Política

Enquanto prefeito Bocalom fica calado, grupo de pais de autistas fazem ato em frente da Secretaria de Educação

Publicados

Política

Pedindo por mediadores, grupo de pais faz ato em frente a Seme em Rio Branco – Foto: Kelton Pinho / Rede Amazônica

Um grupo de pais se reuniu em frente da Secretaria Municipal de Educação (Seme) de Rio Branco, na manhã desta terça-feira (10), para pedir por mediadores para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e alegam que as escolas não contam com os profissionais suficientes para garantir a demanda.

Segundo a reportagem do portal G1 Acre, Karina Menezes, mãe de gêmeos e a filha com TEA, não tem o mediador para ela na escola onde estuda.

“Tenho uma filha autista e preciso disso, porque a gente vem na Seme e não dão uma reposta, falam que precisa de uma avaliação e se a pessoa que fizer essa avaliação falar que não precisa de um mediador, não vão mandar. Tem o pessoal para ser chamado [do concurso]. Isso é um absurdo. Não queremos o cuidador, nenhuma mãe aqui quer o cuidador, queremos mediador, nossas crianças não precisam de alguém que segure na mão para levar ao banheiro eles precisam de alfabetização é isso que estamos questionando”, disse.

A secretária Nabiha Bestene recebeu representantes dos pais que estavam no ato para uma conversa e também representante do Sindicato do Trabalhadores em Educação (Sinteac).

Leia Também:  Joaquim Lira, é chamado de falastrão nas redes social: “Ele não lidera nem a sua empresa”

Em entrevista à Rede Amazônica, a secretária disse que está sendo feita uma avaliação pedagógica das crianças autistas da rede para ver quantos e quais deles vão precisar de mediador e que após esse censo, será analisada a possibilidade de contratação de mais profissionais.

“Este ano, nós já chamamos 99 que passaram no concurso de 2019, dentre eles mediadores, alguns não compareceram, a gente respeitou a legislação e estamos aguardando para chamar os demais que estão em seguida”, disse.

Luciana Rocha, tem um filho de três anos, e diz que ele não tem ido à escola todos os dias por faltar o mediador na classe.

“Ele não vai pra aula todos os dias, vai um dia sim e um dia não porque não tem mediador, o professor não consegue dar conta de tantas crianças autistas e alguns com nível mais elevado. Por isso, estamos aqui reivindicando um direito, não é um favor. Existem as leis. Os gestores sempre falam que estão em avaliação, se envia ou não. Mas, antes de iniciar ano letivo já entregamos o laudo então porque essa demora? Vai esperar chegar o meio do ano para fazer alguma coisa. É uma exclusão. Pra começar, porque o meu que é autista não pode ir para a escola todo dia”, pontuou.

Leia Também:  Prefeito Jailson Amorim realiza a IV Conferência Municipal de Educação em Rodrigues Alves

Insatisfação

Nessa segunda, algumas mães de alunos com TEA e outras necessidades especiais da Escola Infantil Vovó Mocinha Magalhães, já tinham demonstrado insatisfação com a falta de mediadores para os filhos no colégio. Segundo a denúncia, as aulas começaram há cerca de três semanas e em algumas não tem professor fixo.

Sobre esta demanda, o secretário adjunto da Seme, Paulo Machado, afirmou que os profissionais já foram contratados e iniciam o atendimento ainda esta semana. Segundo ele, houve um aumento de alunos que precisam de atendimento especial que não foi previsto pela gestão.

A Seme informou que de acordo com dados de 2021, a rede municipal tem 489 alunos autistas e conta com 232 mediadores, sendo que deste número, 38 estão afastados e para cobrir estes profissionais afastados são feitas aulas suplementares e os 134 cuidadores farão hora extra. O Censo dados reais de 2022 deve sair dia 25 de maio.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

“Governador Gladson está cancelando cirurgias na Fundação Hospitalar por falta de material esterilizado”, denúncia Jenilson

Publicados

em

O deputado estadual Jenilson Leite (PSB), que é médico infectologista, usou a tribuna da Aleac para cobrar providências sobre a situação da saúde pública do Acre, especialmente, na Fundação Hospitalar, onde o tem sido cancelado cirurgias dos pacientes por falta de material esterilizado.

Segundo Jenilson, o governo anunciou tardiamente um mutirão de cirurgias, mas na Fundhacre, têm pacientes que por duas vezes teve a cirurgia remarcada devido a falta de material esterilizado. “Deixo minha crítica e cobro providências urgentes do governo, porque foi feito o anúncio de um grande mutirão de cirurgias, inclusive fora de tempo. E é o mesmo governo que está remacarcando as cirurgias na Fundação Hospitalar. Isso ocorre diariamente na Fundação Hospitalar. Tem pacientes que são internados e depois quando chegam no centro cirúrgico não tem material estilizado, aí voltam para a casa “, afirma o deputado.

” Isso não pode acontecer. Para além de ser um problema para a saúde do paciente, é um desrespeito com o cidadão, com a saúde mental e física. São muitos problemas e tenho certeza que no pese nossas divergências entre os deputados da base, nós estamos percebendo que o Acre precisa de novos rumos”, disse Leite.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Jornalista Almir Andrade comemora 51 anos e ganha beijo do vice-prefeito Carlinhos do Pelado
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA