Política Destaque

Trabalhadores em educação comparece à ALEAC em protesto a proposta do Cameli, diz Daniel Zen

Publicados

Política Destaque

Centenas de trabalhadores em Educação compareceram à sessão desta terça-feira 15, na ALEAC, para protestar de modo contrário à proposta de reajuste salarial apresentada pelo governo governador Gladson Cameli.

O tão esperado anúncio do reajuste salarial aconteceu na última sexta-feira (11), mas, de modo a colocar em risco determinadas conquistas estruturais na carreira dos trabalhadores em Educação, obtidas ao longo de décadas. A insatisfação impactou de tal forma a categoria que resultou em uma grande manifestação ocorrida nesta segunda-feira (14), na Secretaria de Estado de Educação.

Da tribuna da Aleac, o deputado Daniel Zen (PT-AC) fez uma explanação detalhada dos aspectos que ele considera inaceitáveis na proposta do Governo.

Zen iniciou sua explicação relembrando o conteúdo da resposta do Tribunal de Contas do Estado do Acre (TCE/AC) à consulta feita pelo governo, na qual o tribunal afirma que deve ser aplicado o percentual de 33,24%, da Lei do Piso Nacional do Magistério, para todos os servidores da Educação e não somente para aqueles que estariam recebendo valor abaixo do Piso.

“Após a resposta do TCE, ao invés de seguir o caminho mais lógico, que seria aplicar os 33,24% em todas as referências iniciais, de todas as tabelas do PCCR da Educação, o Governo aplicou esse percentual apenas na referência inicial (Letra A) da tabela do professor P1, com formação de nível médio. Na tabela do professor P2, de nível superior, esse percentual cai para um número aleatório, de 26,55%”, relatou o deputado de oposição.

Leia Também:  Governador, Gladson Cameli, tem 5 dias para apresentar plano de ação para atender moradores de rua durante pandemia

Ainda segundo o deputado, “na proposta do governo, a diferença do salário de início de carreira de um professor P1, de nível médio, para um professor P2, de nível superior cai dos atuais 39% para apenas 5%. A diferença entre cada uma das referências (letras) da tabela salarial, que hoje é de 10% da referência inicial, cai para 6,54%. A diferença do salário no início de carreira do professor P2 para o salário do final da carreira, que hoje é de 90%, cai para 69%. E o salário do professor provisório, de nível superior, que é igual a 90% do salário do professor P2, vai ficar menor do que o salário do professor P1, de nível médio. Não há lógica nenhuma em uma proposta que traz mais malefícios do que benefícios”.

Indignado, Zen expressou sua insatisfação: “Está faltando conhecimento técnico para elaborar uma proposta que siga a legislação, que esteja de acordo com o que o Tribunal de Contas respondeu e que use o dinheiro que está disponível, de modo que todos se sintam minimamente satisfeitos. Do jeito que está, não dá pra aprovar”, finalizou o deputado.

Leia Também:  "Governador deixe de exibir a saia que vai vestir e ajude os pacientes que estão na fila de cirurgia há anos", desabafa vereadora Neiva

E Veja Também no 3 de Julho – Acre 24 Horas

Veja o Vídeo Abaixo: Em apoio às reivindicações dos servidores da Educação, Saúde e Segurança do Estado. Leo de Brito anunciou que entrou com uma ação popular, na Justiça Federal, para que o governador Gladson Cameli restitua aos cofres públicos os R$ 800 milhões que a Polícia Federal, por meio da Operação Ptolomeu, apontou que foram desviados.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página: Facebook 3 de Julho Notíci

Portal: 3dejulho.com.br Rio de Janeiro

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

Gladson Cameli e assessores estão em Brasília na tentativa de rifar Mailza Gomes de vez do jogo, a estratégia até aqui deu errado

Publicados

em

O governador Gladson Cameli (PP) e vários assessores próximos, estão em Brasília para uma maratona de reuniões e conversas que afunile na formação da chapa majoritária que disputará a reeleição do atual governo.

Acompanhado do deputado estadual José Bestene, do secretário da Casa Civil Jhonatan Donadoni, dos assessores Lívio Veras, Rômulo Grandidier e Alysson Bestene, segundo informações repassada ao portal 3 de Julho, Gladson Cameli tenta chegar a um entendimento com os postulantes a vaga de senado e vice na sua chapa.

A confusão está posta, pois ao menos dois nomes na briga pela vice e três pela pela a vaga de senado.

Rômulo Grandidier e Alysson Bestene duelam ferrenhamente para saber quem agrada mais o governador e assim compor na vice, já Mailza Gomes, Márcia Bittar e Alan Rick, fazem o “Duelo de Titãs” para saber quem será o escolhido na disputa de senado para enfrentar Vanda Milane e o ex-senador Jorge Viana.

Não será fácil fazer o casal Bittar desistir de empurrar Márcia na disputa, por outro lado, Gladson se agrada mais de Alan Rick. Outro obstáculos grande é convencer a senadora Mailza Gomes, que está no mandato e preside o Progressista.

Leia Também:  Em dezembro, governador Gladson Cameli passou mais tempo viajando do que governando seu próprio estado

A operação tira Mailza não funciona e segundo informações vem deixando Gladson Cameli enfurecido. O clima é de guerra, vai se salvar quem tiver mais poder político e pelo jeito a senadora Mailza Gomes tem de sobra.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA