RIO BRANCO

Política

Enquanto Gladson está viajando, família denuncia falta de medicamentos e aparelhos em UTI na Fundação Hospitalar

Publicados

Política

A família do jornalista Naylor George denunciou a falta de medicamentos e aparelhos na UTI da Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre), em Rio Branco.

Aos 63 anos, ele está internado com diabetes e pneumonia há duas semanas. Segundo a família, o aparelho de raio X está quebrado, faltam antibióticos e a unidade também está sem o gasômetro – usado para medir os níveis de gás carbônico e oxigênio no sangue, essencial para o setor de emergência.

“Após o boletim médico da tarde, os médicos chamaram as famílias e revelaram a real situação, que está faltando diversos equipamentos e antibióticos”, diz o filho do jornalista, Tayguara Felipe.

Os médicos passaram para a família uma lista com tudo que estava faltando.

“Foi um pedido de socorro dos médicos para as famílias. É meio complicado, porque, faltar antibiótico em uma UTI é um absurdo”, reclama.

Caso a direção não resolva a situação dos pacientes na manhã desta terça-feira (10), Tayguara Felipe, que é advogado, diz que vai procurar o Ministério Público do Acre (MP-AC) e formalizar uma denúncia em nome de todas as famílias que estão com pacientes na UTI da Fundhacre.

Leia Também:  Por ingerência, prefeitura de Epitaciolândia inicia o ano sem orçamento, Diz vereador Portela

A direção da unidade não esclarece muito bem as denúncias da família. Lauro Melo, presidente da Fundhacre, em dado momento assume as falhas, mas trata o assunto como “nada grave”.

Garante que o aparelho de raio X fixo realmente está quebrado, mas alega que os exames nunca deixaram de ser feitos.

“Temos um raio X portátil, então os exames de raio X estão sendo feitos”, alega, mesmo a família afirmando que o procedimento não foi feito nesta segunda (9).

Ele disse ainda que o aparelho fixo está em manutenção sem data para ser entregue, porque as peças não são encontrados no estado.

Melo diz ainda que desde o fim de semana o gasômetro teve problema, mas garante que os pacientes não foram afetados. Ela estima que até quarta-feira (11), o aparelho retorne à unidade.

“Foi recolhido o material, mas o pronto-socorro nos atende e recebe no tempo necessário e não deixou de ter essa assistência”, disse. A família também contraria essa versão.

Sobre a falta de antibiótico, o presidente da Fundhacre diz que está sendo estudado um novo medicamento por conta da aparição de uma bactéria mais resistente no jornalista.

Leia Também:  Lixão há 9 dias pega fogo em Brasiléia. Morador clama por socorro ao ministério público

“Está tendo uma bactéria um pouco mais resistente do que a maioria, então é preciso fazer os testes com os medicamentos, porque alguns são muito fortes e o paciente pode não resistir, nessa evolução vai se checando e vai se fazendo o tratamento”, alega. Por Aline Nascimento, G1 Acre

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política

“Cabeça branca, toma vergonha nessa tua cara e manda alguém vir limpar a Cidade do Povo”, diz moradores revoltados com Bocalom

Publicados

em

A inércia da prefeitura de Rio Branco e a falta de compromisso e vontade de trabalhar do prefeito Bocalom tem dificultado bastante a vida dos moradores da Capital acreana, isso porquê, a atual gestão progressista tem se destacado como uma das piores do Estado do Acre.

Como exemplo como os inúmeros relatos de moradores revoltados com as péssimas condições de trafegabilidade e a ausência do Poder Público em fazer o seu trabalho, como é o caso dos moradores da comunidade Cidade do Povo que recentemente gravaram um vídeo, onde debaixo de chuva, mulheres, homens e crianças limpam um córrego em uma das praças principais do bairro.

A indignação nessas pessoas é visível, onde uma das moradoras chega a dizer que no tempo da ex-prefeita Socorro Neri, o local era limpo e aproveita a oportunidade para mandar o cabeça branca tomar vergonha na cara (referindo ao atual prefeito.

Veja o Vídeo: 

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Leia Também:  Estado inicia discussões sobre melhorias da segurança pública no Vale do Juruá

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA