Geral

Perigo para o ecossistema: Quinto peixe invasor venenoso é capturado em Fernando de Noronha em um mês

Publicados

Geral

Quinto peixe-leão foi capturado em um mês, em Fernando de Noronha — Foto: Sea Paradise/Divulgação

Mais um peixe-leão, animal de espécie invasora e venenosa, foi capturado por mergulhadores em Fernando de Noronha. Este, que foi o quinto encontrado no arquipélago em um mês, foi achado a 40 metros de profundidade, nas proximidades da Praia da Conceição, em frente ao Morro do Pico. Do G1 Pernambuco.

Essa segunda captura em menos de uma semana e a sexta desde dezembro de 2020, quando o peixe invasor foi localizado pela primeira vez em Noronha.

O peixe-leão foi encontrado na quinta-feira (2) pelos mergulhadores da operadora Sea Paradise Silvio Santos e Lucas Zappe. Os profissionais foram capacitados pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) para esse tipo de trabalho e, portanto, tinham autorização para recolher o peixe.

“Dos seis animais encontrados na ilha, nós capturamos cinco. Esse peixe estava próximo às áreas onde identificamos os outros. Se a gente for pontuar os locais das capturas, dá um raio de uma milha (menos de dois quilômetros), no máximo”, informou o diretor da operação de mergulho, Fernando Rodrigues.

Rodrigues disse, ainda, que um arpão foi utilizado para recolher o peixe, como prevê o protocolo montado pelo ICMBio. O instituto indicou que apenas profissionais capacitados ou servidores do instituto podem fazer a captura do peixe-leão, devido aos riscos que o animal oferece (veja vídeo acima).

O nome científico do peixe-leão é Pterois volitans. Essa espécie tem espinhos venenosos que contêm uma toxina que pode causar febre, vermelhidão e até convulsões aos seres humanos.

Leia Também:  Veja o Vídeo: O pau cantou no Show de Maiara e Maraisa em Rio Branco

O animal é predador e pode consumir espécies endêmicas, que só ocorrem nessa região, além de causar um desequilíbrio ecológico.

Mergulhadores fizeram a quinta captura de peixe-leão em um mês — Foto: Sea Paradise/Divulgação

Outras capturas

A primeira captura do peixe-leão em Noronha ocorreu em dezembro de 2020. Foram quase oito meses até que outro espécime fosse encontrado novamente, no dia 3 de agosto, a 32 metros de profundidade. Esse foi o primeiro registro em 2021.

O terceiro peixe-leão foi capturado oito dias depois, em 11 de agosto, a uma profundidade de 18 metros. A quarta captura da espécie invasora, terceira de 2021, ocorreu no dia 24, a 27 metros de profundidade.

Quatros dias após, no dia 28 de agosto, o quinto peixe-leão, quarto deste ano. Ele foi capturado em um ponto de mergulho chamado Laje Dois Irmãos, nas proximidades da praia da Cacimba do Padre, numa profundidade de 20 metros.

Peixe-leão é considerado uma ameaça ao ecossistema de Noronha — Foto: Thiege Rodrigues/All Angle/Divulgação

Treinamento

O ICMBio tem realizado uma série de capacitações com profissionais que trabalham com o mergulho. No treinamento são repassadas informações da espécie e orientações para a captura segura.

O peixe-leão pode viver a até 100 metros de profundidade e, por isso, a colaboração de mergulhadores autônomos na localização dos espécimes é essencial.

Para quem não recebeu a capacitação, a orientação, em caso de encontrar o animal, não é tocar nem chegar próximo do peixe. A recomendação é acionar o ICMBio através do e-mail [email protected] ou ligar para (81) 3619-1156.

Leia Também:  Detran publica edital de veículos removidos em Rio Branco e Quinari

Os pesquisadores acreditam que o peixe-leão encontrado em Noronha veio do Caribe. Os cinco animais capturados anteriormente foram levados para o Recife, na quarta-feira (1º), para análise no Projeto Conservação Recifal (PCR).

O diretor do projeto, Pedro Pereira, afirmou que amostras dos peixes-leão vão ser enviadas para a Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos para que também sejam realizadas análises nessas instituições.

Informações do peixe-leão repassadas no treinamento do ICMBio — Foto: Ana Clara Marinho/TV Globo

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O deputado afirmou que Bolsonaro enganou a população e que os que votaram pela venda da Eletroacre deveriam ser lembrados. Luiz Tchê, não poupou críticas ao governo federal de Bolsonaro, pelas altas no preço da energia elétrica. Tchê afirmou que o presidente mentiu quando anunciou que se caso eleito, os preços da gasolina e energia, além do gás desceriam de valor. “Essa conta é do Bolsonaro e também de quem votou pela privatização da Eletroacre, pois quase nada melhorou como haviam prometido. Quem não lembra de Bolsonaro prometendo baixar o preços do Gás, energia e combustível?”, finalizou.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Projeto Rhuamm, que cria rede de proteção de crianças e adolescentes, é lançado pela Defensoria Pública

Publicados

em

Depois de quase um ano de elaboração, articulações e formação de parcerias, o Projeto Rhuamm – Rede Humanizada de Apoio a Meninas e Meninos, coordenado pelo Núcleo da Cidadania da Defensoria Pública, foi lançado na manhã desta terça-feira, 24, reunindo representantes das instituições que atuarão em conjunto para ampliar as ações preventivas de forma a evitar o abuso e a violência praticada contra crianças e adolescentes em Rio Branco, cidade que abrigará o projeto-piloto.

O nome e a motivação para a criação do projeto vieram do caso envolvendo o menino Rhuan, morto de forma violenta em 2019 pela mãe e a namorada dela, em Brasília. A Defensoria Pública do Acre, por meio do defensor Celso Araújo Rodrigues, que hoje coordena o Núcleo de Cidadania, responsável pelo projeto, se mobilizou para trazer ao Acre o corpo da criança e apoiar a família paterna.

“A Defensoria Pública, diante de uma das suas prerrogativas, que é proteger a criança e o adolescente, criou, desenvolveu e está executando este projeto. A intenção é acolher e tratar crianças vítimas de violência. Os casos serão encaminhados ao núcleo do Projeto, principalmente pelas escolas”, explica o defensor Celso Araújo.

A defensora-geral, Simone Santiago, lembra que o projeto “nasceu naquele fim de semana trágico”. “Primeiro nasceu no coração do Dr. Celso e ele veio conversar comigo e com a Dra. Roberta e nós o abraçamos. Sabíamos que sozinhos, com nosso instrumento, não poderíamos fazer com que esse projeto alcançasse seu objetivo. Minhas palavras são de agradecimento. Sabemos que estamos no caminho certo e avisamos a sociedade de que estamos atentos, que existem vários atores que estão olhando para as crianças. Este é o nosso recado. Estamos todos abraçados por uma causa, das mais justas, que é a proteção de crianças e adolescentes”, ressaltou a defensora-geral.

Leia Também:  Cooperacre fortalece comércio dos povos da floresta de Xapuri

O Rhuamm visa estabelecer parceria com o sistema de garantia de direitos e irá capacitar profissionais envolvidos no projeto e nas escolas de ensino infantil e fundamental de Rio Branco, oferecendo também orientação aos gestores escolares e aos pais das crianças de 0 a 11 anos, público-alvo do projeto, entre outras atribuições.

Família de Rhuan participa de solenidade

Parte da família paterna de Rhuan, avós, tias e primo, compareceu ao lançamento do projeto. “Esse projeto é muito importante para as crianças. Vou morrer e ele vai ficar aí pra dar orgulho pra minha família. Espero que as escolas, as diretoras procurem conversar com as crianças, quando verem uma criança triste pra saber o que está acontecendo. Que todas as escolas façam parte desse projeto, porque é muito bom e vai dar resultado”, disse Francisco das Chagas, avô de Rhuan.

A secretária adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Fernanda Ramos Monteiro, que participou do evento de forma virtual, apresentou projetos e ações da política nacional de prevenção à violência contra crianças e adolescentes.

Leia Também:  Veja o Vídeo: O pau cantou no Show de Maiara e Maraisa em Rio Branco

A secretária adjunta divulgou dados que apontam a redução de 41% do número de mortes por agressão a crianças e adolescentes no Brasil em comparação à média registrada entre 2012 e 2018.

São parceiros do Projeto Rhuamm o Tribunal de Justiça do Acre, Ministério Público, Defensoria Pública da União, Ministério Público do Trabalho, Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, Sebrae, Polícia Militar, Centro Universitário

Uninorte e Prefeitura de Rio Branco, por meio do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, SASDH, Seme, Centro Especializado de Referência em Assistência Social, Semsa, Centro Pop e Conselho Tutelar.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA