RIO BRANCO

Cultura

Acre deve virar Rondônia? Ou Rondônia deve virar o Acre? Projetos de Acre e Rondônia tiveram frutos diferentes

Publicados

Cultura

Acre e Rondônia são estados vizinhos da Amazônia brasileira. Dois estados com tamanhos parecidos, envolvidos pela floresta, e com projetos muito distintos de relação com a terra. Ao longo dos últimos 20 anos, como os dois projetos avançaram? Rondônia cresceu mais, ao preço do desmatamento. O Acre preservou mais, ao preço da estagnação.

O Acre é o estado brasileiro por opção. O estado que lutou contra a Bolívia, e lutou contra o Brasil, para ser reconhecido brasileiro.  Na virada do século XX, foi povoado por migrantes, especialmente do Nordeste, que se uniram às fileiras da exploração do látex, durante o ciclo da borracha. Rapidamente, o Acre se tornou o estado do extrativismo—ou o estado da floresta.

Rondônia, por sua vez, é o estado do empreendedorismo no campo. Ainda como território do Guaporé, nas décadas de 1970 e 1980, a região hospedou programas de assentamento do INCRA e o Polo Noroeste, projeto de colonização do governo federal que atraiu migrantes sulistas vocacionados à produção e alocados em pequenas propriedades no campo. O empreendedorismo rural rapidamente converteu Rondônia em fronteira pujante do agronegócio, em especial, da pecuária.

Leia Também:  No recesso Justiça do Trabalho nos estados de Rondônia e Acre funcionará somente em regime de plantão

Nos últimos 20 anos, os projetos de Acre e Rondônia tiveram frutos diferentes.

Na economia, o contraste de performance entre o “Acre dos extrativistas” e a “Rondônia dos pecuaristas” é marcante. Em 2002, o PIB per capita de Rondônia era de R$ 20.3 mil, enquanto o do Acre, R$ 19.7 mil.  Ou seja: os estados possuíam renda equivalente.  Quase duas décadas depois, o PIB per capita de Rondônia aumentou quase 50%, batendo R$ 29.1 mil em 2018, ao passo que o Acre parou no tempo: o estado chega a 2018 com PIB de R$ 20.4 mil, praticamente o mesmo valor de 2002.

Na área social, o contraste entre os dois casos também é significativo.  Em 2006, repasses do Bolsa Família em Rondônia eram de R$ 90 per capita. No Acre, R$ 123.  Quase uma década e meia depois, em 2019, o que ocorreu com os números?  No Acre, as transferências do programa federal quase triplicaram, atingindo valor de R$ 356 per capita.  Rondônia, por sua vez, manteve a proporção de transferências quase inalterada em relação a 2006: R$ 87 per capita.

Leia Também:  Parceria entre Acre e Rondônia garante cooperação técnica para atualizar a base de dados de câncer atualizada
Desde a crise de 2014-2016, a velocidade da reação de Acre e Rondônia também tem sido muito diferente.  Em Rondônia, bastaram dois anos para que o estado recuperasse o nível de renda per capita de 2014.  Já no Acre, em 2018, a economia do estado permanecia 20% inferior ao início da crise e, ainda hoje, não foi capaz de retomar nível do passado. Na mesma linha, as transferências de renda per capita do Bolsa Família em Rondônia eram 50% menores em 2019, em comparação com 2014, enquanto no Acre a queda foi de 8%.Nada disso, vale ressaltar, veio sem um preço ambiental.  O Acre foi muito mais capaz de preservar a floresta e de conviver em relativa harmoniza com ela. Hoje, o estado mantém-se 87% preservado, em que pese sinais crescentes de desmatamento.  Rondônia, por sua vez, cresceu com modelo econômico que pressionou muito mais a degradação. Hoje, o estado já perdeu 37% da sua cobertura florestal.

Qual dos dois projetos é melhor? O melhor é não ter de escolher entre crescimento ou preservação; entre pobreza ou devastação. O melhor é abrir espaço, em cada estado, para a geração de renda e riqueza com inclusão produtiva, conciliando as aspirações legítimas de progresso e bem-estar de todo indivíduo, com a necessidade de preservação ambiental. Para isso, o Acre não tem de virar Rondônia, nem o inverso. O melhor caminho é cada um tentar se tornar outra coisa, ou uma versão melhor de si mesmo.

* Professor da FGV EESP e da FGV Direito Rio; coordenador do Observatório de Bioeconomia da FGV

** Graduando em Economia na FGV EPGE e membro do Observatório de Bioeconomia da FGV

⁕Dados monetários estão corrigidos para valores de dezembro de 2020. Com exceção do PIB, todos os valores estão corrigidos pelo IPCA. PIB corrigido pelo deflator implícito. Transferências per capita do Bolsa Família definidas como razão entre as transferências para cada estado e população em um determinado ano.

Daniel Barcelos Vargas, Vinícius Hector Pires Ferreira – Publicado no Estadão

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: A Assembleia Legislativa do Estado do Acre tem se preocupado em proporcionar mais dignidade para a população acreana, aprovou a lei 3.795 de 27 de outubro de 2021 que trata da obrigatoriedade de incluir os absorventes aos itens de higiene das Unidades de ensino e disponibilizar, gratuitamente , nos banheiros das Escolas públicas Estaduais.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja o Vídeo Abaixo: Em consonância com a Lei Nº 3.7757, de 13 de julho de 2021, a Assembleia Legislativa do Estado do Acre traz uma campanha de conscientização “Dezembro Verde”, há toda a população com relação aos animas, principalmente os que estão em situação de rua, pois os pets são o símbolo de amor ao próximo e o melhor amigo do homem, então ame-o!!

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Cultura

Serra do Divisor paraíso natural do Acre que encanta com cachoeiras e trilhas incríveis

Publicados

em

O local desperta equilíbrio e serenidade nos visitantes. Foto: cedida

Assessoria – Considerado um dos locais de maior biodiversidade do mundo, o Parque Nacional da Serra do Divisor, no Acre, encanta por sua exuberante beleza natural. Com cachoeiras, trilhas e mirante, é um dos melhores destinos para quem deseja se conectar com a natureza.

É o quarto maior parque nacional brasileiro e é considerado também o local de maior biodiversidade da Amazônia. Criada em 1989, a unidade de conservação (UC) é gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e pelo governo federal.

O acesso à área é realizado pelo município de Mâncio Lima. O turista pode chegar por via terrestre, pela BR-364. Para diminuir o tempo de deslocamento, tem a opção de ir de avião até Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do estado, e tomar a estrada para Mâncio Lima. Chegando lá, é necessário pegar uma embarcação pequena e fazer uma viagem de oito horas, em média, pelos rios Japiin e Moa até a serra.

A influencer digital Maxine Silva se encantou com o local: “Eu não consigo nem descrever a experiência, de tão maravilhosa que é. A gente sente uma conexão incrível com a natureza, as cachoeiras são maravilhosas, a comunidade é super receptiva, a comida deliciosa. Todos precisam conhecer a energia daquele lugar”.

Para entrar no parque, é necessário que o turista entre em contato com o ICMBio de Cruzeiro do Sul para requerer autorização de acesso. Caso seja fechado pacote com alguma agência, esse processo já é feito pelo instituto.

A administradora Thalita Figueiredo gostou tanto da Serra que atualmente organiza excursões. “Já fui quatro vezes e agora estamos levando, em parceria com guias, grupos de pessoas para conhecer as belezas naturais e incríveis daquele lugar”, relata.

Chegando lá, é só desfrutar da paisagem e apreciar os passeios.

Thalita é apaixonada pelas belezas naturais do Parque – Foto: cedida

O que fazer na Serra do Divisor

Mirante Serra da Jacirana

Ponto de observação localizado a 500 metros acima do nível do mar, é uma das opções de passeio ofertadas aos turistas. O ambiente é ideal para apreciar o nascer ou pôr do sol. A profusão de cores do céu é um espetáculo à parte.

Para chegar lá é necessário encarar uma subida bem inclinada por cerca de 20 minutos.

Cachoeira Formosa

Uma das mais bonitas da região. Águas negras e três quedas d’água compõem o cenário natural. Para conhecer o local, o turista precisa se aventurar por uma trilha de 30 quilômetros mata adentro – 15 para ir e outros 15 para voltar.

Cachoeira do Amor

São cerca de 20 minutos caminhando após a descida. A Cachoeira do Amor só foi descoberta em 2010.

Cachoeira da Estátua

Fica a uns 500 metros da Cachoeira do Amor, continuando a trilha. Após dois lances de escada de madeira, pode-se contemplar uma das mais belas quedas d’água do parque.

Buraco Central

Em busca de petróleo, na década de 40 a Petrobras perfurou a área na profundidade de 700m, em vão. Mas a incisão atingiu o lençol freático e deu origem a uma espécie de olho d’água.

O local tornou-se uma espécie de banheira permanente de hidromassagem natural, com água morna, gerando uma queda d’água que se lança direto no Rio Moa.

Cachoeira do ar condicionado

Tem cerca de cinco metros, com uma queda forte, e, dependendo do volume de água, divide-se em “V”. Foi nomeada assim por conta de um vento frio e úmido que sopra com a velocidade da água.

Forma uma piscininha de águas cristalinas com fundo de areia. Para chegar até ali, é necessário fazer uma pequena trilha de cerca de dez minutos.

Cachoeira Pirapora I

O visual depende da época do ano: sua altura no período da cheia se reduz pela durante a estação seca. A água cai no Rio Moa, aí o acesso é direto de barco.

Cachoeira Pirapora II

O acesso se dá pela Pirapora I. Em alguns minutos de trilha, é possível contemplá-la. Além dessas cachoeiras, existem outras. E duas cavernas foram descobertas recentemente no local.

Onde se hospedar

A Serra do Divisor dispõe de três pousadas que servem café, almoço e jantar.

Pousada do Miro

Foi a primeira criada no parque. Possui quartos e chalés. De lá é possível contemplar a Serra do Divisor. Agendamentos pelo contato: (68) 9 9971-2127.

Pousada do Edmilson

Também possui confortáveis chalés. Contato: (68) 9 9959-5475.

Pousada Canindé da Serra

É a mais próxima da serra. Contato: (68) 9 9946-0496.

Contato do ICMBio: (68) 3322-1203

A influencer Maxine desfruta a vista a partir do Mirante – Foto: arquivo pessoal

Leia Também:  Governador recebe alerta da Defesa Civil nacional sobre possível fechamento da BR-364 entre Rio Branco e Porto Velho

Serra do Divisor – Foto: Marcos Vicentti

Cachoeira Formosa – Foto: Marcos Vicentti

Cachoeira da Estátua – Foto: Marcos Vicentti

A força das águas do Buraco Central surpreende os turistas – Foto: arquivo pessoal

Cachoeira Pirapora I – Foto: Diego Gurgel

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O ex-deputado federal, Sibá Machado, gravou um vídeo polêmico onde fez um desabafo contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, o Juiz Sérgio Moro e o governador do Acre, Gladson Cameli. Sibá não perdeu a oportunidade de alfinetar o gestor em se tratando do escândalo de corrupção no qual para a Polícia Federal, Cameli é tido como o chefe de uma organização Criminosa que desviou quase R$ 1 bilhão de reais dos cofres públicos do Estado.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter: 3 de Julho Notícias

Youtube: 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook: 3 de Julho Notíci

Página do Instagram: 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA