Geral

Cinco cidades do Acre estão com rios acima da cota de alerta e se preparam para atender atingidos

Publicados

Geral

Em Sena Madureira, Rio Iaco está 40 centímetros acima do alerta — Foto: Aldejane Pinto/Arquivo Pessoal

Com as chuvas que atingiram todo o Acre nas últimas horas, os níveis dos rios subiram e em cinco cidades as águas já ultrapassam as cotas de alerta. Entre elas estão: Rio Branco, Jordão, Sena Madureira, Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

Em Sena Madureira, o nível do Rio Iaco marcou 14,40 metros na medição das 11h30 desta segunda-feira (21). Com isso, o manancial está 40 centímetros acima da cota de alerta e a 8 centímetros de atingir a cota de transbordo.

Conforme o Corpo de Bombeiros na cidade, somente algumas ruas do bairro Praia do Amarílio estão atingidas pelas águas, mas ainda não houve necessidade de remoção de famílias.

Em Sena Madureira, o nível do Rio Iaco está acima da cota de alerta — Foto: Arquivo/Corpo de Bombeiros

A prefeitura da cidade se reuniu nesta segunda para discutir as ações do plano de contingência de 2022, que visa prestar assistência às famílias que venham a ser afetadas pela cheia do Rio Iaco.

Dois locais já começaram a ser preparados para se tornarem abrigos no caso de famílias desabrigadas, que são o Ginásio Hermilton Gadelha Pessoa, e o ginásio da Escolas Messias

Rio Tarauacá está com nível quase um metro acima da cota de alerta — Foto: Arquivo/Defesa Civil

Tarauacá

Na cidade de Tarauacá, o rio que leva o mesmo nome também está com nível quase um metro acima da cota de alerta. Segundo os dados da Defesa Civil Municipal, o manancial marcou 9,40 metros na medição das 12h desta segunda (21), sendo que a cota de alerta é de 8,50 metros.

Ainda segundo os dados, em três horas, o nível do rio subiu 40 centímetros e se aproxima já da cota de transbordo, que é de 9,50 metros. Nas últimas 24 horas foi registro um volume de 36,20 milímetros de chuva na cidade.

Apesar da cheia, ainda não há famílias desabrigadas na cidade. Segundo as informações, somente algumas casas do bairro Senador Pompeu estão atingidas pelas águas.

Cheia do Rio Juruá, em Cruzeiro do Sul — Foto: Bruno Vinícius/Rede Amazônica

Cruzeiro do Sul

O Rio Juruá deu sinais de vazante nas últimas 24h, mas ainda continua com nível acima da cota de alerta, que é de 11,80 metros, em Cruzeiro do Sul, no interior do Acre. Segundo dados da Defesa Civil Municipal, o manancial marcou 11,88 metros às 6h desta segunda (21), sendo que no mesmo horário no domingo (20) estava com 12,28 metros.

Leia Também:  Dia Internacional da Síndrome de Down é lembrado nesta segunda

Cerca de 250 famílias estão atingidas na cidade, com água nos quintais, o que atrapalha a locomoção dos moradores. Ainda não foi preciso retirar nenhuma família de suas residências, mas que o órgão monitora as áreas de risco.

Na cidade, em 48 horas choveu cerca de 55 milímetros e a previsão é que a partir de quarta-feira (23) o rio volte a subir. Entre os bairros já atingidos em Cruzeiro do Sul estão: Lagoa, Miritizal, Várzea e Cruzeirinho.

Enchente atinge cerca de 60% da cidade do Jordão e desabriga famílias no interior do Acre — Foto: Kezio Araújo/Arquivo pessoal

Jordão

O município com situação mais crítica até o momento é o Jordão, um dos considerados isolados no Acre. Segundo dados da Defesa Civil Estadual, cerca de 60% do município está atingido pela subida dos rios Jordão e Tarauacá.

Na cidade, as águas dos rios Jordão e Tarauacá se unem durante a cheia. A cota de alerta é de 7 metros e a de transbordo é de 7,50 metros. Segundo dados da Defesa Civil, o nível das águas na cidade chegou a 8,75 metros nesta segunda-feira (21).

Bairros atingidos: Kaxinawá, Alfredo Suero Sales, Centro e Bairro Novo. O coordenador da Defesa Civil do Acre, coronel James Joyce Gomes, disse que está no Jordão acompanhando os trabalhos e que o órgão faz o cadastro das famílias. Segundo dados, cerca de 74 famílias estão desabrigadas.

A Energisa Acre informou que, por conta da cheia dos rios no Jordão, foi preciso interromper o fornecimento de energia de cerca 400 clientes no Centro do município. Isso porque, as águas já atingiam níveis que colocam em risco a segurança dos moradores e dos profissionais que estão atuando nos auxílios aos desabrigados.

Moradores da Seis de Agosto já sofrem com a cheia do rio — Foto: Ana Paula Xavier/Rede Amazônica Acre

Rio Branco

Na capital acreana, a situação não é diferente. O Rio Acre ultrapassou a cota de alerta, que é de 13,50 metros e na medição das 12h marcou 13,89 metros. A cota de transbordo 14 metros.

A Defesa Civil Municipal de Rio Branco já iniciou a limpeza do Parque de Exposições Wildy Viana para abrigar pessoas, caso o Rio Acre continue subindo.

O coordenador da Defesa Civil Municipal, tenente-coronel Cláudio Falcão, diz que as chuvas se intensificaram, agravando a situação de algumas famílias que moram em áreas de risco. Até esta segunda, uma família do bairro Seis de Agosto foi desalojada – encaminhada para casa de família.

Leia Também:  Vendaval derruba árvores, portões e causa prejuízos em vários pontos de Rio Branco

O parque de exposições deve atender 200 família, o que dá em torno de 800 a mil pessoas, segundo o coordenador. Falcão diz que a capacidade do parque é maior, mas, devido à pandemia do coronavírus, é preciso pensar em outros locais que possam se tornar abrigos – como escolas, prédios públicos. Famílias começam a ser desabrigadas quando o rio ultrapassa 14 metros.

Sob alerta

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu mais dois alertas de fortes chuvas – uma amarelo e outro laranja. A previsão é de chuvas fortes até a manhã desta terça-feira (22).

O alerta de perigo é de chuvas de 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos (60-100 km/h). Risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas.

Instruções: Em caso de rajadas de vento: (não se abrigue debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas e não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda)

Se possível, desligue aparelhos elétricos e quadro geral de energia.

Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193). Por G1 Acre.

Cheia Rio Acre, Rio Branco, 21 de fevereiro de 2022 — Foto: Ana Paula Xavier

E Veja Também no 3 de Julho Notícias – Acre 24 Horas

Veja o Vídeo Abaixo: Os servidores da Educação do estado estão revoltados, com tanto descaso do governo Gladson Cameli com a maior categoria do Acre. Os servidores liderados pelo Sinteac, alegam que o governo descumpriu acordo judicial firmado com a categoria e que só iniciam o ano que vem tiver cumprimento do que foi acordado. Os servidores estiveram mais uma vez na frente da casa Civil e manifestaram sua insatisfação com Gladson Cameli.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Projeto Rhuamm, que cria rede de proteção de crianças e adolescentes, é lançado pela Defensoria Pública

Publicados

em

Depois de quase um ano de elaboração, articulações e formação de parcerias, o Projeto Rhuamm – Rede Humanizada de Apoio a Meninas e Meninos, coordenado pelo Núcleo da Cidadania da Defensoria Pública, foi lançado na manhã desta terça-feira, 24, reunindo representantes das instituições que atuarão em conjunto para ampliar as ações preventivas de forma a evitar o abuso e a violência praticada contra crianças e adolescentes em Rio Branco, cidade que abrigará o projeto-piloto.

O nome e a motivação para a criação do projeto vieram do caso envolvendo o menino Rhuan, morto de forma violenta em 2019 pela mãe e a namorada dela, em Brasília. A Defensoria Pública do Acre, por meio do defensor Celso Araújo Rodrigues, que hoje coordena o Núcleo de Cidadania, responsável pelo projeto, se mobilizou para trazer ao Acre o corpo da criança e apoiar a família paterna.

“A Defensoria Pública, diante de uma das suas prerrogativas, que é proteger a criança e o adolescente, criou, desenvolveu e está executando este projeto. A intenção é acolher e tratar crianças vítimas de violência. Os casos serão encaminhados ao núcleo do Projeto, principalmente pelas escolas”, explica o defensor Celso Araújo.

A defensora-geral, Simone Santiago, lembra que o projeto “nasceu naquele fim de semana trágico”. “Primeiro nasceu no coração do Dr. Celso e ele veio conversar comigo e com a Dra. Roberta e nós o abraçamos. Sabíamos que sozinhos, com nosso instrumento, não poderíamos fazer com que esse projeto alcançasse seu objetivo. Minhas palavras são de agradecimento. Sabemos que estamos no caminho certo e avisamos a sociedade de que estamos atentos, que existem vários atores que estão olhando para as crianças. Este é o nosso recado. Estamos todos abraçados por uma causa, das mais justas, que é a proteção de crianças e adolescentes”, ressaltou a defensora-geral.

Leia Também:  Acre está sob alerta de perigo de chuvas intensas entre este domingo e segunda, aponta Inmet

O Rhuamm visa estabelecer parceria com o sistema de garantia de direitos e irá capacitar profissionais envolvidos no projeto e nas escolas de ensino infantil e fundamental de Rio Branco, oferecendo também orientação aos gestores escolares e aos pais das crianças de 0 a 11 anos, público-alvo do projeto, entre outras atribuições.

Família de Rhuan participa de solenidade

Parte da família paterna de Rhuan, avós, tias e primo, compareceu ao lançamento do projeto. “Esse projeto é muito importante para as crianças. Vou morrer e ele vai ficar aí pra dar orgulho pra minha família. Espero que as escolas, as diretoras procurem conversar com as crianças, quando verem uma criança triste pra saber o que está acontecendo. Que todas as escolas façam parte desse projeto, porque é muito bom e vai dar resultado”, disse Francisco das Chagas, avô de Rhuan.

A secretária adjunta dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Fernanda Ramos Monteiro, que participou do evento de forma virtual, apresentou projetos e ações da política nacional de prevenção à violência contra crianças e adolescentes.

Leia Também:  Saúde entrega novos aparelhos de ultrassom à Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco

A secretária adjunta divulgou dados que apontam a redução de 41% do número de mortes por agressão a crianças e adolescentes no Brasil em comparação à média registrada entre 2012 e 2018.

São parceiros do Projeto Rhuamm o Tribunal de Justiça do Acre, Ministério Público, Defensoria Pública da União, Ministério Público do Trabalho, Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, Sebrae, Polícia Militar, Centro Universitário

Uninorte e Prefeitura de Rio Branco, por meio do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, SASDH, Seme, Centro Especializado de Referência em Assistência Social, Semsa, Centro Pop e Conselho Tutelar.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA