RIO BRANCO

Política Destaque

Ex-deputado do Amapá preso acusado de intermediar esquema de propinas ocupa cargo no gabinete de Petecão

Publicados

Política Destaque

O ex-deputado federal do Estado do Amapá, Antônio da Justa Feijão, que foi preso durante operação Garimpeiros da Propina, da Polícia Federal, e ficou detido por quase cinco meses em 2018, acusado de integrar um esquema de distribuição de propina dentro do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), ocupa cargo em comissão no gabinete do senador acreano Sérgio Petecão (PSD). Ele foi nomeado em 2019. Em 2017, ele ocupou cargo no gabinete do também senador Davi Alcolumbre, que atualmente é presidente do Senado.

Antônio da Justa Feijão foi superintendente do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Ele foi investigado pelos agentes de Polícia Federal e acusado de integrar um esquema de propina no órgão para liberar atividades garimpeiras ilegais. De acordo com a PF, Feijão e servidores do DNPM “facilitavam a obtenção de concessões e autorizações de exploração de minério mediante o recebimento de vantagens indevidas e favorecimento de terceiros, além de realizarem ‘vista grossa’ nas irregularidades na mineração”.

Durante o escândalo do esquema de propinas no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), veículos de comunicação do Estado do Amapá denunciaram que Antônio da Justa Feijão seria servidor fantasma no gabinete do Senador Davi Alcolumbre (DEM). As notícias também davam conta que o antigo DNPM, atual Agência Nacional de Mineração (ANM) estaria sob influência do senador Davi Alcolumbre, que por sua vez, seria padrinho do ex-deputado que foi exonerado de seu gabinete para reaparecer nomeado por Sérgio Petecão.

Leia Também:  PSDB bate martelo e anuncia o empresário Celestino Bento (PSL), para o vice de Minoru Kimpara na eleição de Rio Branco

Há suspeitas que Antônio da Justa Feijão foi nomeado no gabinete do senador acreano como uma troca de favores entre o presidente Davi Alcolumbre e o primeiro-secretário Sérgio Petecão. Em 2017, Feijão recebia remuneração básica de R$ 8.608,90 no gabinete de Alcolumbre. Atualmente, no gabinete de Petecão, o ex-deputado do Estado do Amapá recebe um salario de R$ 14.339,83 para exercer a função de assistente parlamentar. Feijão foi solto em julho de 2018. A Justiça revogou a pela demora na oferta da denúncia dos supostos crimes.

Segundo reportagem do G1 Amapá, o suposto esquema de propinas que resultou na prisão de Feijão teria funcionado durante seis anos, entre 2012 e 2018. A acusação é que Feijão e outro ex-parlamentar cometeram dez crimes, entre eles, organização criminosa, usurpação de bens da União, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. As outras seis pessoas são acusadas de participação no esquema com recebimento de vantagens ilícitas. A nomeação de Feijão no gabinete de Petecão pode ser mais um exemplo das manobras que os políticos fazem para desviar atenção de escândalos que podem respingar em seus nomes, acomodando seus apadrinhados em confortáveis cargos públicos de colegas de outros estados.

Leia Também:  Prefeitura procura chifre em cabeça de cavalo: Não se governa olhando para o retrovisor, se alguém cometeu irregularidades o MP, TCE e a Justiça vão julgar

O que diz Petecão

Ao Notícias da Hora, o senador Sérgio Petecão, que também ocupa o cargo de primeiro-secretário do Senado Federal, disse que o seu gabinete de Brasília tem nomeações de todos os estados.

“O meu gabinete lá, amigo, nós temos uma estrutura que aloca assessores de todos os estados, entendeu?”, pontuou Petecão.

Quanto à nomeação de Antônio da Justa Feijão, preso em 2018 pela Polícia Federal, o senador acreano não soube especificar em que circunstâncias se deu a nomeação de Feijão e se ele tinha conhecimento, a resposta foi: “não”.

Ao encerrar a ligação, Petecão pediu que a reportagem voltasse a entrar em contato com ele amanhã, segunda-feira, para esclarecimentos mais detalhados acerca da nomeação do ex-deputado federal do Amapá, Antônio da Justa Feijão.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política Destaque

Deputados recebem áudios de servidores da Saúde que choram exaustos pelo excesso de trabalho e lamentam fim do pagamento do auxílio

Publicados

em

O deputado Neném Almeida (Podemos), cobra a volta do pagamento do auxílio – Foto: Reprodução

Acre in Foco – O governo do Acre pagou a última parcela do Auxílio Temporário de Emergência em Saúde (ATS), no mês de dezembro de 2021. Esse adicional de insalubridade destinava-se a suprir os gastos excepcionais e emergenciais decorrentes da exposição excessiva de agentes públicos aos efeitos da pandemia.

Cada funcionário da linha de frente de combate à pandemia de covid-19 recebeu um adicional de cerca de R$ 500 por mês, desde julho de 2021. Um ano e 4 meses depois do intenso trabalho contra o coronavírus. A pandemia de covid-19 se intensificou a partir de março de 2020. O mês de férias dos servidores não foi contemplado com o auxílio que também não foi pago no mês de setembro, garantem os funcionários da Saúde.

O auxílio acabou em dezembro de 2021. Em janeiro de 2022, a covid-19 associada a gripe H3N2 voltaram a lotar as unidades de saúde. O padrão de 5 pacientes para cada técnico foi alterado para 14 pacientes para cada técnico. Um número considerado impossível: “é desumano”, chora de exaustão a servidora em áudio enviado aos deputados.

Leia Também:  Governador Gladson Cameli, através da Secretaria de Saúde, vai contratar mais de R$ 1 milhões em água potável para abastecer as unidades hospitalares da capital

Isso vem acontecendo com frequência e a gestão da unidades não consegue resolver porque não tem profissional suficiente para atender a demanda”, afirma diretoria de Unidade de Saúde.

O deputado Neném Almeida (Podemos), cobra a volta do pagamento do auxílio e justifica: “muitos destes servidores após o contato com essa doença ficaram com sequelas (respiratória, ansiedade, depressão) e outros chegaram a perder a própria vida nessa guerra. Eles voltaram a ser muito exigidos no combate à doença, em 2022 e por isso é extremamente importante que todos os servidores que estejam na linha de frente, sejam contemplados com o benefício”.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA