febre (mesmo que referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou gustativos.

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) – Indivíduo com SG que apresente: dispneia/desconforto respiratório OU pressão ou dor persistente no tórax OU saturação de O2 menor que 95% em ar ambiente OU coloração azulada (cianose) dos lábios ou rosto.

Leia Também:  Acre está entre os 25 estados do Brasil com aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, diz Fiocruz

Fiocruz indica possível aumento de SRAG em adultos no Acre – Foto: Reprodução

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA