Vídeo: Nem de quadriciclo dá para andar nas ruas de Feijó; esta Cidade está uma calamidade

Em Feijó um Internauta desabafa: O prefeito não passa por aqui para levar seu filho na escola!

Administrada pelo Prefeito Kiefer Cavalcante (PP), Feijó tem vivido dias obscuros, no que se refere a infraestrutura urbana da Cidade.

Desta vez um Internauta gravou um vídeo para mostrar sua indignação, por não ver sinais de melhorias na recuperação das vias do Município.

Administrada pelo Prefeito Progressista que faz parte do mesmo partido do Governador Gladson Cameli que a quase três mês de gestão, ainda não mostrou para que veio. O Prefeito kiefer está perdido em sua administração e Gladson tá pior ainda.

O senhor Gilberto Silva desafiou o Prefeito a passar pelo referido local (ao qual gravou o vídeo para fazer a denúncia), pois segundo ele os moradores do entorno não aguentam mais o sofrimento, tendo que transitar com crianças em direção a escola, seja de carro, moto e principalmente a pé.

Na verdade essa tem sido uma realidade de quase todas as cidades do Acre, infraestrutura urbana e falta de recursos para recuperação de suas ruas.

Tentamos contato com a Prefeitura para saber se existe planejamento definido, para que haja um trabalho no verão, mas não obtivemos sucesso.

Acompanhe o desabafo do morador pelo vídeo:

Por péssimas condições do ramal, mulher é carregada em rede por quase 7 horas em Cruzeiro do Sul

O caos tomou conta dos ramais de Cruzeiro do Sul, o ramal da Lua Clara fica dentro do ramal 3, é assim que se encontram quase todos o ramais que fica na cidade Cruzeirense.

O cúmulo do absurdo, uma senhora no qual não teve seu nome revelado foi carregada por quase 7 horas, para que pudesse receber atendimento do Samu, em Cruzeiro do Sul.

De acordo com informações, a mulher saiu da localidade conhecida por Lua Clara por vota das 11 horas da noite e chegou na beira do asfalto por volta das 6 horas da manhã. O ramal da Lua Clara fica dentro do Ramal 3, território pertencente ao município de Cruzeiro do Sul.

Não sabemos de quem é a competência para recuperação desses ramais, mesmo assim fazemos um apelo aos órgãos competentes para que arrume essa pouca vergonha.

É inadmissível que uma mãe de família passe por tal situação, além de doente ficar obrigada a ser trasportada em uma rede por falta de trafegabilidade nas estradas.

Por portaldojurua

Em Cruzeiro do Sul, Banco do Brasil continua humilhando clientes

Em Cruzeiro do Sul, os cidadãos que precisam dos serviços oferecidos pelo Banco do Brasil vivem reclamando de má prestação e transtornos por parte da instituição bancária.

Com duas agências na cidade o Banco do Brasil é o que tem maior número de clientes e nem por isso trata de adequar os serviços e muito menos oferecer melhorias, para atender bem aqueles que pagam altas taxas de manutenção das suas contas.

Falta de dinheiro nos caixas eletrônicos é sem dúvida o maior dos problemas, pois isso acontece quase que semanalmente e piora nos dias de pagamento das maiores instituições como: Governo do estado ou prefeitura Municipal.

Como pode uma instituição que lucra milhões as custas do povo dar esse retorno? Questiona Maria das Graças, que se diz indignada com a falta de respeito.

Na manhã desta quinta-feira por exemplo os terminais eletrônicos estão vazios, nas duas agências da cidade.

O Ministério Público, Câmara Municipal e os demais órgãos assistem tudo isso de braços cruzados, sem que nada tenha sido feito para enquadrar o Banco do Brasil.

Cruzeiro do Sul não tem PROCON e esse tipo de situação acaba passando despercebido, sem que as pessoas tenham seus direitos garantidos.

Ex-deputado Ney Amorim, o jogador reserva na seleção de Gladson Cameli

Quando uma equipe de futebol não vai bem, o mais comum é buscar novos reforços.

Essa analogia pode ser utilizada para esses quase três meses de governo de Gladson Cameli e Major Rocha, que assumiram no ataque e agora atuam na defesa, apesar de tão pouco tempo de gestão.

Com a desfiliação de Ney Amorim do PT, Gladson Cameli de pronto o convidou para reforçar a equipe, que carecia de um armador, aquele que faria as boas jogadas e porque não; marcar alguns golaços na política e articulação dentro do governo?

Mesmo já tendo nomeado o ex prefeito de Cruzeiro do Sul Vagner Sales na secretaria de articulação política, o governador instituiu uma segunda pasta para a mesma área, a de assuntos estratégicos, de que ninguém sabe.

Aos que apostavam na grande contratação, no Ney Amorim camisa 10 do governo Gladson Cameli perdeu aposta. Ney acabou despertando desconfiança aos aliados de Cameli, que não passaram a bola para que Ney armasse as boas jogadas e o mesmo tem tido atuação discreta a ponto de ir para o Banco de reservas.

O governo Gladson patina nas tomadas de decisões, não agrada aqueles que estavam otimistas e acaba a lua de mel com os eleitores em tempo recorde.

É um grande erro não dar protagonismo político para Ney, que dispõe de habilidade e capacidade política suficiente para ajudar a dar um rumo ao governo, que até aqui está perdido.

Faltam apenas 10 dias para os 100 de tolerância, e se continuar assim, teremos mais desgastes e confusões.

Para mim, a benção foi ter saído! Desabafa Rogério Wenceslau nas redes sociais

Em nota, o Ex “porta voz” do Governo Gladson não polpou palavras para desqualifica e sobretudo acusar o governo progressista do Riquinho do Juruá.

O Jornalista e ex-porta voz do Governo Gladson Cameli usou as redes sociais para desabafar sobre o que tem acontecido, onde em sua nota ele relata como as coisas estão sendo feitas dentro do Governo. Rogério foi exonerado do cargo do alto escalão recentemente, onde foi publicado na mídia.

Mas Rogério resolveu se posicionar sobre o assunto e explicar quais foram os reais motivos que levaram a exoneração dele, e sobretudo, afirmar que nunca foi Porta-Voz do Governo e que esse cargo não existe na Estrutura; na verdade não passa de uma atitude enganosa do atual Governo.   

Veja a Nota:

Olá meus amigos, agora que a imprensa já noticiou, todo mundo já comentou, e eu já fui julgado… é minha vez de falar.

Eu entrei nesse governo por mérito próprio, não por indicação de partido nem de político algum,(eu nem estou filiado a partido). O que me levou para o governo foi o meu sucesso profissional como jornalista, não devo nada a ninguém, a não ser satisfações ao contribuinte.

Vamos desmascarar esse governo logo de a vez, certo? Eu nunca fui “porta-voz” do governo. Esse cargo não existe na estrutura do governo. Me prometeram esse cargo, me enganaram. Depois me prometeram uma assessoria especial, me enganaram de novo. Depois me ofereceram uma diretoria, aí eu aceitei porque senão eu ia terminar sem nada.

Só me submeti a essa humilhação porque já tinha pedido demissão do meu antigo emprego, tenho família para sustentar, e também porque o governador me garantiu que ia corrigir isso, o que não fez, é claro.

Trabalhei quase um mês sem receber nada, e no mês que já estava nomeado, o salário que recebi como “diretor” foi metade do valor que me prometeram quando me chamaram para compor o governo como “porta-voz”.

Da parte do governo para comigo foi uma fraude em todos os sentidos. Mesmo assim, de minha parte, cumpri com minha obrigação, e o fiz com zelo e dedicação, como tudo que faço. Quem quiser confirmar pergunte aos repórteres com quem eu conversava todos os dias.

Apesar de estar no alto escalão do governo, não concordava com os erros e trapalhadas que a sociedade está assistindo, atônita, desde o início. Bati de frente com aqueles de dentro do governo que tem interesses particulares e tentam manobrar as coisas em benefício próprio.

Também bati de frente com os de fora, que também tem interesses escusos, e tentam barganhar através de chantagem. Isso fez de mim uma ameaça ambulante para muitos, e desagradou o governador, por isso ele me exonerou.

É um governo fraco, confuso, sem rumo, que ainda não mostrou a que veio, e se continuar assim vai ser um fracasso completo. Este governo está cheio de incoerência, deslealdade entre os que o compõe, e principalmente, está cheio de gente despreparada para os cargos que ocupam. O resultado é que as coisas no Acre, no que depende do governo, atualmente estão piorando ao invés de melhorar, alguém duvida?

Tudo que diz respeito ao governo é do interesse público, e qualquer um de seus servidores tem a obrigação legal e o dever moral de defender as práticas republicanas. Falando em nome do governo jamais iria compactuar com qualquer coisa que minha consciência desaprovasse.

Sempre agi pensando no interesse coletivo, paguei o preço. Saio limpo e de cabeça erguida, como em todos os desafios que enfrentei até hoje.

Lamento que este governo tenha começado no rastro do que o antecedeu, fingindo, enganando e maltratando a população. Eu sou prova viva disso! Não falo só por mim, observem tudo o que está acontecendo e vão me dar razão. Uma coisa que começa errada não tem como terminar certa, e isso nada tem a ver com “ainda está no começo”, só um tolo não enxerga!

Em defesa deles, vão dizer que eu só falo isso agora porque fui exonerado. Mais é o contrário, eu só fui exonerado porque essa sempre foi minha opinião, e não vai mudar por causa de salário, cargo, ou para agradar o governador ou quem quer que seja.

Por último, antes de decidirem por me exonerar, me ofereceram uma SEC 7, para eu deixar de ser o “porta-voz” e ficar quieto, parar de incomoda-los, ou constrange- los. Eu fiquei com vergonha alheia nessa ocasião. Eles realmente não me conhecem…

Graças a Deus fui exonerado, para mim a benção, nesse caso, foi ter saído, ao invés te ter ficado. Se tiver mais algum destemido como eu, que zela pelo nome e a reputação que tem, vai pedir para sair ou dar um jeito de ser exonerado, porque o ambiente é caótico e moralmente insalubre.

Eu não preciso disso para viver! Enquanto lá estive fui muito boicotado, e ajudado também por alguns, poucos, a quem sou grato. No governo incomodei muita gente sem escrúpulos, aqui fora, como jornalista, vou incomodar muito mais.

Rogério Wenceslau

Gladson, o Governo que não é do Pró Saúde: A solução dos problemas na Saúde estariam na Terceirização?

Sem dúvida alguma a saúde pública é hoje, um dos maiores gargalos de qualquer gestor.

Em tempos de PEC dos gastos públicos que congelaram investimentos em diversos setores da administração e a saúde foi uma das tais, cabe aos entes governamentais fazer mais esforços e colocar ainda mais o braço do estado nas áreas mais delicadas e prioritárias de interesse do povo.

Assim como na maioria dos Estados a saúde do Acre atravessa momentos de crise e o caos está instalado, desde problemas com servidores que vivem a incerteza de seu futuro profissional, no caso o Pró Saúde, a sucateamento do sistema como todo.

Na gestão anterior uma proposta de terceirizar o Hospital de Urgência e emergência de Rio Branco foi posta em pauta no final do governo Tião Viana do PT, que apontava a medida como desvio da burocracia e possibilidades de melhoria dos serviços ofertados.

A oposição da época; hoje Situação esperneou e chamou grandes manifestações, apoiada pelos sindicatos da categoria, rechacando a proposta que segundo os mesmo, deixaria o estado sem a responsabilidade fim daquilo que é direito constitucional do povo.

O Sintesac apontava desvalorização dos trabalhadores, ausência de concursos e cabide de empregos, com direcionamento de indicados por influentes do governo.

Passado a gestão petista, os problemas na Saúde continuam e em algumas áreas pioraram, como por exemplo o atendimento nas Unidades de Pronto atendimento – UPAS.

Acoado e sem achar uma Saída para aquilo que chamou de falta de Gestão, o governador do estado Gladson Cameli busca justamente a TERCEIRIZAÇÃO de algumas unidades como alternativa.

HUERB, Hospital Regional de Brasiléia e as UPAS estariam na lista do plano.

Embora segue que esteja definido, o secretário de estado de Saúde Alysson Bestene viajou para Brasília, onde conhecerá a estrutura de unidades administradas por empresas.

A ideia seria iniciar um debate e de Pronto levar o projeto para Assembléia legislativa do estado – ALEAC, onde certamente terá muitos questionamentos.

O mais intrigante nessa história será assistir os parlamentares que criminalizavam a ideia de terceirizar a saúde, serem os primeiros a defender.

O certo é que o povo clama por saúde e terceirizada ou não, cabe ao governador mostrar aquilo que mais prometeu fazer, Gestão!

A solução dos problemas na Saúde estariam na Terceirização?

Sem dúvida alguma a saúde pública é hoje, um dos maiores gargalos de qualquer gestor.

Em tempos de PEC dos gastos públicos que congelaram investimentos em diversos setores da administração e a saúde foi uma das tais, cabe aos entes governamentais fazer mais esforços e colocar ainda mais o braço do estado nas áreas mais delicadas e prioritárias de interesse do povo.

Assim como na maioria dos Estados a saúde do Acre atravessa momentos de crise e o caos está instalado, desde problemas com servidores que vivem a incerteza de seu futuro profissional, no caso o Pró Saúde, a sucateamento do sistema como todo.

Na gestão anterior uma proposta de terceirizar o Hospital de Urgência e emergência de Rio Branco foi posta em pauta no final do governo Tião Viana do PT, que apontava a medida como desvio da burocracia e possibilidades de melhoria dos serviços ofertados.

A oposição da época; hoje Situação esperneou e chamou grandes manifestações, apoiada pelos sindicatos da categoria, rechaçando a proposta que segundo os mesmo, deixaria o estado sem a responsabilidade fim daquilo que é direito constitucional do povo.

O Sintesac apontava desvalorização dos trabalhadores, ausência de concursos e cabide de empregos, com direcionamento de indicados por influentes do governo.

Passado a gestão petista, os problemas na Saúde continuam e em algumas áreas pioraram, como por exemplo o atendimento nas Unidades de Pronto atendimento – UPAS.

Acoado e sem achar uma Saída para aquilo que chamou de falta de Gestão, o governador do estado Gladson Cameli busca justamente a terceirização de algumas unidades como alternativa.

Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB), Hospital Regional Wilde Viana de Brasiléia e as UPAS estariam na lista do plano.

Embora segue que esteja definido, o secretário de estado de Saúde Alysson Bestene viajou para Brasília, onde conhecerá a estrutura de unidades administradas por empresas.

A ideia seria iniciar um debate e de Pronto levar o projeto para Assembléia legislativa do estado (ALEAC), onde certamente terá muitos questionamentos.

O mais intrigante nessa história será assistir os parlamentares que criminalizavam a ideia de terceirizar a saúde, serem os primeiros a defender. O certo é que o povo clama por saúde e terceirizada ou não, cabe ao governador mostrar aquilo que mais prometeu fazer, Gestão!

Prefeito Gedeon Barros abandona Educação e as ruas de Plácido de Castro

Esta semana, o Vereador Márcio Heleno do PSL protocolou uma denúncia no MPE, para denunciar a situação.

Não é de hoje que o Prefeito do Município de Plácido de Castro, Gedeon de Souza Barros, (PSDB), vem ” relaxando” quanto a forma de bem cuidar do sistema educacional Municipal, de todas as áreas do município e isso se comprova dezenas de denúncias feitas por membros das Comunidades escolares; país, alunos e até funcionários municipais que trabalham nos setores de ensino do Município, constantemente estão usando as redes e também acionando os Vereadores no objetivo de reclamarem e apontarem as graves falhas cometidas pelo Prefeito do Município, que dedica pouca atenção pelo setor de ensino.

“Não podemos simplesmente ver nossos filhos correr o risco de morte e simplesmente ficarmos calados; o Prefeito Gedeon, tem a obrigação de manter os ônibus bem cuidados afinal de contas sabemos que há recursos financeiros a serem gastos com as manutenções adequadas dos transportes públicos utilizados para transportar as crianças, é inaceitável ver os ônibus em total sucateamento, conforme o que se comprova via fotos em anexo.” Protesta a mãe de um dos alunos que vivem no km 14 da rodovia interestadual Acre 475.

Enfim, é importante frisar que os Vereadores do Município tem levado as denúncias relatadas e devidamente comprovadas pelos país, funcionários e pelos alunos ao Plenário da Câmara Municipal, e mesmo diante de tantas reclamações segundo os denunciantes, o Chefe do Executivo e demais responsáveis pelo ensino do Municipal pouco tem feito no objetivo amenizar e solucionar os graves problemas que afligem os alunos que dependem e precisam de um transporte público municipal de qualidade.

Enfim, é importante frisar que mesmo diante desse descaso e má gerenciamento do ensino Municipal, o grupo político chefiado pelo Prefeito Gedeon Barros, fez questão exigir do novo governador: Gladson Cameli, o total controle do sistema estadual de ensino no Município. Fica esperto nobre governador Gladson Cameli!! Todo esse fiasco pode ser transferido para sua Gestão.

Além do grande descaso com a Educação de Plácido, o Prefeito tem aberto mão de cuidar bem do município no geral como por exemplo a coleta de lixo, manutenção e recuperação das ruas, trabalhos de capinas, iluminação pública e muitos outros problemas.

Segundo o morador da cidade que nos fez a denúncia, senhor Charqueiro, além da educação existem outras tantas ações da prefeitura que estão totalmente abandonas e deixadas para trás, como melhorias de ramais, apoio aos produtores e a melhoria da infraestrutura urbana da cidade, que se encontra um caos.

Agentes Penitenciários que deveriam está se tratando estão Trabalhando, denuncia sindicalista

O suicídio cometido pelo agente penitenciário Marcelo, desencadeou o debate acerca dos problemas do sistema prisional no Acre.

Na tarde de de terça-feira dia 11, marcela efetuou um disparo contra sua própria vida, enquanto tirava serviço na passarela do presídio de segurança Máxima, Francisco de Oliveira Conde na cidade de Rio Branco.

O acontecimento chocou os colegas de profissão, que lamentaram a tragédia e demonstraram o descaso do IAPEN – Instituto de Administração Penitenciária do Acre, que segundo denúncia de muitos agentes ignora o barril de pólvora que se encontram as unidades prisionais do estado.

Em entrevista ao Programa Ecoar, que foi ao ar na tarde desta quarta-feira dia 13 na Rádio Ecoacre FM, o Presidente da Associação dos servidores do sistema prisional do Acre – ASSESP, Agente Azevedo fez inúmeras denúncias contra administração.

Segundo relatou o representante da categoria, além das condições precárias de trabalho em que estão, os agentes trabalham sobre pressão da presidência do IAPEN que na busca suprir as deficiências do sistema de maneira equivocada.

Somos seres humanos e precisamos está bem para o trabalho, muitos colegas estão doentes e enfrentando diversos problemas psicológicos e até de dependência, o que precisa ser encarado com atenção e acompanhamento do estado desabafa Azevedo, que lamenta a pouca importância dada pelo IAPEN.

O líder sindical fez uma grave denúncia contra a instituição, pois segundo o mesmo o Agente que se suicidou, passava por tratamentos ocasionados pelo Álcool, tendo inclusive comprovação de laudos clínicos que não foram levados em consideração pela presidência.

É inadmissível que uma pessoa com tais problemas passar manusear uma arma de Grosso Calibre, no maior presídio do estado, indaga Azevedo que vai além nas denúncias. Assim como Marcelo outros agentes estão no limite e mesmo assim não são afastados das funções para se tratarem, será que vão aguardar por mais tragédias? Finaliza indignado.

A categoria marcou para quinta feira uma assembléia, onde irão externar suas dificuldades e reivindicações. Também será entregue uma carta aberta ao governador Gladson Cameli, onde apresentarão propostas de melhorias no sistema, a curto, médio e longo prazo.

Azevedo questiona a falta de diálogo do novo diretor do IAPEN, Lucas Gomes com a categoria, o que eleva ainda mais o desgaste interno.

Transtornos e Humilhação marcam a lotação dos Professores aprovados no Concurso da SEE

Vários candidatos denunciaram pelas redes Sociais e até mesmo em meios de comunicações, as situações de descasos e até humilhações sofridas por alguns membros da equipe da SEE.

Depois de muita polêmica e até um grande ato na frente da Casa Civil, realizado pelos Sinteac e Simpro, o governo voltou atrás e resolveu fazer a convocação da forma como o movimento defendia, ordem de classificação.

Mesmo decidindo de acordo com a coerência, a Secretaria de Estado de Educação sequer soltou um calendário prévio de lotação, definindo os métodos e detalhes, afinal se trata de mais de 4 mil profissionais entre professores, educadores especiais e cuidadores.

Sem nota de chamamento ou orientação os aprovados se dirigiram aos locais marcados, sendo as escolas: José Ribamar Batista – EJORB que fica localizada na Baixada da Sobral e IEL – Instituto de Educação Lourenço Filho, situado no Bosque, estes os locais com bastante problemas e transtornos.

Uma professora afirma que na escola Lourenço Filho, o responsável pela organização era um senhor chamado: Jucélio. Ela afirma que muita gente chegou às 07: 00 horas e depois de muita confusão, desorganização e falta de ao menos esclarecimentos, o senhor Jucélio informou que não teria mais lotação, que somente no dia seguinte, isso já eram 19: 00 da noite.

Ao tentar contestar a decisão a professora afirma que o mesmo foi debochado e ignorante, afirmando que estaria ali fazendo um favor e que nem da Educação era.

Para aumentar a humilhação o senhor olhou para a mesma e perguntou, ‘ Vá Para sua Casa Curtir Seu Feriado, para que essa euforia toda para ganhar 2 mil reais?

A denunciante nos conta que sentiu vontade de chorar e sair dali, pois nunca imaginou que seriam tão maltratados, por um governo que chegou ao poder prometendo mudanças.

Tentamos contato com o secretário de Educação: Professor Mauro, mas não obtivemos sucesso.