RIO BRANCO

Geral

Policiais penais fazem novo protesto pela aprovação da Lei Orgânica enviada à Aleac

Publicados

Geral

Policiais penais fazem novo protesto pela aprovação da Lei Orgânica enviada à Aleac — Foto: Arquivo/Asspen

Os policiais penais do Acre voltaram a protestar nesta quarta-feira (17) na frente da Assembleia Legislativa do estado (Aleac) para reivindicar a aprovação da Lei Orgânica que regulamenta a categoria. O Projeto de Lei Complementar foi enviado pelo governo nessa terça (16) para apreciação e aprovação dos deputados estaduais.

No mês passado, os policias penais chegaram a acampar em frente a Aleac para pressionar que o projeto fosse encaminhado ao legislativo para aprovação.

Segundo o presidente da Associação dos Servidores do Sistema Penitenciário do Acre (Asspen), Eden Azevedo, o texto final após passar pela Casa Civil não chegou a ser apresentado à categoria. Por conta do ato, as visitas nos presídios do Acre foram suspensas pelo Iapen.

“Eles encaminharam o projeto sem nem, ao menos, entregar uma cópia para as entidades representativas. Então, por isso mantivemos o manifesto para realmente ver se a lei não tem nenhuma pegadinha. Nossa Lei Orgânica era para ter sido aprovada há dois anos, estamos há dois anos nesse diálogo com o governo. Não abrimos mão que nossa carreira seja para nível superior e querem deixar como nível médio. Estamos aqui hoje para fiscalizar e pressionar, porque é uma lei que não influencia em nada no orçamento do estado, mas influencia muito na nossa carreira”, afirmou.

O sindicalista afirmou ainda que, pelo parecer da Procuradoria Geral do Estado, a lei foi para aprovação dos parlamentares sem alguns dos pontos requeridos pela categoria como a equiparação de salários com as outras forças de Segurança, a incorporação da gratificação aos salários e passar a polícia penal de nível médio para nível superior. Atualmente o Acre tem 1.156 policiais penais.

“O projeto ainda vai passar pelas comissões da Aleac e temos até o dia 15 de dezembro, que é quando a Assembleia entra em recesso. Acredito que até lá a gente consiga dialogar e avançar muito na Aleac. Vieram aqui para o protesto policiais de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Tarauacá, Sena Madureira e Brasileia”, disse Azevedo.

Lei Orgânica

Com o órgão integrante do sistema de segurança pública brasileiro, a Polícia Penal do Acre, fica subordinada ao governador do estado. O governador Gladson Cameli afirmou que a lei institui as atribuições, competências, prerrogativas e demais disposições da carreira do policial penal.

Leia Também:  Polícia realiza palestra sobre o crime organizado, em Brasileia

O texto final da lei foi enviado no último dia 8 à Casa Civil depois de passar por reformulação pelo grupo de trabalho criado pelo governo do Acre em julho do ano passado.

Inicialmente, a lei sugeria a extinção do Instituto de Administração Penitenciária do Acre, no entanto, após análises, foi decidido que servidores administrativos continuam no Iapen-AC e os policiais penais e motoristas passam a integrar o novo órgão vinculado à Segurança Pública.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que criou a Polícia Penal na esfera estadual foi aprovada pelos deputados na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) em dezembro de 2019.

Exclusão de servidores administrativos

Descontentes após serem excluídos na Lei Orgânica da Polícia Penal Estadual, os servidores administrativos chegaram a protestar no último dia 10 em Rio Branco e em Cruzeiro do Sul, no interior do estado.

Conforme o secretário de Segurança Pública do Acre, coronel Paulo Cézar, representante do grupo de trabalho no governo, assim que receberam o projeto inicial para análise, já foi dito que o Iapen não tinha como ser extinguido. Isso porque, as Constituições Federal e Estadual estabelecem que a Polícia Penal é responsável pela segurança dos presídios e, portanto, é composta pelos antigos agentes penitenciários, que passam a ser denominados policiais penais.

A partir desse entendimento, os servidores administrativos seguem sendo responsáveis pela parte de gestão de contratos, ações de ressocialização e educação nos presídios do estado e, com isso, continuam no Iapen-AC.

“A lei determina que a competência da Polícia Penal que está sendo criada é meramente para cuidar da segurança dos ambientes penais e não é o caso dos psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, engenheiros. A nossa Constituição Estadual definiu quais são os cargos da Polícia Penal e diz que ela é formada pelos motoristas oficiais e pelos antigos agentes penitenciários. Então, o grupo que foi criado pelo estado não tem como pegar outros servidores que não estão enquadrados na Constituição Estadual e levar para essa lei. O Iapen não vai ser extinto, não tem como”, disse o secretário.

Impasse

É justamente essa exclusão dos servidores administrativos que tem causado impasse na categoria. É que eles dizem que passaram no mesmo concurso público e que, com o racha no órgão, vão sair perdendo na área trabalhista e previdenciária.

A presidente do Sindicato dos Servidores Administrativos do Iapen, Cátia Nascimento, disse que o grupo participou do processo de discussão da lei e acredita que é justamente por conta desse embate que a proposta ainda não foi sancionada ainda.

Leia Também:  Dois detentos fazem buraco em cela do presídio de Rio Branco para tentar fugir mas são descobertos

“Até o momento, o sistema prisional do Acre é composto por todos os servidores, os policiais penais, e os servidores técnico-administrativos, que fazem a questão da ressocialização da pessoa em situação de prisão. Com a aprovação da lei orgânica, o estado está contemplando apenas os policiais e motoristas e deixando de fora os educadores, psicólogos, pedagogos, assistente social, engenheiro e administrador. E aí, essas pessoas ficariam desprovidas de direitos. Nossa preocupação é a gente entrar em um processo de extinção do próprio órgão de administração penitenciária, sucateamento e piorar ainda mais a assistência à pessoa em situação de prisão, visto que o quadro vai ficar fragilizado”, disse a sindicalista.

Atualmente, o Iapen-AC possui 113 servidores administrativos. Ainda segundo Cátia, a proposta do sindicato dos servidores administrativos é que a Polícia Penal passe a ter três carreiras:

policial penal, que é de nível médio; especialista em execução penal, que são os servidores de nível superior, como psicólogo, pedagogo e outros; técnicos da polícia penal, que seriam os administrativos de nível médio. Por G1 Acre.

Protesto dos policiais penais ocorre nesta quarta-feira (17) em frente à Aleac — Foto: Ana Paula Xavier/Rede Amazônica

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Na última semana do mês de outubro a prefeitura de Brasiléia foi surpreendida pelo bloqueio de valores nas contas municipais no valor de R$ 700.00,00 (sete mil reais) referente a recurso próprio. Esse bloqueio se deu pelo não cumprimento do pagamento de algumas parcelas do FGTS dos servidores municipais. Divida esta que vem se estendendo de gestões passadas mas que foi renegociada pela prefeita Fernanda Hassem quando assumiu o Poder Executivo. 

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Bebê indígena recém-nascido é resgatado com infecção generalizada em aldeia isolada no Acre

Publicados

em

Bebê indígena recém-nascido é resgatado com infecção generalizada em aldeia isolada no AC — Foto: Arquivo/Ciopaer

Um bebê indígena foi resgatado de helicóptero nesse sábado (4) na aldeia Xinane, considerada isolada no Alto Envira, na fronteira do estado do Acre com o Peru. A operação foi realizada pelo Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Uma médica e uma enfermeira do Samu foram levadas para prestar atendimento de urgência à criança, nascida somente há três dias. O bebê estava com dificuldades para se alimentar e, por isso, sofria com a baixa dos sinais vitais.

Conforme o coordenador do Samu, Pedro Pascoal, o recém-nascido estava com uma infecção generalizada e, se não tivesse recebido o devido atendimento, não teria resistido.

Foram quase duas horas e meia de voo para a equipe chegar até o local onde o bebê mora com a família.

Ele recebeu os primeiros atendimentos ainda na aldeia e depois foi transferido para o Hospital da Criança na capital acreana, Rio Branco, para seguir com o tratamento. Ainda segundo o coordenador do Samu, a criança não corre mais risco de morte. Por G1 Acre.

Leia Também:  Assaltantes invadem Motel e fazem taxista de refém durante fuga

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O Gefron apreendeu dentro de Van do município de Brasileia aproximadamente 150 kg de entorpecente, seria esta a maior apreensão daquela regional. De acordo com informações preliminares, o veículo da prefeitura iria realizar mais um transporte de pacientes que estão fazendo tratamento em Rio Branco quando foi surpreendido pelo policiais, após revistarem os pacientes e o veículo encontraram em uma sacola preta com todo o entorpecente.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA