Política

E se Marina ganhar? Como e com quem vai governar?

Marina Silva no momento é conseguir completar as 491.656 assinaturas necessárias para registrar a sua Rede Sustentabilidade

Publicados

Política

Marina Silva no momento é conseguir completar as 491.656 assinaturas necessárias para registrar a sua Rede Sustentabilidade

O menor dos problemas de Marina Silva no momento é conseguir completar as 491.656 assinaturas necessárias para registrar a sua Rede Sustentabilidade como partido até o próximo dia 5 de outubro no Tribunal Superior Eleitoral.

Confirmando que, mesmo sem partido, a ex-senadora do PT é até agora a principal opositora

 Até agora, a RS conseguiu certificar cerca de 200 mil assinaturas nos cartórios eleitorais, das cerca de 850 mil que afirma ter coletado, como Marina informou em entrevista coletiva neste domingo, após seu nome aparecer em segundo lugar no Datafolha, subindo de 23% para 26% e confirmando que, mesmo sem partido, a ex-senadora do PT é até agora a principal opositora da candidatura de Dilma Rousseff à sucessão.

Digamos que, por algum milagre, a vice-líder nas pesquisas consiga nestes menos de dois meses que restam para o prazo fatal do TSE certificar as quase 300 mil assinaturas que faltam para o registro do partido e possa então ser candidata pela segunda vez à Presidência da República com um partido para chamar de seu.

E digamos ainda que, no correr da campanha, Marina ultrapasse Dilma e seja eleita. Aí sim começariam seus problemas mais sérios. Quando foi lançada, a RS esperava contar com pelo menos 20 deputados nesta legislatura, o que já seria quase nada numa Câmara com 513 parlamentares. Mas, até agora, apenas três estão realmente empenhados em criar o partido, todos sem muita expressão: os deputados federais Alfredo Sirkis (PV-RJ), Walter Feldman (PSDB-SP) e Domingos Dutra (PT-MA).

Leia Também:  A mesma caneta que nomeia é a mesma que exonera; Rogério Pontes está cozinhando o galo mais velho do terreiro

Em 2010, quando foi candidata do PV em aliança com outros nanicos, Marina teve 20 milhões de votos e levou as eleições para o segundo turno, mas agora não há no horizonte nenhuma coligação partidária em vista, nem mesmo com seus antigos parceiros verdes.

Sem palanques, sem bancadas fortes nos Estados, como e com quem a ex-senadora montaria seu governo caso seja eleita? Só tem um jeito: seria se aliar com partidos como o PMDB, que apoiam qualquer um, e outros do gênero, a escória da política que ela tanto rejeita e tem-lhe servido de diferencial para capturar os votos das massas indignadas dos protestos. Se for para ser assim, então para que ganhar?

Conheço muita gente como eu, que admira e simpatiza com Marina, e até poderia votar nela, desde que não tenha chances efetivas de ganhar, exatamente porque governar o Brasil exige um mínimo de condições concretas para uma administração ficar de pé, não só em termos de alianças políticas, mas também de vínculos com os diferentes movimentos sociais. Mais difícil é encontrar alguém que consiga entender e explicar em poucas palavras quais são os reais objetivos de um possível governo Marina e no que ele seria diferente daqueles que tivemos até hoje.

Leia Também:  Dilma tem margem confortável contra impeachment, aponta levantamento

Os únicos apoios visíveis da vice-líder nas pesquisas até agora vieram de duas grandes empresas, uma do ramo de cosméticos e outra da área das altas finanças, além de alguns setores da grande mídia, que já não confiam na oposição demo-tucana e estão em busca de um candidato, qualquer um capaz de derrotar o PT.

Marina subiu 10 pontos no Datafolha depois das manifestações de junho, foi a que mais ganhou com os protestos “contra tudo e contra todos”, mas isso não foi suficiente para capturar nenhum apoio político-partidário-eleitoral até agora. O quadro partidário é este que está aí, gostemos ou não, com cerca de 30 siglas, e nada indica que novidades surjam até outubro, até porque é possível importar médicos, mas não políticos. A não ser que alguém ache realmente viável termos um país do tamanho do Brasil governado “sem partidos e sem políticos”, como pregavam alguns cartazes no tsunami dos protestos.

Fonte-r7

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Política

Fernanda Hassem teve o orçamento de quase 120 milhões aprovado na câmara, não fez nada até agora e vai receber mais R$ 6 mil de recurso federal

Publicados

em

Programa contribui para o processo de aprimoramento, implementação e integração sistêmica das atividades da assistência farmacêutica – Foto: Assessoria PMB

A prefeita do município de Brasileia, Fernanda Hassem, conseguiu a aprovação que tanto queria onde o orçamento anual chega a quase R$120.000.000,00 para serem aplicado nas mais diversas áreas do município, mas o que chama a atenção é que durante esse primeiro semestre não se viu estes milhões serem aplicados no município, muito pelo contrário, a população hoje enfrenta grandes problemas em virtude da falta de investimento.

A quem diga que, Brasileia hoje era para estar vivendo um dos melhores momentos de sua história, pois dinheiro tem o que falta é uma boa gestão. E em se tratando de dinheiro, mesmo com os quase R$120 milhões, a sua disposição e sem fazer nada, Brasileia está entre as Cidades que receberam do Governo Federal o valor de R$ 6.000,00 (seis mil reais).

As nove cidades do Acre receberam R$ 54 mil de recurso federal para monitoramento de 2022 do Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica. Segundo as diretrizes, o programa não só financia a aquisição e distribuição de medicamentos, como também ajuda no desenvolvimento do Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica, oferecendo cursos de capacitação de profissionais farmacêuticos.

Leia Também:  Prefeitura de Brasileia entrega novo Micro – Ônibus para Secretaria de Assistência Social

Tem então, por finalidade, contribuir para o processo de aprimoramento, implementação e integração sistêmica das atividades da assistência farmacêutica nas ações e nos serviços de saúde, visando a uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

A liberação do recurso foi divulgada na quarta-feira (3) no Diário Oficial da União. Vamos ver se agora, com a destinação do recursos para este fim, se quando a população procurar remédio na farmácia municipal, se encontrarão.

Cada cidade vai receber R$ 6 mil e são elas:

Acrelândia

Brasileia

Bujari

Mâncio Lima

Marechal Thaumaturgo

Porto Walter

Rio Branco

Rodrigues Alves

Xapuri

Nove cidades do Acre recebem R$ 54 mil de recurso federal para assistência farmacêutica – Foto: Ana Paula Xavier / Rede Amazônica Acre

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: A vereadora do município de Brasileia, Neiva Badotti, afirma que o mensalinho, agora na atual gestão o feito é praticado via pix, o que antes era mensalinho por meio de folhinha agora, na gestão de Fernanda Hassem foi informatizado, ou seja, modernizaram a possível prática de lavagem de dinheiro.

Leia Também:  SINSPJAC questiona 30% de trabalho presencial no Tribunal de Justiça e defende servidores em Home-off

Acompanhe nossas Redes Sociais

Veja-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na Página do Instagram 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Veja o Vídeo:

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA