Política Destaque

Deputado Daniel Zen expõe prejuízos para os servidores públicos com reajuste proposto pelo governador Gladson Cameli

Publicados

Política Destaque

O assunto em pauta na sessão ordinária na Assembleia Legislativa do Acre (ALEAC) prosseguiu sendo a polêmica em torno da proposta de reajuste salarial dos servidores públicos do Poder Executivo, anunciado pelo governador Gladson Cameli (PP-AC) na última sexta-feira, 11.

O deputado Daniel Zen (PT-AC) subiu, novamente, à tribuna para fazer uso da palavra e destrinchar os aspectos negativos constantes na proposta governamental:

“Ao invés de aplicar os 33,24% – determinados pela Lei do Piso Nacional do Magistério – à todas as referências iniciais, de todas as tabelas do PCCR da Educação, o Governo aplicou esse percentual apenas na referência inicial (Letra A) da tabela do Professor P1, de nível médio. Na tabela do Professor P2, de nível superior, esse percentual cai para um número aleatório, de 26,55%, para a Letra A; e segue caindo até chegar a 8,97%, na Letra J. Se for considerado o valor do auxílio-alimentação, a distorção piora ainda mais: o incremento salarial começa em 44,03% e vai caindo até chegar em 17,77% para quem está no final da tabela.”

Segundo o deputado, a proposta do governo traz consigo uma série de retrocessos em relação às conquistas já obtidas pela categoria em negociações salariais de anos anteriores: “Nela, o incremento salarial existente entre cada uma das referências (letras) da tabela salarial, que é concedido na hora das progressões funcionais (puladinha de letra), que hoje é de 10% da referência inicial, cai para 6,54%.”

Leia Também:  Prefeitura de Plácido de Castro assina convênio do deputado Flaviano Melo de mais de R$ 480 para construção de quadra esportiva

Ainda segundo o parlamentar de Oposição, caso tal proposta seja aprovada da forma como fora apresentada, “a diferença do salário em início de carreira de um Professor P1, de nível médio, para um Professor P2, de nível superior cai dos atuais 39% para apenas 5%. A diferença do salário no início de carreira do Professor P2 para o salário do final da carreira, que hoje é de 90%, cai para 63%. E o salário do Professor Provisório, de nível superior, que é igual a 90% do salário do Professor P2, em início de carreira, vai ficar menor do que o salário do Professor P1, de nível médio. Não há lógica nenhuma em uma proposta que traz mais malefícios do que benefícios”, afirmou Zen.

Ao retornar a tribuna, durante o grande expediente, para abordar o assunto da convocação dos aprovados no último concurso da SEE/AC e que se encontram em cadastro de reserva, aguardando por suas convocações, o sistema que transmite o áudio do plenário para as galerias apresentou uma falha, impedindo os manifestantes de ouvir o discurso.

Leia Também:  SINSPJAC se antecipa e faz contato com embaixada Russa, pela vacina SPUTINIK V, caso seja liberada para aquisição privada

“Oficialmente, disseram que as caixas de som da galeria queimaram. Extra-oficialmente, eu creio que me boicotaram”, sugeriu Zen.

E Veja Também no 3 de Julho – Acre 24 Horas

Veja o Vídeo Abaixo: Em apoio às reivindicações dos servidores da Educação, Saúde e Segurança do Estado. Leo de Brito anunciou que entrou com uma ação popular, na Justiça Federal, para que o governador Gladson Cameli restitua aos cofres públicos os R$ 800 milhões que a Polícia Federal, por meio da Operação Ptolomeu, apontou que foram desviados. 

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página: Facebook 3 de Julho Notíci

Portal: 3dejulho.com.br Rio de Janeiro

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

Gladson Cameli e assessores estão em Brasília na tentativa de rifar Mailza Gomes de vez do jogo, a estratégia até aqui deu errado

Publicados

em

O governador Gladson Cameli (PP) e vários assessores próximos, estão em Brasília para uma maratona de reuniões e conversas que afunile na formação da chapa majoritária que disputará a reeleição do atual governo.

Acompanhado do deputado estadual José Bestene, do secretário da Casa Civil Jhonatan Donadoni, dos assessores Lívio Veras, Rômulo Grandidier e Alysson Bestene, segundo informações repassada ao portal 3 de Julho, Gladson Cameli tenta chegar a um entendimento com os postulantes a vaga de senado e vice na sua chapa.

A confusão está posta, pois ao menos dois nomes na briga pela vice e três pela pela a vaga de senado.

Rômulo Grandidier e Alysson Bestene duelam ferrenhamente para saber quem agrada mais o governador e assim compor na vice, já Mailza Gomes, Márcia Bittar e Alan Rick, fazem o “Duelo de Titãs” para saber quem será o escolhido na disputa de senado para enfrentar Vanda Milane e o ex-senador Jorge Viana.

Não será fácil fazer o casal Bittar desistir de empurrar Márcia na disputa, por outro lado, Gladson se agrada mais de Alan Rick. Outro obstáculos grande é convencer a senadora Mailza Gomes, que está no mandato e preside o Progressista.

Leia Também:  Deputado Roberto Duarte afirma que Gladson deve medir suas palavras ao falar com a imprensa

A operação tira Mailza não funciona e segundo informações vem deixando Gladson Cameli enfurecido. O clima é de guerra, vai se salvar quem tiver mais poder político e pelo jeito a senadora Mailza Gomes tem de sobra.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA