Geral

Alcione: Acreano de Brasiléia vence no futebol do Distrito Federal

O primeiro time do meio-campista Alcione Marcelino dos Santos, em Brasiléia (AC), sua cidade natal, chamava-se Juventude.

Publicados

Geral

O primeiro time do meio-campista Alcione Marcelino dos Santos, em Brasiléia (AC), sua cidade natal, chamava-se Juventude.

 Por Francisco Dandão 

Alcione em ação com a camisa do Luziânia. Foto/Acervo pessoal do atleta.

Alcione em ação com a camisa do Luziânia. Foto/Acervo pessoal do atleta.

Nada mais apropriado para o jovem de 16 anos que, naquele momento, não tinha ambições de sair da fronteira brasileira com a Bolívia. Corria o ano 2000. No ano seguinte, outra camisa, em mais um time local: o Castanheira.

Independência FC

Independência FC – campeão do Torneio Início-2004. Em pé, da esquerda para direita: Evilásio, Tom, Djailton, Tidal, Genival, Mássimo, Maxsuel, Josué, Vitor e Cley. Agachados Bigal, Tonho Cabanãs, Alcione, Leo, Cristiane, Jota Maria, Bocão. Foto: Manoel Façanha

A bola de gente grande que o então adolescente jogava, porém, não permitiria que ele ficasse muito tempo na sua Brasiléia. E assim, no primeiro semestre de 2002, antes de completar 18 anos (ele nasceu em 17 de junho de 1984), Alcione pegou a estrada para a capital para fazer testes no tradicional Rio Branco. Ele e um atacante talentoso chamado Elenilson.

Elenilson

2006. Em pé, da esquerda para a direita: Marquinhos Bahia (técnico), Zinho, Clayton, Alcione, Eliseu, Badu, Piu, Carlos Eduardo, Osmair, Fernando e Panda. Agachados: Cacique, Michel, Mariozan, Rogerinho, Kleir, Rogerinho Quinari, Vavau, Samuel, Ricardinho e Luiz Carlos.

mandarem bem

Atlético Acreano – 2013. Em pé, da esquerda para direita: Evilásio, Ceildo, Alcione, Zidane, Edivandro e Tidalzinho. Agachados: André, Guajará, Vílson, Sandro, Jessé, Jefferson e Fábio – Francisco Dandão

Apesar de mandarem bem nos testes, os dois garotos do interior não foram contratados pelo Estrelão. O time da capital, recheado de jogadores “importados”, não percebeu o quanto aqueles jovens poderiam render no futuro. E assim, eles foram bater em outras portas, seguindo rumos diferentes. Alcione, de imediato, foi jogar na Adesg, de Senador Guiomard.

Rio-Branco-2014-745x483

Rio Branco – 2014. Em pé, da esquerda para direita: Ney, Alcione, William Saroá, Rodrigo, Edivandro, William Pacheco, Jader Andrade e João Carlos Cavalo. Agachados: Sander, Rick, Thiago, Uiliam, Adriano Louzada e Bruno Vieira. Foto: Francisco Dandão

Leia Também:  Em Brasileia, mulher encontra cobra em casa e é socorrida por filhos

Daí começou uma dança de camisas que dura até os dias atuais, envolvendo times de cinco Estados: Acre (Independência, Vasco, Juventus, Rio Branco, Atlético e Galvez), Amazonas (Nacional e Holanda), Goiás (Santa Helena), Rio Grande do Sul (São Luís) e Distrito Federal (Luziânia, Botafogo, Ceilandense, Gama, Taguatinga, Guará, Legião e Sobradinho).

Campeão distrital de 2016 pelo Luziânia

Alcione acaba de se sagrar campeão do Distrito Federal defendendo as cores do Luziânia. As finais da competição, jogadas nos dias 30 de abril e 7 de maio, contra o Ceilândia, terminaram com o mesmo placar: 2 a 0 para o Luziânia. Resultados que não deixam dúvidas no que diz respeito à superioridade do campeão, que não perdeu nenhuma partida no certame.

Na segunda partida das semifinais

Atletas do Luziânia (Alcione é o 1º à esquerda) agradecem ao céu mais por mais uma vitória – Foto Acervo pessoal.

Na segunda partida das semifinais, contra o Gama, foi de Alcione o gol que definiu a vitória do Luziânia, na decisão por pênaltis, após o empate em um a um no tempo normal. Profundamente religioso, ele sempre agradece a Deus pelo sucesso, seja pelos triunfos no campo de jogo, seja na recuperação de contusões. “O Senhor está sempre no comando”, garantiu.

Aos 31 anos, Alcione diz que ainda espera muitos títulos no futuro. “Não penso em encerrar minha carreira tão cedo. Meus planos incluem ainda muitos títulos. Apesar de já haver passado dos 30 anos, acho que ainda jogarei por muito tempo. Tenho uma ótima condição física, uma vez que não bebo e não fumo. Que venham novos desafios”, disse Alcione.

Leia Também:  Caminhonete da Polícia Civil capota ao desviar de moto em Avenida de Epitaciolândia

O atleta também fez questão de lembrar duas pessoas que foram muito importantes para que a sua carreira se expandisse para além do território acreano. A primeira dessas pessoas foi o Raimundo Ferreira, que o incentivou a jogar no Nacional de Manaus. A segunda foi o Marquinhos Bahia, que treinou a Adesg, em 2006, e o indicou para o futebol brasiliense.

Treinadores, decepção, alegria e seleçãoAlcione com a camisa do Juventus na temporada 2004

Alcione com a camisa do Juventus na temporada 2004. Dois treinadores são destacados por Alcione como os melhores com os quais ele trabalhou: João Carlos Cavallo e Ricardo Antônio. “O Cavallo é muito inteligente para armar um time. Com ele, o jogador entra em campo sabendo exatamente o que tem que fazer. E o Ricardo, técnico atual do Luziânia, é desses que escuta a opinião da gente”, explicou o craque.

No que diz respeito a decepções, que nem só de vitórias vive um futebolista, Alcione lembrou a vez em que ele quase foi parar no Cruzeiro, de Minas Gerais. “Eu estava no Nacional. Jogava com o Alemão, que foi da seleção brasileira. Ele queria me levar para o Cruzeiro. Mas a direção do Nacional não me liberou. Isso me entristeceu bastante”, afirmou Alcione.

Quanto às alegrias, Alcione destaca como a maior de todas algo que aconteceu em 2015. “Eu jogava na segunda divisão do Distrito Federal, pelo Taguatinga. Na semana da final, eu senti o músculo adutor da coxa esquerda. Eu estava fora da final. Aí orei com todo o fervor a Deus, passei um óleo ungido no local da contusão e consegui jogar”, disse Alcione.

Para concluir, um desafio: a escalação dos melhores jogadores do futebol acreano com os quais ele jogou ou viu jogar. Alcione achou a tarefa complicada, hesitou antes de fechar com cada nome, mas cumpriu bem a missão. “Máximo; Ley, Ico, Dudu e Ananias; Ismael, Zé Marco, Testinha e Artur; Doca Madureira e Adriano Louzada. Só craques”, finalizou ele.

Fonte: aceaesportes.com

COMENTE ABAIXO:

Propaganda

Geral

O Mercado Cripto está no fundo do poço? Seria o fim de todo o otimismo voltado para esse mercado?

Publicados

em

Especialista, Gabriel Nascimento (COO da empresa Xland Holding), ajuda esclarecer.

Sabemos que recentemente um dos maiores bilionários do mundo e um dos maiores influenciadores do mercado internacional, ninguém menos que Bill Gates se manifestou sobre o que podemos chamar de Inverno cripto:

Criptomoedas são baseadas na teoria do maior tolo: alguém vai pagar mais por isso do que eu”, diz Bill Gates. Além disso, o Bilionário fundador da Microsoft também ironizou NFTS: “imagens de macacos vão melhorar imensamente o mundo“.

De fato, não seria exagero afirmar que o mercado cripto está vivendo o seu pior momento no ano de 2022, período marcado por muita desvalorização nas chamadas Criptomoedas, Nft`s, Mercado DEFI e Smart Contracts.

Nesse cenário de incertezas, também comumente afetado por um clima baseado no que os especialistas chamam de FUD (fear, uncertainty e doubt – medo, incerteza e dúvida), sentimentos e comportamentos que normalmente resultam em uma força ainda maior de venda de posições, e aumenta-se ainda mais a desvalorização das Criptomoedas, um fenômeno diretamente relacionado a famigerada Lei de oferta e demanda.

Deste modo, seria muito relevante tecer comentários sobre o que os especialistas chamam de Bear Market, fase do mercado representada pelo arquétipo do urso em contraposição com o Touro que representa as fases de alta do mercado.

Em síntese, temos que Bear markets são compostos por eventos negativos em série, reações exageradas de preço e momentos em que um turbilhão de informações negativas são levadas ao mercado ao mesmo tempo.

Leia Também:  Caminhonete da Polícia Civil capota ao desviar de moto em Avenida de Epitaciolândia

O especialista, Gabriel Nascimento (COO da empresa Xland Holding), explica que “o mercado de Criptomoedas, assim como nos investimentos tradicionais, também é marcado por ciclos. Inclusive, nesses momentos de grande crise e desvalorização é possível fazer análises técnicas e identificar um padrão”.

O especialista continua trazendo ricas informações sobre o fenômeno bear market no mundo cripto que pode ser identificado da seguinte forma:

“No atual momento, podemos afirmar que estamos vivenciando o chamado bear market. Esse é um fenômeno comum, e que em regra, passa por 3 fases: Um primeiro tem seu início logo após as moedas terem alcançado sua melhor fase de alta, os maiores preços. Isso se dá porque investidores que ganharam muito dinheiro com a valorização das moedas, agora, querem realizar suas posições e poder desfrutar do lucro obtido, em outras palavras querem vender suas posições e colocar o dinheiro no bolso. Nesse momento, em decorrência do alto volume de vendas, é possível ver muito dinheiro saindo do mercado”, explica Gabriel.

Por conseguinte, em um segundo momento, com a alta evasão de recursos, muitas instituições acabam por ficar totalmente descapitalizadas, e por fim são liquidadas (este talvez é o pior momento da crise). Esse é considerado um momento teste dos projetos que são mais sustentáveis. Apenas os mais fortes e sólidos vão sobreviver.

Leia Também:  Peixes da Amazônia vende 50 toneladas de ração para Rondônia

Após toda essa fase de provação, quebras e liquidações, as instituições mais sólidas, aos poucos, começam a voltar para um momento de consolidação de preços, dando sinais de uma retomada da valorização. Fechando assim um ciclo bem comum no mercado de investimentos.

Importante lembrar que o início da atual crise no mercado cripto foi motivado, principalmente, com os relatórios dos últimos 2 (dois) meses indicando que inflação nos EUA estava mais alta do que se imaginava, e que medidas forçadas de intervenção precisam ser adotadas para corrigir essa situação. Na luta contra a inflação, o Federal Open Market Committee (FOMC) optou por aumentar a taxa de juros americana, o que força com que os investidores institucionais optem por sair de investimentos mais voláteis e escolham desfrutar das altas taxas de juros nos mercados mais tradicionais e conservadores.

Gabriel Nascimento afirma que: “É necessário ter calma para avaliar todos os pontos disponíveis e tomar decisões cautelosas na hora de investir no mercado cripto, já que este é um mercado muito dinâmico e volátil. De toda sorte, é importante ter em mente que após fortes crises, os preços do mercado cripto ficam descontados, e esse pode ser um excelente momento para aproveitar oportunidades de investimento e adquirir ativos digitais que estão desvalorizados.” 

Acesse: https://www.xlandholding.com.br/ 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA