Política Destaque

Assombrados com STJ: 2022 e a incerteza de Gladson e aliados, que temem seu afastamento do cargo de governador

Publicados

Política Destaque

Nem as festividades de final de ano que costumam ser bastante celebradas, trouxe um ambiente tranquilo ao governador Gladson Cameli (PP) e seus aliados leais, que passaram a virada de 2021 para 2022 assombrados com as operações policiais jamais vista no estado, em uma administração a beira do abismo.

A operação Ptolomeu, investiga o que pode ser o maior esquema de corrupção da história política acreana e tem o próprio governador Gladson, como o centro das investigações desencadeada pela Polícia Federal, autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Aliados fiéis ao Palácio Rio Branco, não escondem o medo de na volta do recesso do judiciário, o governador Gladson Cameli seja afastado do cargo. Acontece que os indícios de que o governador seja o maior beneficiado com o suposto esquema, o deixa na linha de suspeição do STJ, que pode a qualquer momento anunciar a medida.

Para a maioria dos assessores e secretários de Gladson Cameli, o governo nas mãos do vice Major Rocha (PSL) seria um pesadelo. O Vice-governador Major Rocha pode fazer um limpa nos comissionados fazendo com que a tinta da caneta trabalhe, inclusive a grande lista de desafetos que não suportam o vice, esses seriam os primeiros a rodar.

Gladson tenta passar o ar de tranquilidade, notadamente forçando a barra para não demonstrar agonia que tomou conta de seu governo. O próprio governador diz que é perseguição política agora tenta colocar culpa em adversário.  

Dia 7 de janeiro, a justiça retoma os trabalhos e segundo informações que foram repassadas a nossa redação, poderá haver mais Operação de desdobramentos da Ptolomeu no governo Cameli, dificilmente o governador Gladson não será afastado do cargo.

Leia Também:  "Escândalos dos Precatórios pode levar ao impeachment de Gladson se for comprovado. Operações na educação pediu música no fantástico", diz Zen

Gladson o principal investigado

O inquérito que tem Cameli como principal investigado também se cruzou com outra investigação da Polícia Federal, a da Operação Assepsia, que se debruçou sobre a compra emergencial e sem licitação, pela Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, de álcool em gel e máscaras na pandemia. Um dos alvos da PF no Amazonas foi o empresário Rudilei Soares de Souza, o ‘Rudilei Estrela’, apontado como operador financeiro do governador. Em 2018, quando saiu candidato a deputado federal, o empresário recebeu apoio público de Cameli na campanha. Na segunda fase da Assepsia, em abril, os policiais federais fizeram buscas na casa de Rudilei e encontraram um carro registrado no nome do governador.

As transações para compra veículos de luxo acenderam o alerta da PF. Em 2018, quando concorreu ao cargo, Cameli declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) R$ 202 mil em automóveis. O patrimônio aumentou mais de 800% desde então, chegando a mais de R$ 1,6 milhão, segundo os cálculos da Polícia Federal.

A suspeita é que, com apoio de Rudilei Estrela, as transações com veículos, imóveis, dinheiro vivo e cartões de crédito tenham sido usadas para lavar dinheiro desviado dos cofres públicos do Estado. O suposto esquema envolveria o direcionamento de licitações, contratações superfaturadas e a confirmação de recebimento de mercadorias não entregues e de serviços não prestados em troca de vantagens indevidas.

Leia Também:  Ministério Público recomenda a exoneração da secretária de Assistência Social da prefeitura de Acrelândia, por violação ao princípio da eficiência administrativa

De acordo com a PF, os empenhos para pagamentos dos contratos suspeitos eram efetuados, via de regra, sob código de recursos próprios, o que na avaliação dos investigadores pode ser um artifício para dificultar a fiscalização por órgãos de controle federais.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O ex-deputado federal, Sibá Machado, gravou um vídeo polêmico onde fez um desabafo contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, o Juiz Sérgio Moro e o governador do Acre, Gladson Cameli. Sibá não perdeu a oportunidade de alfinetar o gestor em se tratando do escândalo de corrupção no qual para a Polícia Federal, Cameli é tido como o chefe de uma organização Criminosa que desviou quase R$ 1 bilhão de reais dos cofres públicos do Estado.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Destaque

Governo paga R$ 14 mil para professores ficarem tomando banho de piscina na escola Armando Nogueira, professor das águas ainda debocha de colegas

Publicados

em

O fato de usarem a máquina pública para beneficiar meia dúzia de encostados tem gerado grande revolta dentro da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes- SEE, na gestão de Gladson Cameli, sobretudo, por conta dos benefícios financeiros que são disponibilizados para alguns, como é o caso da Escola Estadual Armando Nogueira.

Não é novidade que a educação estadual está em decadência devido a falta de compromisso com o trabalho a ser desenvolvido e por estar servindo de cabide de emprego, pois na Escola Armando Nogueira, ainda em 2021, dois professores foram lotados na piscina olímpica para desenvolver atividades pedagógicas para os alunos integrais e das escolas militares, mas até a presente data essas atividades não estão acontecendo.

O que chama a atenção é o fato de um desses professores, identificado como Everton Araújo de Lima, que é professor de Educação Física, ser parente do secretário de educação Aberson Carvalho e foi tirado de sala de aula, sem que a escola fosse consultada para ficar a disposição da piscina onde vai trabalhar quando quer, sem contribuir para a educação pública, apenas recebendo seus proventos mês a mês. A gestora afirmou que ficou surpresa quando Everton chegou na escola com um memorando em mão dizendo que iria ficar a disposição na piscina.

Leia Também:  Enquanto Gladson "dialoga com calango", Policial com câncer tenta há 2 meses conseguir remédio que custa quase R$ 32 mil

Já o outro professor, identificado como Luiz Rodomilson dos Santos, foi lotado na Escola Armando Nogueira em dezembro do ano passado, onde na oportunidade fez questão de dizer que ele era indicação da Secretaria para ficar a disposição da piscina e logo que foi lotado na escola seu salário era no valor de R$ 4.547,94 (quatro mil quinhentos e quarente e sete reais e noventa e quatro centavos).

Não satisfeito com o seu salário, Rodomilson chegou na escola ainda no início de fevereiro e disse que o secretário Aberson pediu que a escola solicitasse uma Dedicação Exclusiva – DE para ele (Rodomilson), mas a escola informou que a não pede dedicação exclusiva para professor. Como a escola não atendeu o desejo de Rodomilson, posteriormente ele chegou na escola dizendo que tinha resolvido tudo pela secretaria de educação. Com o passar do tempo, os demais professores começaram a questionar por que tinha um professor a disposição da piscina se não estava tendo atividades pedagógicas.

Na oportunidade a gestora da escola encaminhou um ofício a SEE, solicitando esclarecimento de porque havia professores lotado na piscina se a piscina não estava funcionando, mas a secretaria não respondeu. Incomodados, os demais professores consultaram o portal da transparência e vira que antes de solicitar Dedicação Exclusiva, Rodomilson recebia 4 mil reais e depois que Rodomilson falou que havia resolvido tudo pela secretaria ele passou a receber o valor de R$ 14.500,70 (quatorze mil e quinhentos reais e setenta centavos).

Leia Também:  “A aliança do Gladson é com o povo”: É o que se observa na construção política do governador Gladson Cameli para as eleições de 2022

Diante do valor que Rodomilson recebe, os demais professores ficaram indignados por ver um professor lotado na piscina sem exercer nenhuma função pedagógica e ainda ganhando um salário exorbitante deste. A realidade da escola é que tem dois professores de educação física, mas os dois estão a disposição da piscina, ambos sem exercer nenhuma função pedagógica.

Veja os Vídeos:

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA