Política Destaque

Com servidores em greve, Governo através da secretaria de Educação adia início do ano letivo para dia 11 de abril

Publicados

Política Destaque

Aulas da rede pública estadual iriam iniciar na próxima segunda-feira (4), mas foram adiadas por conta da greve de mais de um mês dos professores.

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes do Acre (SEE) anunciou que as aulas da rede pública, previstas para iniciar na próxima segunda (4), foram adiadas para o dia 11 de abril. O motivo é a paralisação dos servidores da pasta por melhorias salariais, concurso público e outras reivindicações.

A categoria iniciou o movimento grevista no dia 16 de fevereiro.

Segundo o portal G1 Acre, a Secretaria de Educação divulgou um comunicado sobre o adiamento. “[…] em virtude da greve dos professores, que impediu a realização dos encontros de capacitação e de outras atividades de planejamento pedagógico consideradas essenciais, o início do ano letivo 2022 foi reprogramado para o próximo dia 11 de abril”, diz o aviso.

As aulas presenciais foram suspensas no dia 17 de março de 2020, na semana em que o Acre confirmou os três primeiros casos de Covid-19. A partir de então, os alunos tiveram acesso ao conteúdo escolar pela internet por videoaula, pelo rádio com audioaulas, pela televisão e também com o material impresso disponibilizado nas escolas.

Em janeiro desse ano, a SEE divulgou o calendário escolar com início das atividades em abril. A previsão é de voltar com as aulas 100% presenciais nas escolas. Contudo, a assessoria de comunicação da Educação destacou, nesta quarta, que o Comitê Covid fará uma nova reunião antes do início do ano letivo para definir o formato das aulas.

Leia Também:  MDB pode desembarcar do governo de Gladson para construir candidaturas majoritárias em 2022

O calendário letivo de 2021 encerrou as aulas no dia 3 de fevereiro. Já as aulas das escolas de ensino médio ou de ensino integral, que têm a carga horária de 5h ou 7h diárias, respectivamente, foram concluídas em 23 de dezembro do ano passado.

Greve no Acre

Entre as principais reivindicações da categoria estão a Reformulação do Plano de Cargos e Carreiras do estado (PCCR) e a realização de concurso público estadual.

No dia 11 de março, o governo anunciou um reajuste de 5,42% para servidores públicos ativos e inativos do estado e também o reajuste do salário equiparado ao piso nacional no valor de 33,24%, além do auxílio alimentação mensal para os servidores ativos da SEE de R$ 420.

Porém, a categoria rejeitou a proposta e seguiu com a greve. No início do mês, o grupo chegou a ocupar a sede da Secretaria Estadual de Educação (SEE), em Rio Branco.

Sem um consenso entre os servidores e o governo, os manifestantes se reuniram na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) no dia 22 de março para pedir apoio dos parlamentares, após o governo entregar uma proposta reestruturação da carreira, mas a categoria não aceitou.

Nesta quarta, novamente, a categoria esteve presente na Aleac para pedir apoio dos deputados. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, disse que o governo manteve a proposta de reajuste de 5,42% no salário.

Leia Também:  Veja o Vídeo: Exame confirma que presidente do PT no Acre, Cesário Braga, está com COVID-19

“Disseram assim: ‘essa é nossa proposta, se quiserem fiquem com isso e se estão achando ruim procure a Justiça’. O tratamento tem sido esse, a gente vai persistir para ver se avançamos com os deputados. A greve continua, vamos continuar de plantão na Aleac, não dar ouvido à secretária que tem convocado nossa catetoria”, afirmou.

Proposta do governo

Além do benefício geral que vai ser pago a todos os servidores de reajuste de 5,42% no salário, o governo também anunciou o pagamento de benefícios para a educação e saúde estadual, que estão em greve.

Com relação aos profissionais da educação, o governo, que chegou a fazer uma consulta ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e recebeu parecer favorável, vai conceder o reajuste equiparado ao piso nacional no valor de 33,24%. Além do auxílio alimentação mensal para os servidores ativos da SEE de R$ 420.

Servidores estaduais pedem:

Reformulação do plano de cargos e carreiras do estado;

Concurso público estadual;

Prestação de conta da Secretaria Estadual de Educação;

Adesão do piso nacional para os professore, que é de R$3.800 para 40 horas;

Salário mínimo

Aulas da rede pública estadual foram adiadas para o dia 11 de abril por conta da greve dos professores – Foto: Reprodução / Rede Amazônica Acre

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

“Em Brasileia não têm uma gestão, têm uma quadrilha que enriqueceu com essa prefeitura; Fernanda Hassem tem moral”, diz David Rosa

Publicados

em

Mais uma vez, o internauta David Rosa transmitiu uma live fazendo sérias acusações contra a prefeita do município de Brasileia, Fernanda Hassem, e seu irmão, o pré-candidato Tadeu Hassem. David ainda instigou o Ministério Público e o fato da prefeita se achar intocável.

Em live, o internauta começou afirmando que Fernanda Hassem compra votos com cestas básicas, que saquearam mais de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) das obras de revitalização do Parque Centenário. David diz ainda que que conhece muito bem o secretário de saúde Francélio e o irmão da prefeita, Tadeu Hassem, e que em Brasileia não tem uma gestão, têm uma quadrilha que enriqueceram com a Prefeitura de Brasileia.

Além das muitas acusações feitas por David, ele ainda xinga a gestora, dentre esses xingamentos estão: mentirosa, covarde, sínica, palhaça, intimidadora, baixa e muito mais. O internauta ainda afirma que Fernanda Hassem não respeita e nem tem amor por ninguém.

Mais a frente, David Rosa apresenta dois áudios da prefeita falando a respeito do Caso Betinho (acidente em que uma caçamba da prefeitura de Brasileia ocasionou um acidente com outra caçamba e que a vítima não teria recebido assistência do Poder Público). Em áudio, Fernanda menospreza os familiares, ironiza a situação e deixa claro que não prestou assistência a Betinho porque “uma parente dele” (referindo-se a uma suposta irmã da vítima) foi para as redes sociais falar besteira” (termo usado pela prefeita).

Leia Também:  Empreendedorismo: Governo fortalece turismo de base comunitária na Trilha Chico Mendes, em Brasileia

O mesmo completa afirmando que Fernanda Hassem é indecente e não tem coerência, fala uma coisa e faz outra. Rosa continua falando de roubo na prefeitura e que a prefeita têm sangue ruim e tenta se eximir da responsabilidade.

Veja o Vídeo:

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA