RIO BRANCO

Polícia

Médico formado na Bolívia é preso por exercer a profissão ilegalmente no Acre

Na tarde desta terça-feira, 10, a Policia Civil prendeu Renato Vilela no Posto de Saúde do Bairro São Francisco.

Publicados

Polícia

Na tarde desta terça-feira, 10, a Policia Civil prendeu Renato Vilela no Posto de Saúde do Bairro São Francisco.

medico-no-acre-preso

Ele é acusado de exercer a medicina sem ter o registro no Conselho Regional de Medicina.

Pelo menos 20 pessoas  aguardavam para ser atendidas pelo falso médico nesta tarde. Além de atendimentos que realizava como clínico geral,  a polícia também recebeu a informação de que Renato realizava pequenas cirurgias.

De acordo com a polícia, Vilela se formou em Cochabamba, na Bolívia, e exercia a profissão ilegalmente em Rio Branco.

O médico sem registro responderá por falsidade ideológica e exercício ilegal da Medicina. 

Renato foi encaminhado a Delegacia de Flagrantes e em seguida foi levado a Delegacia da 3ª Regional.

“Ele utilizava um carimbo com CRM de Minas Gerais, verificamos junto ao CRM-MG e constatamos que não existe esse registronaquele órgão. Vamos dar continuidade à investigação e ele pode, inclusive, responder por outros crimes”, explica.

O delegado informou ainda que deve investigar a informação de que Renato Vilela tirava plantão para outros médicos na capital. “Vamos verificar e, se for verdade, esses médicos também podem responder criminalmente.

Leia Também:  Embriagado trabalhador reage a assalto e é ferido a golpes de faca

‘Às vezes o dinheiro quer falar mais alto’

Na unidade do São Francisco ninguém quis se pronunciar oficialmente, no entanto, de acordo com funcionários do local, Vilela já estava trabalhando no local há cerca de dois meses.
 

dsc_0727

Fonte: ac24horas

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Polícia

Homem investigado por furto de gado é preso com arma de fogo e munições durante operação da Polícia Civil

Publicados

em

Polícia Civil recupera 11 cabeças de gado avaliadas em mais de R$ 40 mil e devolve ao dono – Foto: Polícia Civil

Um homem investigado por furto de gado na Rodovia Transcreana, zona rural de Rio Branco, foi preso na manhã desta terça-feira (25) com uma arma de fogo e munições durante uma operação da Polícia Civil. As equipes policiais cumpriam mandados judicias contra pessoas procuradas pelo furto de animais.

Em novembro do ano passado, quatro pessoas com idades de 25, 33, 36 e 43 anos foram indiciadas pela Polícia Civil, após concluir as investigações do furto de 11 cabeças de gado na Transacrena.

Os animais foram roubados em outubro de 2021 e, após uma semana de investigação, a polícia encontrou e devolveu os animais ao dono. Os envolvidos no furto devolveram os animais após a polícia chegar até eles.

O quarteto, que inclui o gerente da propriedade, foi indiciado por abigeato – furto de animais-, associação criminosa, falsificação de documento público e uso de documento falso.

Nesta terça, os policiais da Delegacia da 1ª Regional da Polícia Civil foram cumprir mandados de busca e apreensão quando acharam a arma e munições na casa do suspeitos. Em outras residências, a polícia diz ter apreendido três pistolas de vacinação de gado e celulares.

Leia Também:  Em Marechal Thaumaturgo, Policia Militar atende ocorrência de homicídio e apreende duas armas de fogo

“À época do furto do gado foram presas quatro pessoas, a investigação continuou e hoje [terça, 25] foi presa mais uma pessoa. Conseguimos identificar mais pessoas que fazem parte dessa ação criminosa, cumprimos os mandados de busca e apreendemos celulares, documentação utilizada para transportar esse gado e uma pessoa presa por porte ilegal de arma de fogo”, destacou o coordenador da 1ª Regional, delegado Yvens Dixon.

O delegado falou que vão ser analisados os celulares apreendidos para saber se mais pessoas estão envolvidas no crime. A polícia apreendeu também Guias de Transporte Animais (GTA) falsificadas.

“Podem responder também por falsificação de documentos. Eram furtados da região da Transacreana, escondidos no Ramal do Mutum. Mesmo o transporte para curtas distâncias precisa da guia, então, como ficavam se deslocando com o gado, para evitar a localização dos animais, andavam com as guias falsas para conseguir se livrar da fiscalização”, concluiu.

Relembre o caso

Conforme a polícia, o crime ocorreu no dia 20 de outubro de 2021, quando três suspeitos entraram na propriedade da vítima e, com ajuda de um caminhão boiadeiro, levaram as vacas.

Ao todo, pelo menos quatro pessoas estão ligadas diretamente com o crime. Um deles é o gerente da fazenda onde houve o furto, um seria o suposto comprador e outro responsável pelo transporte dos animais e um quarto envolvido, a pessoa que teve a Guia de Transporte Animais (GTA) emitida no nome dela para levar o gado para Sena Madureira.

Leia Também:  Polícia prende líder de organização criminosa portando armas e drogas

“Tomamos conhecimento quando a vítima esteve na delegacia e começamos a investigação e chegamos à pessoa que fez o transporte e onde o gado estava. Também identificamos a pessoa que forneceu a GTA e chegamos a conclusão que eles tinham praticado o furto e resolveram devolver o gado com o argumento de que não tinham furtado”, disse o delegado Judson Barros, responsável pela investigação, na época das prisões.

O gado estava na BR-317, no Ramal do Mutum. O delegado disse que não houve prisão em flagrante, mas que pode ser pedida a preventiva dos envolvidos.

“Como se prontificaram a devolver o gado, fomos lá e entregamos ao verdadeiro dono. Agora seguimos com as investigações para encaminhar ao judiciário”, acrescentou.

O delegado disse que no local onde os animais estavam foi informado que eles tinham pulado no caminhão e entrado na propriedade e negaram o furto e por isso fizeram a devolução.

Ainda conforme a polícia, os demais envolvidos pela adulteração de documentos foram denunciados ao Instituto de Defesa Animal e Florestal (IDAF) para as providências cabíveis. Veja mais no G1 Acre 

Polícia Civil apreendeu celulares, armas e documentos falsos durante operação – Foto: Arquivo/Polícia Civil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA