Geral

Polícia fecha abatedouro de carne de jumento.

Os acusados foram conduzidos para Delegacia de Policia Civil

Publicados

Geral

Os acusados foram conduzidos para Delegacia de Policia Civil

abatedouro de carne de jumento

abatedouro de carne de jumento

O Núcleo de Inteligência do Sertão da polícia de Salgueiro, Pernambuco, desarticularam na última terça feira, naquela cidade, um abatedouro clandestino que abatia jumento e passava a carne como sendo de gado aos comerciantes do Mercado Público local.

Na ação foram presos os irmãos Maricélio de Carvalho Martins, 37 anos, solteiro, “comerciante de carnes” no Marcado Público de Salgueiro e Mauricio de Carvalho Martins 32 anos, solteiro, ambos moradores do local onde os animais estavam sendo sacrificados. 
Os policiais que participaram da missão se surpreenderam com tamanha crueldade, ao visualizarem um dos animais (uma fêmea) já totalmente destroçada e restos de seu ventre com um feto bem desenvolvido, além de mais 05 (cinco) jumentos, entre fêmeas e machos que também seriam abatidos durante a madrugada. Restos de outros animais também foram encontrados dentro do freezer e geladeira, no entanto, não se pode afirmar se realmente seriam da mesma espécie. 

Leia Também:  Após quase 10 meses preso, tenente do Bope suspeito de manter contato com facção é solto

Em conversa com os policiais, o acusado Maricélio declarou que aquilo era apenas uma brincadeira e que os animais eram capturados na rua. 

Os acusados foram conduzidos para Delegacia de Policia Civil da 193ª Circunscrição em Salgueiro, aonde foram apresentados com alguns materiais utilizados no abatedouro, autuados em flagrante pela barbárie cometida e recolhidos às celas do Presídio Regional do município (PSAL), ficando à disposição do Poder Judiciário. 

Fonte: 180 Graus

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Geral

Defensoria Pública se reúne com Diretoria da Unimed em busca de melhorias no atendimento infantil

Publicados

em

Na tarde desta quarta-feira, 18, a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC) se reuniu com a Diretoria da Unimed Rio Branco, para expor as reclamações recebidas dos usuários do atendimento prestado no único hospital de urgência e emergência infantil do estado do Acre, a Urgil, credenciada pela Unimed.

De acordo com o ofício enviado a DPE/AC pela Urgil, 95% do total de atendimentos do hospital são provenientes de usuários de planos de saúde, dos quais 70% são usuários da Unimed.

Na oportunidade, a Diretoria da Unimed, composta pelo presidente, Antônio Herbert Leite Militão, pelo vice-presidente, Marcus Vinicius Shoiti Yomura e pelo superintendente, Renato Correia da Silva, além do assessor jurídico Maurício Spada, mostrou-se sensível à problemática e se comprometeu a encontrar alternativas que não deixem as crianças que necessitem de atendimento de urgência e emergência em situação de total dependência da Urgil.

O encontro ainda possibilitou esclarecimentos sobre o modo de atuação da operadora de saúde e culminou com o agendamento de nova reunião para o dia 28 de junho, quando então a Unimed apresentará a DPE/AC medidas mais concretas para a melhoria dos serviços.

Leia Também:  Governo instala gabinete de gestão integrada de fronteiras

Os defensores públicos Celso Araújo Rodrigues, do Núcleo da Cidadania, Rodrigo Chaves, do Subnúcleo de Superendividamento e Ações do Consumidor, a defensora pública Juliana Caobianco, do Subnúcleo de Direitos Humanos 1 (SDH1), a assistente do SDH1, Larissa Damasceno e as representantes dos usuários do plano de saúde, arquiteta Talita Gomes e a advogada Vanessa Facundes, demonstraram satisfação com os encaminhamentos da reunião, reiterando a necessidade de a Unimed adotar medidas céleres e efetivas que resguardem os direitos desses consumidores.

“Foi muito importante esse diálogo para reafirmamos a nossa preocupação e compromisso com nossos usuários, além de esclarecer que estamos procurando um caminho, uma solução”, disse o presidente da Unimed Rio Branco, Herbert Militão.

O defensor público Rodrigo Chaves, destacou que a instituição está à disposição para contribuir, ouvir e atuar de forma conjunta para dar mais celeridade ao caso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA