RIO BRANCO

Educação

Indígena publica livro baseado em pesquisa de mestrado sobre BR 364

Francisco Apurinã analisa política de mitigação e compensação em aldeia.Com livro publicado, pesquisador iniciou em março doutorado na UnB.

Publicados

Educação

Francisco Apurinã analisa política de mitigação e compensação em aldeia.Com livro publicado, pesquisador iniciou em março doutorado na UnB.

Francisco Apurinã, de 40 anos, publicou livro baseado em pesquisa de mestrado (Foto: Veriana Ribeiro / G1)

Francisco Apurinã, de 40 anos, publicou livro baseado em pesquisa de mestrado (Foto: Veriana Ribeiro)

Quando o indígena Francisco Apurinã, de 40 anos, filho de um cacique da terra indígena Kamicuã, no município de Boca do Acre (AM), saiu da aldeia ainda criança, ele conta que não imaginava como seria sua vida. Segundo ele, após enfrentar o preconceito dos colegas de aulas, que diminuíam seu povo e o chamavam de ‘preguiçoso’ por causa de suas origens, ele orgulha-se de lançar em 2015 o livro “Nos Caminhos da BR-364: Povo Huni Kui e a Terra Indígena Colônia 27”, baseado em sua pesquisa de mestrado na Universidade de Brasília (UnB).

O livro analisa o diálogo entre indígenas e governo estadual, assim como as políticas de mitigação e compensação nas terras indígenas, tendo como estudo de caso a Terra Indígena da Colônia 27, que fica localizada próxima a BR-364 e sofreu grande impacto ambiental e cultural com a construção da estrada. “Todo empreendimento causa um grande impacto no meio ambiente, então é preciso fazer uma análise dos impactos ambientais. A partir desse relatório, cria-se medidas de compensar os impactos do empreendimento aquelas populações que ficam às margens da BR”, explica o pesquisador.

Apurinã explica que a terra indígena estudada, localizada a 8 km da cidade de Tarauacá (AC), é a menor do Acre, com apenas 305 hectares. Na época da pesquisa, em 2012, existia no local uma única aldeia com 33 famílias, contabilizando 146 pessoas.

Leia Também:  Escola rural Francisco Germano recebe investimento e melhorias da Prefeitura de Brasileia

“Quando foi criada, 80% da área era composta por pasto para a criação de gado. Não existe rio que passa dentro da terra, não tinha igarapé, recursos naturais. Então o governo fez um investimento de açude, criação de galinha e sistemas agroflorestais. Essas foram algumas medidas de mitigação e o livro faz uma análise desse diálogo com o governo, principalmente como os povos indígenas avaliam a atuação do governo”, afirma.

Para o pesquisador, ainda é preciso que os técnicos do governo entendam que o conhecimento tradicional não deve ser menosprezado. “É melhor somar os dois tipos de conhecimento, do que desconsiderar toda uma base existencial que é imemorial, para aplicar apenas o conhecimento científico. Esse foi um dos grandes erros dos técnicos que atuaram no governo, porque eles não são capacitados corretamente para isso”, acredita.

Da aldeia para a academia

livro12Livro fala sobre políticas de mitigação e compensação
em aldeia durante a construção da BR 364.

Francisco Apurinã trabalhou intimamente com as políticas indígenas no estado do Acre. Em 2012, ele fez parte da primeira equipe da Assessoria Especial de Assuntos Indígenas do Acre.  Foi nesta época que ele começou a trabalhar no governo, antes, era vendedor em  Rio Branco.

Apurinã conta que foi difícil sair da aldeia quando era criança. Único filho homem do cacique, ele foi criado com a responsabilidade de estudar para ajudar o seu povo. “No começo eu não entendia muito bem, minha família sempre me disse que eu era importante para cultura do meu povo e tinha sido muito desejado. Mas, me mandaram para a cidade para estudar com os ‘brancos’ que me tratavam mal e menosprezavam meu povo, minha cultura”, lembra.

Leia Também:  Filhote de gato-do-mato é resgatado na varanda de casa no município de Sena Madureira

Após se formar como técnico agrícola, ele demorou para conseguir emprego na área. Foi apenas em 2012 que começou a trabalhar na Secretaria Estadual de Meio Ambiente. “Eu trabalhei muito tempo como vendedor, até que um dia precisaram de um técnico agrícola. Acabei concorrendo sozinho, porque não tinham muitas pessoas especializadas”, conta.

Em 2012, ele também realizou o mestrado na UnB com a pesquisa que originou o livro. Alguns meses depois de apresentar seu trabalho de pesquisa, ele foi procurado por uma editora que queria publicar seu estudo. “Eles me mandaram um e-mail. No começo eu nem acreditava, mas eles me falaram que todo ano escolhiam as cinco melhores pesquisas do país para publicar e se interessaram pela minha”, comenta.

Foi somente em 2015 que o livro foi publicado. Ele agora planeja realizar os lançamentos no Acre e em Brasília, mas ainda não existem dadas marcadas. O livro pode ser encontrado no site da editora e será distribuído para as principais livrarias do país.

Em março, Apurinã começou a fazer o seu doutorado, onde irá analisa o xamanismo do povo Apurinã. “É um assunto que eu queria pesquisar há muito tempo, porque nós acreditamos que os nossos líderes espirituais nunca deixam de nos proteger, é tanto que para nós eles não morrem, viram parte da natureza e se transformam em animais”, diz.

Veriana Ribeiro Do G1 AC

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Educação

Inscrições estão abertas: Jornalistas de todo o país podem concorrer ao Prêmio Paulo Freire de Jornalismo

Publicados

em

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Paulo Freire de Jornalismo, promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed, com o apoio da Unesco no Brasil.

A iniciativa tem o objetivo de premiar produções jornalísticas com o tema “Educação Pública na Pandemia: inovação para manter a aprendizagem e o vínculo do aluno nas escolas das redes estaduais”.

Poderão concorrer trabalhos jornalísticos que abordem a temática estabelecida, por meio de reportagens ou série de reportagens publicadas no período de 1º de março de 2020 a 10 de janeiro de 2022, mesmo dia em que serão encerradas as inscrições.

São seis categorias: Jornalismo impresso, para reportagens em jornais ou revistas; Radiojornalismo, para reportagens em emissoras de rádio; Telejornalismo, para reportagens em emissoras de televisão; Webjornalismo, para reportagens em sites ou blogs de notícias; Fotojornalismo, para fotografias publicadas em matérias ou reportagens de jornal impresso, revista, sites ou blog de notícias; e Mídias digitais, para conteúdos jornalísticos e/ou informativos veiculados em plataformas digitais de áudio ou vídeo.

Leia Também:  Em Cruzeiro do Sul, caminhão desgovernado atinge 15 veículos

Os critérios Adequação ao Tema, Linguagem, Estética, Originalidade e Utilidade Social serão considerados na avaliação da Comissão Julgadora.

A cerimônia de premiação deve ocorrer no primeiro trimestre de 2022. O primeiro colocado de cada categoria receberá R$ 7.000,00 (sete mil), enquanto o segundo colocado ficará com R$ 5.000,00 (cinco mil). Já o terceiro colocado de cada categoria vai ganhar R$ 3.000,00 (três mil). O valor total em prêmios a serem distribuídos nas seis categorias é de R$ 90.000,00 (noventa mil).

O edital e o formulário de inscrição estão disponíveis, Clique aqui e se escreva no Consed

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Vereadora Neiva Badotti solicita do secretário de Ação Social providências sobre as crianças Haitianos que fica na ponte todo os dias pedindo dinheiro, e que o Poder Público proporcione dignidade para essas crianças. Neiva solicita também que seja encaminhado um oficio para a gerente do hospital para saber se chegou algum saco funerário doado pela prefeitura, comprado com o dinheiro do covid, e que solicita que seja agendado novamente a reunião com a secretaria de segurança pública do estado, para se tratar sobre o IML, pois a mais de 20 anos o problema se arrasta e até o momento nada foi resolvido.

Leia Também:  Comarca de Brasiléia abre cadastramento para recurso de penas pecuniárias

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA