RIO BRANCO

Geral

Procon e Vigilância Sanitária apreendem duas toneladas de alimentos no Atacadista Mineirão, em Rio Branco

Publicados

Geral

O Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor do Acre (Procon/AC), em parceria com a Vigilância Sanitária Municipal efetivaram uma frente de fiscalização no estabelecimento Atacadista Mineirão, situado em Rio Branco.

A ação foi realizada durante toda a segunda-feira, 8, e contou com o apoio da Promotoria de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público do Acre (MPAC) para averiguar as procedências de denúncias feitas por clientes sobre a comercialização de alimentos impróprios para o consumo.

Inicialmente, foi constatado falhas nos maquinários do setor de frios e congelados, onde os agentes fiscais detectaram que diversos produtos como frango, carne, linguiça, camarão, entre outros, estavam sendo refrigerados em temperaturas inadequadas para a conservação dos itens.

“Com este trabalho em conjunto foi possível averiguar, por meio de termômetros digitais, a temperatura dos alimentos que estavam sendo comercializados e comparar se as informações coletadas estavam de acordo com as descrições contidas nas embalagens dos produtos”, relata o diretor-presidente do Procon/AC, Diego Rodrigues.

Na oportunidade, também foram detectadas outras irregularidades como, por exemplo, a violação das embalagens de alguns produtos, alimentos refracionados que estavam sem a identificação do produto de origem, além dos rótulos dos mesmos não constarem as informações nutricionais.

Leia Também:  CAPS e Polícia verificam caso de portador de transtornos, que teria sido acorrentado pela mãe na zona rural de Brasiléia

“Os gêneros alimentícios ofertados em qualquer estabelecimento devem estar condicionados em estruturas constantemente higienizadas, onde o produto exposto ao consumidor, siga os devidos padrões de conservação, refrigeração ou congelamento, para evitar qualquer dano à saúde da população, principalmente neste período que vivenciamos a pandemia de Covid-19”, declara Diego Rodrigues.

Contudo, aproximadamente duas toneladas de produtos apresentaram algum tipo irregularidade e foram recolhidos pelos agentes fiscais da Vigilância Sanitária e do Procon/AC. No final da ação, os alimentos foram descartados na Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos da capital.

Todas as informações coletadas pelos órgãos fiscalizadores estão sendo repassadas para o MPAC para a adoção de medidas legais. O estabelecimento atacadista tem o prazo de 10 dias para se defender da autuação.

Caso o consumidor detecte alguma irregularidade, deve denunciar ao Procon/AC pelos números telefônicos; 32237000 ou 151, de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h. Pela internet, a reclamação pode ser enviada para o e-mail: [email protected]

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Poder Judiciário do Acre retoma plantão extraordinário com 30% da força de trabalho

Publicados

em

Portaria Conjunta Nº 5/2022 institui novas medidas administrativas para afastar a propagação do vírus neste momento – Foto Reprodução

Nesta segunda-feira, 17, a presidência do Tribunal de Justiça juntamente com a Corregedoria-Geral da Justiça tornou pública a Portaria Conjunta n° 5/2022, determinando a redução do quantitativo de servidores e colaboradores em regime presencial da instituição até o dia 24 de janeiro.

Deste modo, está autorizada a retomada do trabalho remoto e atuação, por meio de escala de revezamento, do trabalho presencial com no máximo 30% dos integrantes de cada setor, excetuando os casos em que se observe prejuízos aos serviços prestados pela unidade.

A medida considerou o aumento progressivo no número de casos de Covid-19 em todo o estado, principalmente nas últimas semanas, assim como o teor da Portaria GDG Nº 4, de 08 de janeiro de 2022, em que o Supremo Tribunal Federal autoriza a adoção do regime de teletrabalho excepcional ou, na impossibilidade, que se promova escala de revezamento para os servidores e colaboradores.

Leia Também:  Papa Francisco reage a críticas: ‘Não sou comunista’

Assim, a gestão decidiu manter a política instaurada desde o início da pandemia para o resguardo e segurança à saúde dos magistrados e magistradas, servidores e servidoras, estagiários e estagiárias, todas e todos terceirizados e público externo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA