RIO BRANCO

Geral

Com avanço da estiagem, Rio Acre está em alerta máximo em Brasileia, Assis Brasil e outras duas Cidades

Publicados

Geral

Dados são do relatório de monitoramento hidrometeorológico do Acre, que acompanha o nível dos principais rios do estado diariamente e aponta este resultado da leitura feita no dia 16 de agosto. Do G1 Acre.

Com um período longo de estiagem e mais de 45 dias sem chuvas, o Rio Acre está em situação de alerta máximo em quatro cidades do estado. Além da capital acreana, a situação também preocupa nas cidades de Assis Brasil, Brasileia e Porto Acre. Em todas estas cidades o manancial está com menos de dois metros.

Os dados são do relatório de monitoramento hidrometeorológico do Acre, que acompanha o nível dos principais rios do estado diariamente e aponta este resultado da leitura realizada no dia 16 de agosto.

Veja os níveis: Assis Brasil: 1,15 metro, Brasileia: 1,19 metro, Porto Acre: 1,53, Rio Branco: 1,46.

A principal preocupação da Defesa Civil estadual é com o abastecimento de água que é feito por meio do manancial na maioria das cidades cortadas pelo rio.

“A defesa civil se mantém vigilante e, caso o órgão de captação de água informe de alguma impossibilidade de captação, poderemos tomar medidas administrativas específicas. Ainda não é hora da declaração de situação de emergência hídrica mas estamos numa linha tênue. Vamos manter a cautela, mas com muita preocupação”, disse o coordenador da Defesa Civil Estadual tenente-coronel Ferreira.

Leia Também:  Pai é detido por bater no filho de cinco anos, em Cruzeiro do Sul

Além disso, as expectativas em relação a chuvas, que é o que poderia amenizar a situação no estado, é que agosto pode ser mais um mês sem chuvas. Em julho, também não ocorreram chuvas.

“Vamos manter a cautela, mas com muita preocupação. Tudo indica que não termos chuvas em agosto, isso aumenta as possibilidades de o rio permanecer na tendência de queda”, pontuou.

Ação

Em Rio Branco, o nível atual do rio se aproxima da menor cota histórica já registrada quando chegou, em setembro de 2016, a 1,30 metro. Com a medição desta terça, o rio está a 16 centímetros da menor cota já registrada.

Com a situação de seca, a Defesa Civil Municipal de Rio Branco iniciou desde o final de julho o abastecimento de caixas d’água em alguns bairros da capital que não são atendidos pelo Departamento de Água e Saneamento do Acre (Depasa).

“No final de julho, que é o abastecimento das comunidades e vamos fazer isso diariamente, inicialmente atendendo 12 comunidades, aproximadamente 12 mil pessoas, que serão atendidas pela Defesa Civil Municipal nessas comunidades que são consideradas rurais, como Transacreana, BR-364, Sena Madureira e parte do Quixadá. Temos algo em torno de 50 caixas de 5 mil litros que dá 250 mil litros, mas não abastecemos todas de uma vez, é em cerca de 120 mil a 150 mil litros que fazemos diariamente nessas comunidades para ajudar nesse período de seca”, destaca o Falcão.

Leia Também:  Censipam debater período de cheia no Acre e Rondônia

E veja também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Há 103 anos, Cruzeiro do Sul presencia uma das maiores demonstrações de fé da região Norte do país. O encerramento da programação do Novenário de Nossa Senhora da Glória foi celebrado com uma grande carreata. O Bispo da Diocese de Cruzeiro do Sul, Dom Flávio Giovenale, a fé é mais um elemento para que o coronavírus seja superado de uma vez por todas. 

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

Em 5º lugar entre os estados que mais desmatam a Amazônia, Acre cria grupo de trabalho para fiscalização remota

Publicados

em

Grupo de trabalho vai gerar informações georreferenciadas de desmatamento, além de monitorar e fiscalizar de forma remota esses crimes ambientais – Foto: Reprodução

Com objetivo de monitorar e fiscalizar remotamente o desmatamento no estado do Acre, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Políticas Indígenas (Semapi) criou um grupo de trabalho formado por órgãos ambientais. A portaria foi publicada na edição desta terça-feira (26) do Diário Oficial do Estado (DOE).

O grupo vai ser formado por representantes da Semapi, do Instituto de Meio ambiente do Acre (Imac), Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), Secretaria de Produção e Agronegócio (Sepa) e Instituto de Terras do Acre (Iteracre).

Conforme a portaria, o grupo deve definir, avaliar, elaborar propostas de fluxos, normas, critérios e procedimentos técnicos e jurídicos para produção de informações georreferenciadas de polígonos de desmatamento. Além da elaboração de procedimentos de monitoramento e fiscalização remota no estado.

Para a criação do grupo foi considerada a necessidade de trabalho conjunto envolvendo a equipe técnica da Semapi e os técnicos do Imac.

O documento diz ainda que o estado não possui um sistema de informações estruturado, com rede lógica e equipamentos para a utilização de geotecnologias, armazenamento e compartilhamento de dados. Também não há um gerenciador de projetos organizados e sistematizados para um monitoramento e controle eficientes.

Leia Também:  Militares sofrem queimaduras leves após princípio de incêndio em lancha da Marinha no Acre

O grupo deve se reunir conforme a necessidade. Ainda segundo a publicação, a participação dos membros vai ser considerada prestação de serviço público não remunerada.

Desmatamento no Acre

O estado acreano registrou um aumento de 40% no desmatamento no mês de setembro deste ano, em comparação com o mesmo mês do ano passado. Dados são do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) obtidos via Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD).

Conforme os dados, o estado desmatou uma área de 118 km², enquanto em 2020, o mês fechou com 84 km². Com esse resultado, o Acre ficou em quinto lugar entre os estados que mais desmataram a Amazônia nesse período.

A Amazônica Legal teve 1.224 km² de desmatamento, o que resultou em um aumento de 1% em relação a setembro de 2020, quando o desmatamento somou 1.218 km². O desmatamento do Acre representou 10% do total na Amazônia.

Degradação

Em relação à degradação das florestas, o Acre teve um aumento exorbitante comparando os dois meses de 2020 e 2021 e saltou de 3 km² para 18 km², o que corresponde a 500% de aumento, conforme os dados.

Com esse dado, o estado ficou em primeiro lugar entre os estados da Amazônia Legal com maior degradação. Veja mais no G1 Acre 

Leia Também:  Lista Bertin-Bumlai traz Michel Teme, Aloysio e Caiado

Desmatamento no Acre tem aumento de 40% no mês de setembro em comparação com o mesmo período de 2020 – Foto: Arquivo/BP-AC

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Vereadora Neiva Badotti – “Não me manda recado, mais! Este tipo de recado é de quem deve, é de quem está com medo, eu vou continuar fiscalizando, denunciando doa a quem doer. Eu tenho certeza que essas denuncias não vão passar despercebidas, eu confio plenamente no Poder Judiciário na Policia Federal que não vão usar dois pesos e duas medidas para ninguém. Ninguém está acima da Lei, nem a senhora prefeita, nem o Governo do Estado e nem o presidente da República interfere na PF, não me mande mais recado!!”, concluiu a parlamentar.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA