RIO BRANCO

Geral

Polícia Civil investiga denúncia de que PMs teriam agredido jovem a pauladas e chicotadas

Comando da PM diz que não recebeu denúncia sobre o caso. Delegado diz que vai ouvir todos os envolvidos.

Publicados

Geral

Comando da PM diz que não recebeu denúncia sobre o caso. Delegado diz que vai ouvir todos os envolvidos.

A Polícia Civil informou que está investigando uma denúncia contra policiais militares em Cruzeiro do Sul, no interior do Acre. Edercarlos Souza, de 42 anos, alega que o filho dele, de 17 anos, foi espancado com pauladas e chicotadas por uma equipe da PM no último dia 29.

Ele registrou um boletim de ocorrência após o jovem apresentar hematomas pelo corpo. Segundo a denúncia, o adolescente caminhava com um amigo, quando foi abordado por uma equipe da PM e espancado por cerca de 15 minutos. Somente após as agressões, os policias teriam confirmado que os dois não tinham passagem pela polícia.

O comandando do Batalhão da PM, em Cruzeiro do Sul, afirma que não recebeu nenhuma denúncia por parte da família do adolescente. O comandante, major Evandro Bezerra, falou ao G1 sobre o caso nesta terça-feira (9) e disse que foi pego de surpresa.

Leia Também:  Comerciante brasileiros com peruanos em Assis Brasil e uma guerra

“Estranhamente o fato teria ocorrido no final de semana anterior a este e somente neste final de semana a família foi fazer essa notícia. Falo estranhamente, porque, até hoje, a família, o pai ou até mesmo a suposta vítima, não buscaram esse comando para fazer nenhum registro, nenhuma reclamação”, diz o comandante.

O major garante que há um setor específico Batalhão para receber denúncia de qualquer ação dos policiais e para apurar qualquer desvio de conduta e não foi procurado pelos denunciantes. Ele não acredita que as supostas agressões ao jovem tenham partido dos policiais.

“Nós não consideramos esse fato como sendo executado por policiais. Nossos policiais trabalham dentro da legalidade, de forma firme contra criminosos. Então, deve ser um fato que envolveu, possivelmente, criminosos declarados na nossa região que, com certeza, as ações policiais têm incomodado. Mas continuaremos firmes nas nossas ações que estão trazendo retorno para a sociedade. O cidadão de bem tem está se sentido cada vez mais protegido e isso é fruto do trabalho do nosso policial”, afirma o comandante.

Leia Também:  Governo reinicia programa de aquisição de alimentos

A família também alega que, após registram a denúncia, recebeu algumas retaliações de policiais. O delegado Vinícius Almeida disse que um inquérito foi instaurado para apurar o caso.

“A Polícia Civil está investigando e a verdade virá à tona. Os dois lados têm que ser ouvidos para que prevaleça a verdade e a justiça”, disse Almeida. Do G1 Acre

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Poder Judiciário do Acre retoma plantão extraordinário com 30% da força de trabalho

Publicados

em

Portaria Conjunta Nº 5/2022 institui novas medidas administrativas para afastar a propagação do vírus neste momento – Foto Reprodução

Nesta segunda-feira, 17, a presidência do Tribunal de Justiça juntamente com a Corregedoria-Geral da Justiça tornou pública a Portaria Conjunta n° 5/2022, determinando a redução do quantitativo de servidores e colaboradores em regime presencial da instituição até o dia 24 de janeiro.

Deste modo, está autorizada a retomada do trabalho remoto e atuação, por meio de escala de revezamento, do trabalho presencial com no máximo 30% dos integrantes de cada setor, excetuando os casos em que se observe prejuízos aos serviços prestados pela unidade.

A medida considerou o aumento progressivo no número de casos de Covid-19 em todo o estado, principalmente nas últimas semanas, assim como o teor da Portaria GDG Nº 4, de 08 de janeiro de 2022, em que o Supremo Tribunal Federal autoriza a adoção do regime de teletrabalho excepcional ou, na impossibilidade, que se promova escala de revezamento para os servidores e colaboradores.

Leia Também:  Carcereiros encontram 4 estoques em cela de presídio no Acre

Assim, a gestão decidiu manter a política instaurada desde o início da pandemia para o resguardo e segurança à saúde dos magistrados e magistradas, servidores e servidoras, estagiários e estagiárias, todas e todos terceirizados e público externo.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA