Geral

Pesquisa revela que Cobija é a segunda cidade mais violenta da Bolívia

Contrabando e tráfico de drogas também foram avaliados na pesquisa

Publicados

Geral

Contrabando e tráfico de drogas também foram avaliados na pesquisa

a

Bolivia

Uma pesquisa publicada no mês passado pelo Observatório Nacional de Segurança do Governo da Bolívia (ONS), afirmou que a capital do Departamento de Pando – Cobija – principal destino de brasileiros para compras é a segunda cidade mais violenta da Bolívia, perdendo apenas para a capital La Paz que lidera o ranking de insegurança.

O estudo realizado pelo órgão constatou que de 2005 a 2012 aumentou consideravelmente as denuncias de crimes como; homicídios, estupros, roubos contra o patrimônio público, furtos e até sequestro. Contrabando e tráfico de drogas também foram avaliados na pesquisa.

Proporcionalmente de acordo com a densidade populacional, Pando representa apenas uma média de 2% de todos os crimes e delitos cometidos em toda a Bolívia, mas o grau de insegurança neste departamento que sofreu um aumento de 108% da população como o Censo nacional de 2012, é o maior do país.

Em relação a roubos contra o patrimônio, principalmente de carros e motos, a cidade pandina aumentou consideravelmente nos últimos três anos. Em 2010 foram registrados oficialmente 107 queixas, em 2011 o número foi de 598 e no ano passado o número triplicou para 1.516 veículos roubados.

O estudo feito pela ONS enfatizou que o aumento da violência na região pode ter contribuição de brasileiros, pois a cidade faz fronteira com Epitaciolândia e Brasiléia no Brasil.

FONTE-VALE DO ACRE

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Flagrante mostra moradores de rua fazendo sexo em gramado

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Geral

Projeto Rhuamm, que cria rede de proteção de crianças e adolescentes, é lançado pela Defensoria Pública

Publicados

em

Depois de quase um ano de elaboração, articulações e formação de parcerias, o Projeto Rhuamm – Rede Humanizada de Apoio a Meninas e Meninos, coordenado pelo Núcleo da Cidadania da Defensoria Pública, foi lançado na manhã desta terça-feira, 24, reunindo representantes das instituições que atuarão em conjunto para ampliar as ações preventivas de forma a evitar o abuso e a violência praticada contra crianças e adolescentes em Rio Branco, cidade que abrigará o projeto-piloto.

O nome e a motivação para a criação do projeto vieram do caso envolvendo o menino Rhuan, morto de forma violenta em 2019 pela mãe e a namorada dela, em Brasília. A Defensoria Pública do Acre, por meio do defensor Celso Araújo Rodrigues, que hoje coordena o Núcleo de Cidadania, responsável pelo projeto, se mobilizou para trazer ao Acre o corpo da criança e apoiar a família paterna.

“A Defensoria Pública, diante de uma das suas prerrogativas, que é proteger a criança e o adolescente, criou, desenvolveu e está executando este projeto. A intenção é acolher e tratar crianças vítimas de violência. Os casos serão encaminhados ao núcleo do Projeto, principalmente pelas escolas”, explica o defensor Celso Araújo.

A defensora-geral, Simone Santiago, lembra que o projeto “nasceu naquele fim de semana trágico”. “Primeiro nasceu no coração do Dr. Celso e ele veio conversar comigo e com a Dra. Roberta e nós o abraçamos. Sabíamos que sozinhos, com nosso instrumento, não poderíamos fazer com que esse projeto alcançasse seu objetivo. Minhas palavras são de agradecimento. Sabemos que estamos no caminho certo e avisamos a sociedade de que estamos atentos, que existem vários atores que estão olhando para as crianças. Este é o nosso recado. Estamos todos abraçados por uma causa, das mais justas, que é a proteção de crianças e adolescentes”, ressaltou a defensora-geral.

Leia Também:  Terremoto de magnitude 7,2 graus registrado no Peru é sentido em pelo menos cinco cidades do Acre

O Rhuamm visa estabelecer parceria com o sistema de garantia de direitos e irá capacitar profissionais envolvidos no projeto e nas escolas de ensino infantil e fundamental de Rio Branco, oferecendo também orientação aos gestores escolares e aos pais das crianças de 0 a 11 anos, público-alvo do projeto, entre outras atribuições.

Família de Rhuan participa de solenidade

Parte da família paterna de Rhuan, avós, tias e primo, compareceu ao lançamento do projeto. “Esse projeto é muito importante para as crianças. Vou morrer e ele vai ficar aí pra dar orgulho pra minha família. Espero que as escolas, as diretoras procurem conversar com as crianças, quando verem uma criança triste pra saber o que está acontecendo. Que todas as escolas façam parte desse projeto, porque é muito bom e vai dar resultado”, disse Francisco das Chagas, avô de Rhuan.

A secretária adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Fernanda Ramos Monteiro, que participou do evento de forma virtual, apresentou projetos e ações da política nacional de prevenção à violência contra crianças e adolescentes.

Leia Também:  Urna não apurada muda resultado das eleições para Conselheiro

A secretária adjunta divulgou dados que apontam a redução de 41% do número de mortes por agressão a crianças e adolescentes no Brasil em comparação à média registrada entre 2012 e 2018.

São parceiros do Projeto Rhuamm o Tribunal de Justiça do Acre, Ministério Público, Defensoria Pública da União, Ministério Público do Trabalho, Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, Sebrae, Polícia Militar, Centro Universitário

Uninorte e Prefeitura de Rio Branco, por meio do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, SASDH, Seme, Centro Especializado de Referência em Assistência Social, Semsa, Centro Pop e Conselho Tutelar.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA