RIO BRANCO

Geral

Com mais de 40 mil atendimentos, Estado comemora data alusiva aos migrantes

Publicados

Geral

No Acre, do segundo semestre de 2010 até maio de 2020, cerca de 44.012 pessoas, oriundas de 35 nacionalidades, receberam algum tipo de apoio, orientação ou encaminhamento para a rede de atendimento assistencial, por parte do órgão gestor da política estadual de Direitos Humanos.

Até maio de 2020, foram identificados, no estado, 377 pessoas, entre migrantes e refugiados, distribuídos em vários locais na capital e no interior.

Neste dia 25 de junho, quando se comemora o Dia Nacional dos Migrantes, o Estado relembra grandes feitos em prol de pessoas que deixaram seu país, estado ou cidade em busca de melhores condições de vida.

A data é também importante para lembrar que a imigração se constituiu como traço fundamental para a formação da sociedade brasileira, e as sucessivas chegadas de imigrantes tornaram o Brasil um dos países com maior diversidade cultural no mundo.

Acolhimento

“Sou muito grato à secretaria por nos conceder um abrigo, e por comemorar a semana dos migrantes”, ressalta o líder da etnia Warao, Jesus Zapata.

Leia Também:  Mais de 200 mil famílias foram contempladas com o auxílio emergencial do governo federal no Acre

A Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM), a qual ele se refere, possui um Núcleo de Apoio a Migrantes e Refugiados que atua diretamente na promoção de políticas de direitos humanos. Essas ações visam garantir vida digna aos migrantes, refugiados e apátridas.

Desde março deste ano, 37 venezuelanos da etnia Warao que saíram do seu país em busca de melhores condições de vida recebem apoio do governo em forma de alimento, moradia, assistência social e saúde. Os indígenas estão abrigados na Escola Campos Pereira, na Cidade do Povo.

256 migrantes, entre eles haitianos, paquistaneses, senegaleses e angolanos, abrigados na Escola Estadual Íris Célia Cabanelas Zanini e Escola Municipal Edilsa Maria Batista, estão retidos nos municípios de Assis Brasil e Brasileia por causa do fechamento das fronteiras em decorrência da pandemia da Covid-19, desde o início de abril. O Estado dá suporte aos municípios com medidas socioassistenciais e diretamente com os imigrantes no acompanhamento de saúde.

Leia Também:  Mãe de agente penitenciário encontrado morto deve receber R$ 80 mil de indenização por danos morais

“É preciso que seja reconhecido o princípio de igualdade de direitos e o direito de migrar. Para isso é necessário capacitar os agentes públicos para melhor agir no acolhimento dos migrantes, em situações de violações de direitos e também sensibilizar a população e instituições para que estas possam entender a realidade destas pessoas no seu local de origem, reconhecimento de hábitos diferentes e suas necessidades”, explica a coordenadora do núcleo, Maria da Luz França.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Com aumento de casos de Covid-19, visitas em presídios de Rio Branco são suspensas por 10 dias

Publicados

em

Unidades prisionais de Rio Branco estão com as visitas suspensas por 10 dias — Foto: Ana Paula Xavier/Rede Amazônica

Com o Acre enfrentando uma terceira onda de casos de Covid-19, o Instituto de Administração Penitenciária do Estado (Iapen-AC) suspendeu as visitas nos presídios de Rio Branco por dez dias ou até que até que haja uma queda no número de infectados.

O número de pessoas com Covid-19 aumentou expressivamente no estado no início deste ano. Na quinta (19), o Acre registrou 1.172 novos casos, o maior número em 24 horas desde o início da pandemia. Além da Covid, as unidades de saúde estão lotadas também de pessoas com sintomas de gripe e outras síndromes gripais.

A prefeitura da capital montou um drive-thru de testagem rápida para Covid que tem longas filas no primeiro, nesta quinta. A busca por testes em farmácias também aumentou.

Os médicos que atendem na rede básica de saúde de Rio Branco suspenderam de forma temporária a greve da categoria que já durava mais de um mês. A decisão ocorre devido à terceira onda de Covid que atinge o estado acreano com elevação de casos da doença.

Durante uma coletiva de apresentação do cenário epidemiológico do Acre, o governador Gladson Cameli disse que vai decretar situação de emergência devido ao aumento dos casos de Covid-19, no início do mês de janeiro.

Leia Também:  Após 'Carne Fraca', frigoríficos suspendem abate de gado no Acre

Além disso, o governador junto com a secretária de Saúde, Paula Mariano, alertaram para a importância da vacinação como medida de proteção contra a doença e mantiveram todo estado na bandeira amarela. O Acre está na faixa de atenção desde o dia 24 de dezembro do ano passado, conforme nota divulgada pelo Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Decreto

Diante desse cenário, o Iapen-AC decidiu manter apenas algumas atividades internas nas unidades prisionais de Rio Branco, como: escoltas e saídas externas já agendadas, requisições do Poder Judiciário, requisições das funções essenciais à Justiça e também requisições emergenciais.

O decreto com a suspensão foi publicado nesta quinta (20) no Diário Oficial do Acre (DOE).

“Ficam mantidos ainda os atendimentos de advogados junto aos seus clientes presos, e desde que autorizados pelos diretores das unidades prisionais, a entrega de materiais destinados às pessoas privadas de liberdade, resumindo-se estritamente e nos casos excepcionais aos materiais de higiene pessoal e comum”, diz o artigo 3º do decreto.

Cruzeiro do Sul

Em Cruzeiro do Sul, interior do Acre, as visitas estão suspensas desde o dia 30 de dezembro do ano passado.

Leia Também:  PM apreende arma de fogo e recupera duas motocicletas no Tancredo Neves

Segundo o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), ao menos 121 presos foram atendidos com sintomas gripais, quando anunciou a suspensão. Cruzeiro do Sul, assim como Rio Branco, sofre com surto de gripe. Por G1 Ac.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Em meio a maior crise do sistema de transporte coletivo dos últimos tempos, a população de Rio Branco vive um dilema e acorda todo dia sem saber se terá ônibus passando em sua região. O prefeito Tião Bocalom tentou amenizar o problema repassando R$ 2 milhões e quatrocentos mil para as empresas quitar os débitos com empregados, acordo não cumprido e que foi um dos motivos para a intervenção no setor.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA