RIO BRANCO

Geral

SAFRA: Cheia causar prejuízos à agricultura no Acre

Cheia já começa a causar graves prejuízos à agricultura de Rio Branco e SAFRA age intensamente para apoiar ribeirinhos

Publicados

Geral

Cheia já começa a causar graves prejuízos à agricultura de Rio Branco e SAFRA age intensamente para apoiar ribeirinhos

Foto: Marcos Vicentti

Foto: Marcos Vicentti

A prefeitura de Rio Branco, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Floresta (SAFRA), está reforçando o apoio aos ribeirinhos e produtores em toda a zona rural da cidade atingida pela cheia do Rio Acre e seus afluentes. Embora parte da produção tenha sido perdida, a SAFRA está ajudando os moradores de regiões mais distantes e aqueles que não têm como adotar providências por si próprios.

O trabalho de apoio aos ribeirinhos está sendo coordenado pelo diretor do Departamento de Produção Rural da Secretaria de Agricultura, Jorge Rebouças. Na última terça-feira, 24, ele e o titular da SAFRA, Mário Jorge Fadell, e seus técnicos estiveram vistoriando a situação nas comunidades do Catuaba, Liberdade, Belo Jardim, Extrema e Panorama, Colibri, Limoeiro e Oriente.

Foto: Marcos Vicentti

Foto: Marcos Vicentti

Os moradores do Liberdade e do Catuaba estão neste momento isolados pela via terrestre. A ponte sobre o Igarapé Liberdade foi tomada pelas águas. Esta ponte liga as comunidades ao ramal Belo Jardim sendo a única via de acesso terrestre. Os danos à estrutura da ponte ainda não podem ser avaliados.

Leia Também:  Mulher tenta sacrificar criança para ‘livrar a cidade do mal’

Outro ponto de isolamento é a ponte sobre o Igarapé Preto, que liga a comunidade do Catuaba e Vista Alegre ao Ramal Belo Jardim, região que registra vários pontos de alagação que impedem a passagem de veículos.

Nas comunidades do Colibri, Limoeiro e Orientes foram perdidos três hectares de mandioca e milho. No Catuaba, Liberdade e Extrema foram perdidos mais de 20 hectares de mandioca e quiabo. Para evitar prejuízo total, os produtores optam, como medida emergência e não rotineira, arrancar a mandioca e fabricar goma. Essa medida é antieconômica, segundo a SAFRA, porque reduz em 50% o ganho de produção devido à antecipação forçada da colheita.

Foto: Marcos Vicentti

Foto: Marcos Vicentti

Produtores antecipam colheita como medida emergencial

Além das orientações a respeito da cheia do rio Acre, a prefeitura de Rio Branco também está fazendo um levantamento dos danos e prejuízos causados, além de fornecer transporte para que os produtores possam escoar a produção que não foi perdida até a cidade.

Para não perder a produção que ficou debaixo d’água, os agricultores anteciparam a colheita, parte dela já comprometida com a cheia. Além disso, muitas famílias trabalham em regime de mutirão, já que a maior dificuldade nesta época do ano é em relação à mão-de-obra.

Leia Também:  Militares são filmados espancando casal suspeito de tráfico de drogas

Assim como ocorreu no ano passado, antecipar a colheita tem sido a tônica entre os produtores. O fato da prefeitura de Rio Branco, através da SAFRA, estar presente no cotidiano dos agricultores com um processo de mecanização que apoia na produção ajudou a recuperar boa parte dos produtos, mesmo com o nível do rio acima dos dezesseis metros.

Casas começam a ficar isoladas pela água

Além do transporte, em situação emergencial a Prefeitura de Rio Branco também ajuda no fornecimento de água potável para os moradores que estão ilhados e não tem como sair de suas casas até que o nível das águas comece a baixar. Até a terça-feira, três residências estavam alagadas no Colibri e Limoeiro. Nas demais comunidades não foram encontradas residências afetadas, informa o relatório da SAFRA.

O apoio da Prefeitura, reafirmou Mário Jorge Fadell, tem reduzido de maneira substancial os danos e perdas durante a alagação.

Foto: Marcos Vicentti

Foto: Marcos Vicentti

Fonte: oriobranco.net

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Inscrições estão abertas: Jornalistas de todo o país podem concorrer ao Prêmio Paulo Freire de Jornalismo

Publicados

em

Por

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Paulo Freire de Jornalismo, promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed, com o apoio da Unesco no Brasil.

A iniciativa tem o objetivo de premiar produções jornalísticas com o tema “Educação Pública na Pandemia: inovação para manter a aprendizagem e o vínculo do aluno nas escolas das redes estaduais”.

Poderão concorrer trabalhos jornalísticos que abordem a temática estabelecida, por meio de reportagens ou série de reportagens publicadas no período de 1º de março de 2020 a 10 de janeiro de 2022, mesmo dia em que serão encerradas as inscrições.

São seis categorias: Jornalismo impresso, para reportagens em jornais ou revistas; Radiojornalismo, para reportagens em emissoras de rádio; Telejornalismo, para reportagens em emissoras de televisão; Webjornalismo, para reportagens em sites ou blogs de notícias; Fotojornalismo, para fotografias publicadas em matérias ou reportagens de jornal impresso, revista, sites ou blog de notícias; e Mídias digitais, para conteúdos jornalísticos e/ou informativos veiculados em plataformas digitais de áudio ou vídeo.

Leia Também:  Correios iniciam greve por melhores condições de trabalho e contra privatização

Os critérios Adequação ao Tema, Linguagem, Estética, Originalidade e Utilidade Social serão considerados na avaliação da Comissão Julgadora.

A cerimônia de premiação deve ocorrer no primeiro trimestre de 2022. O primeiro colocado de cada categoria receberá R$ 7.000,00 (sete mil), enquanto o segundo colocado ficará com R$ 5.000,00 (cinco mil). Já o terceiro colocado de cada categoria vai ganhar R$ 3.000,00 (três mil). O valor total em prêmios a serem distribuídos nas seis categorias é de R$ 90.000,00 (noventa mil).

O edital e o formulário de inscrição estão disponíveis, Clique aqui e se escreva no Consed

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Vereadora Neiva Badotti solicita do secretário de Ação Social providências sobre as crianças Haitianos que fica na ponte todo os dias pedindo dinheiro, e que o Poder Público proporcione dignidade para essas crianças. Neiva solicita também que seja encaminhado um oficio para a gerente do hospital para saber se chegou algum saco funerário doado pela prefeitura, comprado com o dinheiro do covid, e que solicita que seja agendado novamente a reunião com a secretaria de segurança pública do estado, para se tratar sobre o IML, pois a mais de 20 anos o problema se arrasta e até o momento nada foi resolvido.

Leia Também:  A Nova droga Destrói A Carne Humana E Mata

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA