Política

Deputada Maria Antônia expressa sua solidariedade na tribuna da ALEAC à Deputada Drª Juliana

Ao fazer o uso da tribuna a Deputada Maria Antônia se emocionou devido a expressão de sua solidariedade à Drª Juliana, pessoa no qual Maria Antônia tem muito carinho.

Publicados

Política

Ao fazer o uso da tribuna a Deputada Maria Antônia se emocionou devido a expressão de sua solidariedade à Drª Juliana, pessoa no qual Maria Antônia tem muito carinho.

Na sessão desta quarta-feira a Deputada Estadual Maria Antônia (PROS) usou a tribuna para expressar sua solidariedade a Deputada Drª Juliana Rodrigues (PRB) que por unanimidade do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) teve seu mandato cassado juntamente do Deputado Federal Manoel Marcos, mas cabendo recurso.

Diante da situação delicada em que a colega está passando, a Deputada Maria Antônia usou o seu tempo na tribuna para dizer a Drª Juliana que lamenta muito o que ela está passando, pois sabe-se que ela trabalhou e se esforçou para chegar onde está hoje.

“Quero expressar aqui em meu nome e no nome do Presidente desta Casa a minha solidariedade a Drª Juliana Rodrigues que está passando por um momento muito difícil e deu seu depoimento aqui de guerreira, isso profundamente a gente, pois isso não é fácil passarmos por isso eu imagino o que a deputada Juliana está passando, o que o deputado nosso amigo Josa está passando, o que o Deputado Calegário está passando; não é fácil porque a gente vai para uma campanha e sofremos bastante, todos nós sabemos, não os que ganharam, mas também todos os candidatos que entram em uma campanha sabem como é sofrido e como a Deputada Juliana disse aqui ela obteve quase 6 mil votos e não é fácil, eu como mulher me coloco no lugar da Drª Juliana e peço que ela receba aqui o meu carinho não só meu, mas de todos os nossos colegas Deputados”, disse a deputada Maria Antônia.

Leia Também:  Pagamentos em Brasiléia superfaturados para compensar amizade Azul

Mesmo estando cassada, a Deputada Drª Juliana não sofreu afastamento imediato e pode recorrer da decisão, nesta quarta-feira a parlamentar também fez o uso da tribuna e falou a respeito do assunto. A parlamentar irá recorrer da sentença do julgamento e não desistirá, a mesma afirma o seu projeto não acabou.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política

CPI do Transporte Público: ex-superintendente Sawana Carvalho é ouvida por vereadores de Rio Branco

Publicados

em

Ex-superintendente Sawana Carvalho foi ouvida na Câmara de Rio Branco –  Foto: Reprodução

Os vereadores de Rio Branco realizaram, nessa quinta-feira (26), a 8ª reunião do inquérito da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público na Câmara Municipal. A convidada dos parlamentares foi a ex-superintendente da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTrans) Sawana Carvalho.

Sawana foi ouvida como testemunha condição no inquérito da CPI. Ela esteve à frente da RBTrans entre 1º de julho a 31 de dezembro de 2020.

Na última terça (24), a ex-prefeita da capital acreana Socorro Neri esteve na Casa participando da 7ª reunião e respondeu perguntas do vereador e vice-presidente da CPI, Fábio Araújo, da presidente da comissão, vereadora Michelle Melo, e do vereador Emerson Jarude.

A primeira reunião da CPI ocorreu em 21 de setembro do ano passado. Pelo primeiro prazo, o grupo teria 180 dias para finalizar, ou seja, deveria ser concluída até final de abril e começo de maio deste ano, já que os dias de recesso da Câmara – de 16 de dezembro a 2 de fevereiro (48 dias) – não foram contabilizados. No início de fevereiro, os parlamentares pediram a prorrogação por mais 180 dias.

Subsídio

Sawana Carvalho foi questionada sobre Projeto de Lei que autorizava o subsídio de mais de R$ 2 milhões para as empresas de ônibus durante a pandemia e, que segundo a proposta, seria para pagar os salários atrasados os servidores das empresas.

Leia Também:  TRE-atinge mais de 100 mil eleitores com o recadastramento

Ela destacou que um dos compromissos acatados pelas empresas de ônibus seria a disponiblização de mais carros para a atender a população. Segundo a ex-superitendente, o Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos do Acre (Sindcol) requereu um reequilíbrio financeiro por parta da RBTrans quando houve uma queda no número de passageiros com a chegada da pandemia.

A partir de então, segundo Sawana, a prefeitura e a RBTrans iniciou um processo administrativo, foi feito mapeamento das reclamações e chegou-se ao entendimento de que seria necessário subsidiar o transporte público.

“Isso foi levado à Justiça, fizemos com amparo de todos os órgãos de controle dentro do Tribunal de Justiça do Acre esse acordo, que na época ficou consolidado que o cumprimento desse seria mediante autorização legislativa dessa Casa. Então, esse subsídio seria repassado para essas empresas para pagamento de déficit trabalhista que tinham, que não era de responsabilidade da RBTRans esse controle e que com isso a contrapartida seria eles colocarem mais ônibus nas ruas. Naquela época a gente estava, acho, que com 63 carros nas ruas e, com esse aporte, teria a obrigação de, além de sanar essas questões trabalhistas, pagar os salários dos trabalhadores e colocar mais 114 carros nas ruas”, relembrou.

Leia Também:  PSB não aceita proposta do PT em ser vice em Epitaciolândia e Tião Flores será o pré-candidato

A presidência da CPI frisou durante a reunião que a ex-superintentende ficou pouco tempo à frente da RBTrans e, segundo o que já foi apurado, o sistema já tinha entrado em colapso. Dessa forma, Sawana estava expondo algumas de suas opiniões.

A convidada falou que, na época que assumiu a superintendência, a ex-prefeitura Socorro Neri alertou que era necessário fazer uma licitação para o transporte público. Na opinião da ex-superintendente, a capital acreana precisa revisar o plano diretor, mapear as linhas que existem e que atendem a população e pensar não apenas no transporte, mas também no trânsito.

Para ela, uma das soluções para a crise no transporte público seria voltar com as linhas troncais.

“Quando o morador lá da Parte Alta da cidade reclama do tempo é porque tem que descer a cidade, ir para o Terminal Urbano e retorna. O transporte não impacta no trânsito? Impacta. Então, precisa rever o plano diretor, o trânsito, questão de sincronização semafórica. É muito importante o tempo de transporte, o monitoramento, o embarque e desembarque mais rápido, ônibus articulados e biarticulados descendo só para a área central, dentro dos bairros ficarem ônibus menores. Não se trabalha transporte sem o trânsito, sem olhar o trânsito”, argumentou. Veja mais no G1 Acre

Empresa Ricco assumiu o transporte público de Rio Branco em fevereiro deste ano – Foto: Andryo Amaral/Rede Amazônica

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA