RIO BRANCO

Política Destaque

Estado e União não cumprem determinação judicial e recém-nascida morre em Maternidade de Rio Branco

Publicados

Política Destaque

Mesmo com uma determinação da Justiça Federal para que o Governo do Acre e a União garantissem uma UTI aérea para a bebê Isabella Vitória Miranda Rodrigues, que nasceu no dia 6 de novembro com um grave problema cardíaco, a criança com poucos dias de nascida, não teve a chance de lutar pela vida em um hospital onde o delicado procedimento precisava ser feito.

Como em casos semelhantes, já houve negação de solicitação para esse tipo de procedimento, e como o caso é de urgência e emergência, foi necessária a intervenção judicial.

O Juiz Federal Substituto, Moisés da Silva Maia, determinou à União e ao Governo do Acre que providenciem o deslocamento da recém-nascida de UTI aérea até o Hospital do Coração ou uma outra unidade que faça o procedimento de alta complexidade. Há ainda a obrigatoriedade de garantir a estadia e o transporte da criança e de um acompanhante.

O prazo era até a segunda-feira, 11. A liberação de uma vaga em um hospital só foi autorizada nesta terça. Tarde demais, Isabella já havia falecido na UTI neonatal da Maternidade Bárbara Heliodora.

Leia Também:  Daniel Zen e Edvaldo Magalhães acionam Ministério Público por possível fraude em licitação do governo

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) alega que a demora na contratação da UTI aérea se deu porque o governo só pode contratar o serviço a partir do momento em que é disponibilizada uma vaga em um hospital pela Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade que é de responsabilidade do governo federal e não aconteceu em tempo hábil. Por Ac24horas

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Política Destaque

Novo secretário de Gladson Cameli participou dos governos do PT e foi preso na operação G7

Publicados

em

Novo secretário nomeado por Gladson foi um dos envolvidos na operação G7 e sua nomeação foi pedido dos empresários – Foto Reprodução

O Engenheiro Elétrico e empresário Assirbanipal Barbary, foi a mais nova nomeação de Gladson Cameli o “governo de 1 bilhão” (Progressista), que atendeu ao pedido de um grupo de empresários do Estado.

O mesmo irá substituir o ex-secretário Anderson Abreu; tio de Gladson Cameli que foi exonerado, depois de ser um dos alvos da operação Ptolomeu, que investiga possíveis desvios milionários da Educação e Saúde do governo do Acre.

Assur, é bem conhecido, pois também já foi preso e alvo de uma grande operação; o conhecido caso G7, que pautou as páginas policiais em 2013, no primeiro mandato do governador Tião Viana (PT).

Na época o mesmo era diretor da secretaria de desenvolvimento Urbano de Rio Branco e era um dos acusados, de integrar um esquema para fraudar licitações.

Com a chegada de Assirbanipal para a pasta de indústria e comércio, os empresários Acreanos esperam ter mais participação nos negócios e serviços ofertados pelos governo do Acre, já que quase tudo é entregue aos empresários amazonenses.

Leia Também:  Alan Rick, Vanda, Mailza e Jéssica poderão levar rasteira. Márcia Bittar é dada como certa a ser anunciada ainda em 2021 pelo governador Gladson Cameli, como a escolhida na chapa ao senado

A nomeação de Assur está publicada na edição do diário oficial desta quinta-feira (20). Assur já foi secretário adjunto de Gestão Urbana da prefeitura de Rio Branco na administração do petista Marcus Alexandre.

A operação aconteceu em maio de 2013 nos municípios de Tarauacá e na capital Rio Branco, na época foi preso o novo secretário de Gladson Cameli, Assirbanipal Barbary, a operação contou com o apoio de 150 agentes da Polícia Federal e a suspeita é que aproximadamente R$ 4 milhões tenham sido fraudados na época da operação.

Operação G7, da Polícia Federal no dia 10/05/2013, prende secretários e empreiteiros no Acre na época – Foto: Rayssa Natani

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Leia Também:  Ex-prefeito de Brasileia, Everaldo Gomes, e mais dois ex-prefeitos são condenados a devolver valores aos cofres públicos do Estado

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA