Política Destaque

Ministério Público entra com ação de inconstitucionalidade contra lei sancionada por Gladson

Publicados

Política Destaque

O Ministério Público do Acre (MP-AC) entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a lei que extingue o Instituto de Gestão e Saúde do Acre (Igesac) e incorpora os servidores em quadro de extinção na Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre).

A lei foi sancionada pelo governador Gladson Cameli e publicada no Diário Oficial do Estado no último dia 3 de setembro após aprovação unânime na Assembleia Legislativa do Acre.

Entramos em contato com a porta-voz do governo, Mirla Miranda, para saber se o governo vai se pronunciar sobre a ação do MP-AC e aguarda resposta.

A ação, assinada pelo procurador de Justiça Sammy Barbosa Lopes, pede que a lei seja suspensa de forma imediata por entender que ela vai de encontro com as Constituições Estadual e Federal ao incorporar à Sesacre os empregados do Igesac sem prévia aprovação em concurso público.

Para do Ministério Público, o Igesac é pessoa jurídica de direito privado, com quadro de pessoal próprio regido pela CLT, cuja admissão deveria ser precedida de processo seletivo.

“Ocorre que a Lei Estadual nº 3.779/2021, ao extinguir o Instituto de Gestão de Saúde do Acre, criou um quadro especial em extinção para abarcar esses empregados celetistas ao quadro de servidores da Secretaria de Estado de Saúde, mesmo sem prévia aprovação em concurso público”, pontua o procurador na ação.

O que é Igesac

O Igesac foi criado em junho do ano passado, em meio a polêmicas e discordância dos sindicatos da saúde, como pessoa jurídica de direito privado, e tinha como objetivo garantir que cerca de 900 servidores que faziam parte do Pro-Saúde não fossem demitidos. Agora, esses servidores foram realocados na Sesacre.

O Instituto administra as unidades integrantes no estado do Acre e funciona como uma terceirização do serviço, porque possui natureza jurídica privada.

Leia Também:  De última hora, é confirmado Mailza Gomes como vice de Gladson Cameli e Ney Amorim vai concorrer ao senado

Em agosto, o governo enviou um novo PL à Aleac para extinguir o recém criado instituto e incorporar os servidores em um quadro de extinção da Sesacre, ainda com a mesma proposta que é garantir que os servidores não sejam demitidos que era uma das principais reivindicações da categoria.

Conforme a nova lei, os empregados do Igesac que reunirem as condições de terem sido contratados mediante aprovação em concurso público, estejam com vínculo empregatício ativo, tenham completado o período de experiência do contrato de trabalho, passam a integrar um quadro especial em extinção vinculado à Sesacre.

Uma das principais preocupações, que seria as demissões, ficou assegurada na lei que os trabalhadores não foram demitidos.

“Na data de promulgação desta lei, todos os concursados serão considerados lotados nos setores em que já se encontram em atividade, poderão ser movimentados nas unidades de saúde e da sede, não poderão ser demitidos sem o contraditório e a ampla defesa, continuarão regidos pelo regime celetista e permanecerão vinculados ao regime geral de previdência social”, diz a lei.

Ainda conforme a lei, ficou a cargo do governo a implementação de medidas relativas à definição de jornada e salário dos respectivos trabalhadores.

Como fica a extinção do Igesac

Durante o processo de extinção, serão adotadas as seguintes medidas: rescisão dos contratos de trabalho dos empregados que não tenham sido admitidos por meio de concurso público e rescisão de todos os contratos administrativos.

Após a rescisão dos contratos administrativos mantidos com o Estado, o governo deve manter o pagamento dos custos administrativos do Igesac necessários à continuidade do processo de extinção.

Leia Também:  Leo de Brito cobra valorização dos profissionais da Educação e diz que Gladson não cumpre acordo firmado com a categoria

Polêmica

O objetivo da lei é legalizar a situação dos servidores do Pró-saúde no estado, que corriam o risco de ser demitidos por determinação do Ministério Público do Trabalho (MPT). A decisão é de 2017 e, desde então, as categorias tentavam reverter a situação.

As discussões sobre a criação do instituto tinham começado em dezembro de 2019, mas, após resistência dos sindicatos, que chegaram a acusar o governo de querer terceirizar a saúde, o projeto não chegou nem a ser enviado para a Aleac.

Já no final de maio do ano passado, o projeto foi encaminhado para a Aleac e os deputados começaram as discussões, ainda com resistência da maioria dos sindicatos, e chegaram a realizar uma audiência pública para discutir alterações no projeto. Por G1 Acre.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Parte dos vereadores de Brasileia foram surpreendidos por uma informação inesperada por parte da vereadora Neiva Badotti a cerca de indícios de corrupção que estaria havendo entre os Poderes Executivo e Legislativo. A princípio, a parlamentar apresentou um ofício para que fosse enviado para a Polícia Federal pedindo uma investigação para saber se está havendo troca de favores entre a prefeita e parte dos vereadores do município, mas como previsto boa parte foram contra.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

No governo Gladson Cameli, gestores do hospital de Brasileia estão tentando traficar órgão para a Bolívia, denuncia vereadora Neiva Badotti

Publicados

em

A vereadora do município de Brasileia, Neiva Badotti, fez uma revelação assustadora, na manhã desta terça-feira (16), sobre os gestores que foram nomeados pelo governador Gladson Cameli na Regional do Alto Acre, precisamente no município de Brasileia.

Em tribuna, a parlamentar afirmou e afirma ter prova de que na regional tem autoridades de saúde tentando traficar órgão para a Bolívia. Neiva destaca ainda a gravidade que é essa situação e que as autoridades competentes devem intervir.

A vereadora Neiva relata ainda que muitas outras situações graves estão acontecendo naquela regional e que ninguém faz nada. A mesma cita ainda que diante do que vem acontecendo no governo de Gladson Cameli, ele deveria pedir perdão para a população pelos gestores que ele tem colocado naquela regional.

Veja o Vídeo:

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Líder comunitário diz que Gladson Cameli abandonou os conjuntos habitacionais de Cruzeiro do Sul
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA