Geral

Acre é rota preferencial para entrada de cocaína

Crescente uso do crack e oxi, no Brasil, e a fragilidade nas fronteiras atraem interesse dos narcotraficantes.

Publicados

Geral

Crescente uso do crack e oxi, no Brasil, e a fragilidade nas fronteiras atraem interesse dos narcotraficantes.

Ângela Rodrigues, direto de Lima (Peru)
Alfândega na na cidade de Assis Brasil, na divisa entre Brasil e Peru

Alfândega na cidade de Assis Brasil, na divisa entre Brasil e Peru

Uma reportagem especial da revista peruana Correo Semanal, intitulada Perú Coca e publicada nesta quarta-feira (29), acende um alerta para as autoridades brasileiras e coloca o Estado do Acre, que faz fronteira com a Bolívia e o Peru, na rota preferencial dos narcotraficantes.

A matéria de capa afirma que o país vizinho, Peru, está a um passo de ocupar o primeiro lugar no ranking mundial, com a produção de mil toneladas de pasta base de cocaína. A informação foi anunciada pelo escritório das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime (Unodoc).

40% da cocaína que abastece o País é oriunda do Peru. A droga estaria entrando livremente no Brasil por meio de rota terrestre, o que coloca o Acre como porta principal de entrada da droga para outras cidades brasileiras.

As fronteiras de Assis Brasil/Iñapari (Perú) e  Brasileia e Epitaciolândia /Cobija (Bolívia) aparecem como rota preferencial devido a uma série de fatores, entre eles: localização geográfica favorável, alto déficit de emprego formal, insuficiente desenvolvimento industrial, baixo aparato policial e inoperância das autoridades locais de ambos os países.

A Diretoria Executiva Antidrogas do Peru (Dirandro) estima que quase a metade da produção ao longo dos rios Apurimac, Ene e Mantaro – fronteira Peru/Bolívia – chegam ao mercado boliviano com destino certo: Brasil.

Segundo fontes policiais peruanas, já foram detectadas 14 máfias que operam nesta região de dupla nacionalidade; cada uma delas possui entre 80 a 100 caminhões circulando a serviço do narcotráfico.

Há três anos, a Sociedade Nacional de Indústrias (SNI) vem alertando que grupos de contrabandistas estão atuando com os narcotraficantes no transporte de drogas e lavagem de dinheiro.

Preço da cocaína produzida no Peru salta ao chegar à fronteira com Brasil

A droga produzida no Peru percorre um longo caminho até seu destino final. Ao sair dos mais longínquos vilarejos, o quilo da pasta base de cocaína é comercializado, inicialmente, a U$ 800, o quilo.

Após percorrer o trajeto até a fronteira, ainda em solo boliviano ou peruano, este valor salta para U$ 2.600. O preço pago a um caminhoneiro para atravessar entre 35 a 40 quilos de cocaína até o Brasil é de U$ 50 mil; ou seja, em média R$ 119 mil, podendo variar para mais ou menos.

A notícia tem preocupado as autoridades peruanas que atuam no combate ao narcotráfico. Enquanto isso, as autoridades brasileiras parecem não se preocupar com o problema, que silenciosamente atravessas as fronteiras e se espalha pelo País.

No ano passado, o governo Federal anunciou uma série de políticas públicas de combate e tratamentos para dependentes da droga. Mas, pouco ou quase nada tem sido feito para frear a entrada de drogas nas regiões fronteiriças.

ONU: alto consumo da droga no Brasil estimula aumento na produção de coca

Em maio deste ano, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um alerta sobre a mudança nas rotas de saída da droga produzida no Peru, bem como o crescimento da demanda brasileira pela cocaína, apontada como principal estímulo para o aumento da produção peruana.

“A frequência com que se apreende a droga evidencia que um fluxo importante de PBC (Pasta Base de Cocaína) produzida no Peru tem como destino o mercado brasileiro. Esta substância não é proveniente apenas de áreas próximas à fronteira (peruana) com o Brasil (Caballococha, Cushillococha, Yuvineto e Santa Clotilde, entre outras cidades de Loreto). O mesmo se aplica a outras áreas de produção no País, como San Gabán, Iñampari e Tambopata, na fronteira com a Bolívia, na passagem do mercado brasileiro”, revela trecho do relatório sobre distribuição e comercialização, divulgado no site na ONU, no Brasil.

A diretora executiva da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Vida sem Drogas (Devida/Peru), Carmen Masías Claux, afirmou que pelo menos 97% do cultivo da folha da coca peruana é destinado ao narcotráfico.

Os dados oficiais devem ser publicados em 15 dias, por meio do “Informe de Monitoramento de Cultivo da Coca”. Em 2012, o mesmo órgão registrou uma produção, na zona andina, de 620 toneladas de cocaína.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Funcionários da HAVAN fazem manifestação contra os decretos de isolamento social em Rio Branco

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Geral

Defensoria Pública se reúne com Diretoria da Unimed em busca de melhorias no atendimento infantil

Publicados

em

Na tarde desta quarta-feira, 18, a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC) se reuniu com a Diretoria da Unimed Rio Branco, para expor as reclamações recebidas dos usuários do atendimento prestado no único hospital de urgência e emergência infantil do estado do Acre, a Urgil, credenciada pela Unimed.

De acordo com o ofício enviado a DPE/AC pela Urgil, 95% do total de atendimentos do hospital são provenientes de usuários de planos de saúde, dos quais 70% são usuários da Unimed.

Na oportunidade, a Diretoria da Unimed, composta pelo presidente, Antônio Herbert Leite Militão, pelo vice-presidente, Marcus Vinicius Shoiti Yomura e pelo superintendente, Renato Correia da Silva, além do assessor jurídico Maurício Spada, mostrou-se sensível à problemática e se comprometeu a encontrar alternativas que não deixem as crianças que necessitem de atendimento de urgência e emergência em situação de total dependência da Urgil.

O encontro ainda possibilitou esclarecimentos sobre o modo de atuação da operadora de saúde e culminou com o agendamento de nova reunião para o dia 28 de junho, quando então a Unimed apresentará a DPE/AC medidas mais concretas para a melhoria dos serviços.

Leia Também:  Veja as fotos: Festival de Praia em Assis Brasil é sucesso de público

Os defensores públicos Celso Araújo Rodrigues, do Núcleo da Cidadania, Rodrigo Chaves, do Subnúcleo de Superendividamento e Ações do Consumidor, a defensora pública Juliana Caobianco, do Subnúcleo de Direitos Humanos 1 (SDH1), a assistente do SDH1, Larissa Damasceno e as representantes dos usuários do plano de saúde, arquiteta Talita Gomes e a advogada Vanessa Facundes, demonstraram satisfação com os encaminhamentos da reunião, reiterando a necessidade de a Unimed adotar medidas céleres e efetivas que resguardem os direitos desses consumidores.

“Foi muito importante esse diálogo para reafirmamos a nossa preocupação e compromisso com nossos usuários, além de esclarecer que estamos procurando um caminho, uma solução”, disse o presidente da Unimed Rio Branco, Herbert Militão.

O defensor público Rodrigo Chaves, destacou que a instituição está à disposição para contribuir, ouvir e atuar de forma conjunta para dar mais celeridade ao caso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA