Geral

Cocô de pombo causa caos no trânsito

Pilha de fezes sobre fios de central elétrica causou apagão em 25.000 semáforos

Publicados

Geral

Pilha de fezes sobre fios de central elétrica causou apagão em 25.000 semáforos

pombo causa caos no trânsito

pombo causa caos no trânsito

Ser atingido por uma rajada proveniente da bazuca anal de um pombo malcriado não é sinal de sorte  pra ninguém, sobretudo no Japão.   O país acaba de perceber que o acúmulo de fezes sobre os fios que alimentam os sinais luminosos que controlam o trânsito causa curtos-circuitos e apagões que, em se tratando de sinalização de trânsito, configuram risco para motoristas.    Foi exatamente isso que aconteceu nesta semana quando toda a sinalização das cidades de Shiojiri e Matsumoto, na província de Nakano, apagaram de repente.    Enquanto oficiais iam para as ruas para substituir semáforos apagados, o pessoal da manutenção foi até a subestação elétrica que causou o apagão e descobriram que vários pombos fizeram ninhos lá e, por isso, componentes elétricos estavam soterrados sob uma pilha de cocô de um metro de altura.    A companhia elétrica que cuida da manutenção dessas centrais alega que não houve nenhum acidente grave causado pelo apagão e entende que não há necessidade de criar um esquema preventivo que mantenha os pombos (e suas fezes) longe dos fios.   O incidente mais recente pode não ter causado acidentes graves, mas o apagão inutilizou cerca de 25.000 semáforos e, a julgar postura da companhia elétrica, não deve ser o último.

Fonte-R7

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Motorista de UBER é multado e teve carro recolhido pelo RBTrans na capital

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Geral

Defensoria Pública se reúne com Diretoria da Unimed em busca de melhorias no atendimento infantil

Publicados

em

Na tarde desta quarta-feira, 18, a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC) se reuniu com a Diretoria da Unimed Rio Branco, para expor as reclamações recebidas dos usuários do atendimento prestado no único hospital de urgência e emergência infantil do estado do Acre, a Urgil, credenciada pela Unimed.

De acordo com o ofício enviado a DPE/AC pela Urgil, 95% do total de atendimentos do hospital são provenientes de usuários de planos de saúde, dos quais 70% são usuários da Unimed.

Na oportunidade, a Diretoria da Unimed, composta pelo presidente, Antônio Herbert Leite Militão, pelo vice-presidente, Marcus Vinicius Shoiti Yomura e pelo superintendente, Renato Correia da Silva, além do assessor jurídico Maurício Spada, mostrou-se sensível à problemática e se comprometeu a encontrar alternativas que não deixem as crianças que necessitem de atendimento de urgência e emergência em situação de total dependência da Urgil.

O encontro ainda possibilitou esclarecimentos sobre o modo de atuação da operadora de saúde e culminou com o agendamento de nova reunião para o dia 28 de junho, quando então a Unimed apresentará a DPE/AC medidas mais concretas para a melhoria dos serviços.

Leia Também:  Homem pede divórcio da esposa por não emite sons na hora do sexo

Os defensores públicos Celso Araújo Rodrigues, do Núcleo da Cidadania, Rodrigo Chaves, do Subnúcleo de Superendividamento e Ações do Consumidor, a defensora pública Juliana Caobianco, do Subnúcleo de Direitos Humanos 1 (SDH1), a assistente do SDH1, Larissa Damasceno e as representantes dos usuários do plano de saúde, arquiteta Talita Gomes e a advogada Vanessa Facundes, demonstraram satisfação com os encaminhamentos da reunião, reiterando a necessidade de a Unimed adotar medidas céleres e efetivas que resguardem os direitos desses consumidores.

“Foi muito importante esse diálogo para reafirmamos a nossa preocupação e compromisso com nossos usuários, além de esclarecer que estamos procurando um caminho, uma solução”, disse o presidente da Unimed Rio Branco, Herbert Militão.

O defensor público Rodrigo Chaves, destacou que a instituição está à disposição para contribuir, ouvir e atuar de forma conjunta para dar mais celeridade ao caso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA