Polícia

Morte de traficante na Bolívia volta a intensificar guerra de facção em Brasileia e Epitaciolândia, diz Segurança

Publicados

Polícia

Morte de traficante na Bolívia volta a intensificar guerra de facção na fronteira, diz Segurança – Foto: Alexandre Lima / Arquivo pessoal

Após três anos de redução no número de mortes violentas, o Acre voltou a registrar clima de tensão e derramamento de sangue nas últimas semanas. Dados do Monitor da Violência mostram que em 2019 o estado teve 312 mortes violentas, reduzindo no ano seguinte para 292 e chegou a 181 no ano passado, sendo o estado com a maior queda no número de mortes violentas do país em 2021.

Porém, os confrontos atuais que terminaram com a morte de oito pessoas na região de fronteira, no Alto Acre, estão ligados à intensificação da guerra entre facções criminosas, segundo avaliou o secretário de Segurança Pública, coronel Paulo Cézar, e voltou a preocupar as autoridades.

O motivo para os novos enfrentamentos entre os grupos criminosos, segundo o coronel, foi a morte de um traficante, chefe de uma facção na Bolívia. A ordem para o assassinato partiu de dentro do presídio da cidade boliviana de Riberalta e, após o crime, vários ataques foram registrados tanto no país vizinho quanto nas cidades acreanas que estão na fronteira.

Leia Também:  Editado: Procurador da Prefeitura de Brasileia poderá ter prisão decretada após acusação de violência doméstica contra ex-esposa

Por conta da situação, Segurança Pública montou força-tarefa na fronteira para fortalecer as ações – Foto: Arquivo / PM-AC

“A guerra iniciou na Bolívia e envolve o domínio das rotas de tráfico de dentro do território boliviano e também acreano, em especial no Alto Acre. Apesar de ter um rio que separa, são cidades gêmeas, que têm uma integração econômica, social e, consequentemente, criminal também. Tanto que uma das maiores dificuldades na atuação das forças policiais é o fato de eles [criminosos] ficarem migrando de um território para o outro. Todas as mortes que ocorreram no Alto Acre têm ligação com esse confronto entre facções”, afirmou.

Acre tem a maior queda no nº de mortes violentas do país em 2021; autoridades atribuem baixa à estruturação das polícias no estado
Quatro pessoas são mortas a tiros em bairros no interior do Acre; três estavam juntas na mesma casa.

Operação “Off the rails” ocorreu em Brasileia para tentar conter o avanço da criminalidade – Foto: Tiago Teles / Asscom-MP

Leia Também:  Criminoso preso no MT que ordenava mortes no Acre é condenado a mais de 12 anos de prisão

O secretário disse ainda que o crime organizado está instalado em toda América do Sul, em especial nos países que produzem cocaína e maconha e também naqueles que são grande mercado consumidor ou que possuem infraestrutura para exportação da droga.

“Então, qualquer movimento do crime organizado em algum desses territórios que ele tem domínio, isso pode gerar retomada da guerra. Em 2017, por exemplo, que teve o resultado avassalador no Acre, que figurou como o estado mais violento do país naquele ano, teve como embrião a morte de um traficante em uma cidade no Paraguai. Desta vez, foi uma morte encomendada na Bolívia que desencadeou toda essa violência no Alto Acre. Então, o crime é sistêmico e não necessariamente ele depende de fenômenos locais”, explicou. Veja mais no G1 Acre

Operação na fronteira após retomada da guerra de facções – Foto: Arquivo / PM-AC

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia

Criança de 1 ano morre afogada enquanto brincava dentro de caixa d’água em Acrelândia

Publicados

em

Uma criança de 1 ano e 4 meses morreu afogada após cair em uma caixa d’água na manhã dessa quinta-feira (26), na cidade de Acrelândia, no interior do Acre.

O menino, identificado como Moisés Marcos dos Santos Silva, brincava na caixa, quando caiu dentro dela e acabou morrendo afogado, segundo a polícia.

“Até agora, a informação que temos é que a criança caiu na caixa d’água, quando estava brincando. Foi levado ao hospital e fomos acionados”, informou o delegado Dione dos Anjos.

O menino ainda chegou a ser levado para o hospital da cidade, mas não resistiu. Por não ser uma morte natural, o médico da unidade acionou a polícia.

O corpo do menino foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), em Rio Branco, onde passou pelos exames cadavéricos. O delegado disse que aguarda o resultado do laudo e só deve ouvir a família, caso o documento aponte uma causa diferente para a morte. Com informações do G1 Ac.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputada Maria Antônia se reúne com parte de apoiadores em Brasileia para reafirmar as alianças com lideranças
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA