RIO BRANCO

Geral

Mais de 200 famílias invadem área da prefeitura em Brasiléia

São mais de 200 famílias de bairros como: Samaúma, José Braúna, 28 de Maio, Leonardo Barbosa entre outros que perderam suas casas na Alagação

Publicados

Geral

São mais de 200 famílias de bairros como: Samaúma, José Braúna, 28 de Maio, Leonardo Barbosa entre outros que perderam suas casas na Alagação 

Por Fernando Oliveira 3 De Julho Noticias

cheia do rio acre

Fomos a primeira equipe de reportagem ao chegar ao local da invasão e de acordo com informações dos organizadores do movimento são pelo menos 200 famílias que moravam antes nos bairros Leonardo Barbosa, Samaúma, 28 de Maio e rua Olegário França bairro Eldorado.

Que tiveram suas residências destruídas pelas águas do rio Acre numa que já é considerada a maior alagação dos últimos tempos ocorrida na cidade.

As pessoas com quem conversamos e entrevistamos a exemplo da dona Denir Alves moradora do bairro Leonardo Barbosa que perdeu sua casa durante a enchente.

-Estamos aqui por que não temos onde morar e nem onde ficar nossas casas a águas levaram ” lágrimas” e continuou não só a minha mais todas essas famílias que estão aqui.

Denir enfatizou ainda que invadiram o ramal Nazaré há 10 dias área que segundo ela pertence a prefeitura de Brasiléia. As famílias denunciam ainda que algumas delas estavam em abrigo e foram mandados embora. 

Leia Também:  Segurança instala Conselho Integrado de Gestão para reduzir índices de violência e alcançar metas em 2021

E Informaram ainda que não receberam nenhuma ajuda como água potável, alimentação, kits de higiene pessoal, limpeza ou colchões. 

A Prefeitura ainda não se pronunciou sobre o caso.

terra terra 3 terra 2 terra 1

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Inscrições estão abertas: Jornalistas de todo o país podem concorrer ao Prêmio Paulo Freire de Jornalismo

Publicados

em

Por

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Paulo Freire de Jornalismo, promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed, com o apoio da Unesco no Brasil.

A iniciativa tem o objetivo de premiar produções jornalísticas com o tema “Educação Pública na Pandemia: inovação para manter a aprendizagem e o vínculo do aluno nas escolas das redes estaduais”.

Poderão concorrer trabalhos jornalísticos que abordem a temática estabelecida, por meio de reportagens ou série de reportagens publicadas no período de 1º de março de 2020 a 10 de janeiro de 2022, mesmo dia em que serão encerradas as inscrições.

São seis categorias: Jornalismo impresso, para reportagens em jornais ou revistas; Radiojornalismo, para reportagens em emissoras de rádio; Telejornalismo, para reportagens em emissoras de televisão; Webjornalismo, para reportagens em sites ou blogs de notícias; Fotojornalismo, para fotografias publicadas em matérias ou reportagens de jornal impresso, revista, sites ou blog de notícias; e Mídias digitais, para conteúdos jornalísticos e/ou informativos veiculados em plataformas digitais de áudio ou vídeo.

Leia Também:  Governo do estado demonstra tolerância zero contra a corrupção

Os critérios Adequação ao Tema, Linguagem, Estética, Originalidade e Utilidade Social serão considerados na avaliação da Comissão Julgadora.

A cerimônia de premiação deve ocorrer no primeiro trimestre de 2022. O primeiro colocado de cada categoria receberá R$ 7.000,00 (sete mil), enquanto o segundo colocado ficará com R$ 5.000,00 (cinco mil). Já o terceiro colocado de cada categoria vai ganhar R$ 3.000,00 (três mil). O valor total em prêmios a serem distribuídos nas seis categorias é de R$ 90.000,00 (noventa mil).

O edital e o formulário de inscrição estão disponíveis, Clique aqui e se escreva no Consed

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Vereadora Neiva Badotti solicita do secretário de Ação Social providências sobre as crianças Haitianos que fica na ponte todo os dias pedindo dinheiro, e que o Poder Público proporcione dignidade para essas crianças. Neiva solicita também que seja encaminhado um oficio para a gerente do hospital para saber se chegou algum saco funerário doado pela prefeitura, comprado com o dinheiro do covid, e que solicita que seja agendado novamente a reunião com a secretaria de segurança pública do estado, para se tratar sobre o IML, pois a mais de 20 anos o problema se arrasta e até o momento nada foi resolvido.

Leia Também:  Segurança instala Conselho Integrado de Gestão para reduzir índices de violência e alcançar metas em 2021

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA