RIO BRANCO

Geral

Jornalista da contilnet é agredida na Aleace

O jornalismo continua cada vez mais difícil de ser exercido com liberdade em vários lugares do mundo, e no Acre não está sendo diferente.

Publicados

Geral

O jornalismo continua cada vez mais difícil de ser exercido com liberdade em vários lugares do mundo, e no Acre não está sendo diferente.

sandro

Nesta terça-feira (10) a jornalista Gina Menezes, repórter da ContilNet Notícias fazia reportagem no salão azul da Assembleia Legislativa (Aleac) quando acabou sendo agredida verbalmente e fisicamente pelo assessor do deputado estadual Josa da Farmácia (PTN), conhecido por Sandro Guimarães Barroso.

Segundo a jornalista, no momento que esperava fazer uma reportagem com o deputado Lorival Marques (PT) foi abordada pelo assessor de Josa que disse a ela: “Tem que pagar para o deputado sair na sua coluna política”. E Gina teria respondido pela forma da pergunta feita pelo assessor que não trabalhava para pessoas como ele.

“Isso foi o suficiente para o assessor acusar a minha pessoa de ser uma repórter incompetente, arrogante e que vivia de propina dentro da Aleac. Ao chamar a atenção de todos os jornalistas, funcionários e deputados no Salão Azul da Casa, todos perguntaram o que havia ocorrido. E eu disse que não aceitei o dinheiro que o assessor do Josa estava querendo me oferecer. O que acabou fazendo ele me chamar de vagabunda e outras palavras ofendendo a minha honra. Ainda bem que muitas pessoas ouviram e presenciaram a situação”, explicou Menezes.

Ainda de acordo com Gina, ao se dirigir para perto do plenário na espera de seu entrevistado do dia, o assessor do parlamentar passou por ela e a empurrou, na presença de vários jornalistas, seguranças e deputados.

“Quase caio quando ele me empurrou, e graças a alguns colegas e seguranças do parlamento que me ajudaram ele não fez mais nada. Mas continuou a me ameaçar. O presidente da mesa diretora, deputado Ney Amorim, me ajudou também e me ofereceu água e disse que a situação era inadmissível e que tomaria as providências cabíveis.

A reportagem da ContilNet Notícias ligou para o deputado Josa da Farmácia para saber qual a sua posição a respeito do acontecido, mas o parlamentar falou que não viu nada, e que só comentaria o assunto pessoalmente. E marcou para a reportagem ouvir sua versão na Aleac amanhã depois das 10 horas.

A jornalista registrou um boletim de ocorrência por danos morais, e destacou que vai acionar o Sindicato dos Jornalistas do Acre (Sinjac) pela ofensa a profissão, já que o assessor afirmou que ela seria mais uma jornalista que corria atrás de propina dentro da Aleac.

Confira o boletim de ocorrência:

boletim

Wiliandro Derze, ContilNet Notícias

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Índios Huni Kuin produzem próprias máscaras e garantem sustento durante a pandemia: 'cultura e tradição'

Propaganda

Geral

Com aumento de casos de Covid-19, visitas em presídios de Rio Branco são suspensas por 10 dias

Publicados

em

Unidades prisionais de Rio Branco estão com as visitas suspensas por 10 dias — Foto: Ana Paula Xavier/Rede Amazônica

Com o Acre enfrentando uma terceira onda de casos de Covid-19, o Instituto de Administração Penitenciária do Estado (Iapen-AC) suspendeu as visitas nos presídios de Rio Branco por dez dias ou até que até que haja uma queda no número de infectados.

O número de pessoas com Covid-19 aumentou expressivamente no estado no início deste ano. Na quinta (19), o Acre registrou 1.172 novos casos, o maior número em 24 horas desde o início da pandemia. Além da Covid, as unidades de saúde estão lotadas também de pessoas com sintomas de gripe e outras síndromes gripais.

A prefeitura da capital montou um drive-thru de testagem rápida para Covid que tem longas filas no primeiro, nesta quinta. A busca por testes em farmácias também aumentou.

Os médicos que atendem na rede básica de saúde de Rio Branco suspenderam de forma temporária a greve da categoria que já durava mais de um mês. A decisão ocorre devido à terceira onda de Covid que atinge o estado acreano com elevação de casos da doença.

Durante uma coletiva de apresentação do cenário epidemiológico do Acre, o governador Gladson Cameli disse que vai decretar situação de emergência devido ao aumento dos casos de Covid-19, no início do mês de janeiro.

Leia Também:  Com apoio do governo, mulheres indígenas criam associação em aldeia

Além disso, o governador junto com a secretária de Saúde, Paula Mariano, alertaram para a importância da vacinação como medida de proteção contra a doença e mantiveram todo estado na bandeira amarela. O Acre está na faixa de atenção desde o dia 24 de dezembro do ano passado, conforme nota divulgada pelo Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Decreto

Diante desse cenário, o Iapen-AC decidiu manter apenas algumas atividades internas nas unidades prisionais de Rio Branco, como: escoltas e saídas externas já agendadas, requisições do Poder Judiciário, requisições das funções essenciais à Justiça e também requisições emergenciais.

O decreto com a suspensão foi publicado nesta quinta (20) no Diário Oficial do Acre (DOE).

“Ficam mantidos ainda os atendimentos de advogados junto aos seus clientes presos, e desde que autorizados pelos diretores das unidades prisionais, a entrega de materiais destinados às pessoas privadas de liberdade, resumindo-se estritamente e nos casos excepcionais aos materiais de higiene pessoal e comum”, diz o artigo 3º do decreto.

Cruzeiro do Sul

Em Cruzeiro do Sul, interior do Acre, as visitas estão suspensas desde o dia 30 de dezembro do ano passado.

Leia Também:  Detentos iniciam greve de fome no presídio de Sena Madureira

Segundo o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), ao menos 121 presos foram atendidos com sintomas gripais, quando anunciou a suspensão. Cruzeiro do Sul, assim como Rio Branco, sofre com surto de gripe. Por G1 Ac.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA