Política

Partidos lançam aliança por candidatura única da oposição ao governo

Valdete Souza, presidente do PMN, diz que a aliança ”Unir para vencer” é uma resposta a um clamor social da população do Acre, que pede que haja união da oposição.

Publicados

Política

Valdete Souza, presidente do PMN, diz que a aliança ”Unir para vencer” é uma resposta a um clamor social da população do Acre, que pede que haja união da oposição.

Da redação, com Gina Menezes

Dezenas de militantes de quatro partidos que integram a oposição se reuniram na manhã desta segunda-feira (12), no auditório Félix Bestene, na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), para lançar a aliança “Unir para vencer”. A aliança formada pelos partidos Democratas (DEM), PPS, PMN e Solidariedade, defende a tese da candidatura única.

Partidos lançam aliança“Unir para vencer” em defesa de candidatura única da oposição ao governo do Acre/Foto: Agência ContilNet

Partidos lançam aliança“Unir para vencer” em defesa de candidatura única da oposição ao governo do Acre/Foto: Agência ContilNet

De acordo com o presidente regional do DEM, João Marcos Luz, a aliança tem por finalidade defender a unidade da oposição e o apoio ao candidato que mostrar melhor desempenho via pesquisas.

“Não temos mais condições de apoiar projetos íntimos, pessoais. É preciso um projeto que represente todo o sentimento coletivo da oposição”, declara.

João Marcos afirma, ainda, que outro objetivo da aliança é atrair mais jovens para o cenário político atual.

“Nós vamos trabalhar esta aliança de forma que a juventude se motive a ser candidato. Nós vamos atrair jovens a serem candidatos. Esta é uma aliança participativa”, declara.

Zenil Chaves, vice-presidente da executiva estadual do PPS, diz que o partido aderiu à aliança por acreditar que o melhor que pode haver para a oposição é a candidatura única e não a fragmentação, como vem sendo defendido por outros líderes.

Ele diz que é preciso escolher uma candidatura que realmente represente o desejo oposicionista e que não que esteja a serviço do Palácio Rio Branco.

“Estamos unidos e vamos continuar defendendo a união, mas caso haja a fragmentação, nós iremos continuar defendendo o nome do candidato Márcio Bittar por entender que ele é o que representa o que mais precisamos neste momento”, declara.

Valdete Souza, presidente do PMN, diz que a aliança ”Unir para vencer” é uma resposta a um clamor social da população do Acre, que pede que haja união da oposição.

Dezenas de militantes de quatro partidos que integram a oposição se reuniram na manhã de segunda-feira (12) no auditório da Assembleia Legislativa
Dezenas de militantes de quatro partidos que integram a oposição se reuniram na manhã de segunda-feira (12) no auditório da Assembleia Legislativa

“Essa foi uma ideia do DEM e do PMN. Onde a gente anda, as pessoas nos perguntam quando vamos nos unir; por isso, resolvemos lançar a aliança. Esta coligação feita por pessoas sem mandato tem por objetivo eleger caras novas para a política do Acre”, diz.

O deputado federal Márcio Bittar (PSDB) afirmou que é preciso fomentar um projeto político que realmente signifique mudanças para o povo acreano.

Márcio diz que sempre foi um soldado a serviço da oposição e que jamais se recusou a ceder em nome da coletividade, mas que desta vez não cederá em nome de interesses particulares, embora esteja preparado para o fato de não haver apenas uma candidatura da oposição.

“O povo do Acre há muito tempo sonha e espera por esta mudança, e nós não temos o direito de estragar este momento. Precisamos ser firmes e construir uma alternativa que de fato signifique mudança. Não é apenas trocar o nome do governador, é trocar o pensamento de quem governa”, diz.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Prefeitura de Cruzeiro do Sul entrega sistema de água para moradores do Santa Luzia do Pentecostes

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Política

Os irmãos Hassem deram um chá de cadeira em Márcia Bittar e não compareceram em reunião na câmara de Brasileia

Publicados

em

A pré-candidata ao Senado, Márcia Bittar, esteve no município de Brasileia com o intuito de se reunir na Câmara de Brasileia, com os novos filiados do grupo do casal Bittar, os pré-candidatos Tadeu Hassem e Israel Milani, acompanhado da esposa, prefeita Fernanda Hassem, mas o problema é que na hora da reunião, os irmãos Hassem e o Primeiro Damo deram um chá de cadeira em Márcia e não apareceram.

Segundo informações repassadas a redação do site 3 de Julho Notícias com exclusividade, a reunião contou apenas com a presença de Márcia Bittar e poucos apoiadores, dentre eles a presidente da Câmara, Arlete Amaral; o ex-vereador Vagner Galli; Blandina; Zemar e outros. Já a turma dos irmãos Hassem não apareceu, comportamento este, tido com ingratidão, haja vista que, quando foi para Tadeu e Israel se filiarem aos partidos políticos sob comando de Márcio Bittar, o casal juntamente com um dos filhos se fizeram presentes no ato como forma de dar boas vindas.

Dentre as muitas especulações, a que apresenta mais força é de que o grupo não quer aparecer publicamente com os Bittar, pois isso colocaria os irmão Hassem em maus lenços pelo fato de estares iludindo outros políticos com o argumento de apoio.

Leia Também:  Epitaciolândia e Assis Brasil recebem R$ 7,5 milhões em investimento do governo

Atualmente, o Casal Bittar encontra-se em situações estreitas com o governador Gladson Cameli, precisamente ambos os grupos estão rompidos, por ventura tem políticos tirando proveito desta situação e fazendo jogo triplo. As relações entre os irmão Hassem estão cada vez mais comprometedora, isto porquê a prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem e Cia, prometeu apoiar, o senador Petecão, grupo no qual a sogra está acomodada; prometeu apoiar o grupo do senador Márcio Bittar, onde o irmão Tadeu Hassem e o esposo Israel estão filiados e por último após fazer as pazes com o Governador Gladson prometeu apoio, inclusive, Fernanda já colocou boa parte da família e amidos mais próximos no governo com cargos de chefia e altas CECs.

Dentre os nomeados está a esposa de Tadeu, Higia, e uma sobrinha dos irmão Hassem esse seria um dos motivos para que os Hassem não apareçam na foto com os Bittar, para não correr o risco os altos cargos da família.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA