RIO BRANCO

Política Destaque

Governador Gladson colocou os quartos de banda e fugiu do compromisso sobre a obra da ponte de Rodrigues Alves

Publicados

Política Destaque

A declaração do governador Gladson Cameli (Progressista), em afirmar que a obra da ponte sobre o rio Juruá em Rodrigues Alves não é do estado, causou revolta na cidade de Rodrigues Alves.

O Governador foi quem prometeu liderar a luta pela construção da ponte, mas até hoje não deu satisfação aos munícipes que estão se virando com a bancada federal em Brasília como podem. Durante entrevista, Gladson foi questionado sobre as obras de seu governo e, por incrível que pareça, falou apenas das pontes de Brasiléia, Xapuri e demonstrou desprezo pelo pela ponte de Rodrigues Alves; a qual ele mesmo prometeu fazer.

“Rodrigues Alves o estado não tem condições porque ela é uma obra federal, ela é uma obra que dar ligação com a BR federal, com a estrada do Pacífico”, disse friamente o govenador.

A fala do governador causou reações imediata e nas redes sociais, diversos moradores da cidade repudiaram as declarações de Gladson, entre eles a vereadora Terezinha Fernandes (PCdoB), que respondeu com detalhes as declarações do governador;

Colocou os quartos de banda e fugiu do compromisso

Perguntado por Estéreo Moreira sobre a ponte de Rodrigues Alves, o governador Gladson Cameli disse que não pode fazer nada porque é uma obra federal.
Isso é menos de meia verdade.

Leia Também:  Com Rocha no comando do PSL, pré-candidatura de Everton Soares em Epitaciolândia, vai ser chutada. Rocha vai apostar tudo no Delegado, diz membros do PSDB

1 – A ponte de Rodrigues Alves liga uma estrada federal, a BR 364, a uma estadual, a AC 407.

2 – O Povo de Rodrigues Alves não espera que o governo estadual sozinho faça a ponte. O que queremos é que o governo nos ajude a articular a ponte junto à bancada e governo federal. Os moradores de Rodrigues Alves, sozinhos terão mais dificuldade em serem ouvidos em Brasília, mas a partir da iniciativa do governador, seria mais de meio caminho andado.

3 – Gladson quando candidato fez a promessa da ponte. Será que ele não sabia que era federal naquele momento. Fácil em prometer e mais fácil ainda tentar escapar da promessa.

4 – Gladson sempre gosta de se exemplar em seu tio Orleir Cameli, mas se esquece de que se não fosse iniciativa deste em tomar a frente da construção da BR e fizesse como ele em dizer que ‘é federal, não posso fazer nada’, talvez a BR não estivesse pronta ainda hoje. Esse é um bom momento para buscar inspiração em Orleir Cameli: olhando para o povo do Juruá e tomando iniciativa em prol da população, disse Terezinha.

Leia Também:  Colapso do Sistema Penitenciário do Acre e a inércia do Governador Gladson Cameli

Veja o Vídeo:

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: A câmara de Brasiléia aprovou por 8 votos o Anteprojeto de Lei, de autoria da Vereadora Neiva Badotti, que dispõe acerca de procedimentos e limites de pagamentos das Requisições de Pequeno Valor (RPV) devidas pelo município de Brasiléia-Acre. Atualmente, portanto, qualquer débito judicial transitado em julgado em desfavor da Fazenda Pública no município de Brasiléia superior a R$ 6.600,00 (seis mil e seiscentos reais), estará sujeito ao regime de expedição de precatórios, ou seja, respeitando-se a ordem cronológica de suas apresentações.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

Novo secretário de Gladson Cameli participou dos governos do PT e foi preso na operação G7

Publicados

em

Novo secretário nomeado por Gladson foi um dos envolvidos na operação G7 e sua nomeação foi pedido dos empresários – Foto Reprodução

O Engenheiro Elétrico e empresário Assirbanipal Barbary, foi a mais nova nomeação de Gladson Cameli o “governo de 1 bilhão” (Progressista), que atendeu ao pedido de um grupo de empresários do Estado.

O mesmo irá substituir o ex-secretário Anderson Abreu; tio de Gladson Cameli que foi exonerado, depois de ser um dos alvos da operação Ptolomeu, que investiga possíveis desvios milionários da Educação e Saúde do governo do Acre.

Assur, é bem conhecido, pois também já foi preso e alvo de uma grande operação; o conhecido caso G7, que pautou as páginas policiais em 2013, no primeiro mandato do governador Tião Viana (PT).

Na época o mesmo era diretor da secretaria de desenvolvimento Urbano de Rio Branco e era um dos acusados, de integrar um esquema para fraudar licitações.

Com a chegada de Assirbanipal para a pasta de indústria e comércio, os empresários Acreanos esperam ter mais participação nos negócios e serviços ofertados pelos governo do Acre, já que quase tudo é entregue aos empresários amazonenses.

Leia Também:  Com R$250 milhões de Fundeb, não existe justificativa para o governo Gladson Cameli não dar um abono para os professores

A nomeação de Assur está publicada na edição do diário oficial desta quinta-feira (20). Assur já foi secretário adjunto de Gestão Urbana da prefeitura de Rio Branco na administração do petista Marcus Alexandre.

A operação aconteceu em maio de 2013 nos municípios de Tarauacá e na capital Rio Branco, na época foi preso o novo secretário de Gladson Cameli, Assirbanipal Barbary, a operação contou com o apoio de 150 agentes da Polícia Federal e a suspeita é que aproximadamente R$ 4 milhões tenham sido fraudados na época da operação.

Operação G7, da Polícia Federal no dia 10/05/2013, prende secretários e empreiteiros no Acre na época – Foto: Rayssa Natani

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Leia Também:  Cameli contratada empresa do RJ para mamar mais de R$3,4 milhões para fazer decoração natalina

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA