Amazônia

Desmatamento na Amazônia tem a maior taxa em 15 anos, os número do estado chama a atenção

Publicados

Amazônia

Esse é o maior número desde o ano de 2006 segundo as medições dos satélites do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal – Foto: Reprodução

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), órgão do governo federal, anunciou nesta quinta-feira (18/11) que a taxa de desmatamento na Amazônia Legal Brasileira teve um aumento de 21,97% em um ano. O valor de corte raso foi estimado em 13.235 km² no período entre 1° de agosto de 2020 e 31 de julho de 2021. Esse é o maior número desde o ano de 2006 segundo as medições dos satélites do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes).

A maior variação percentual entre os 9 estados da Amazônia Legal foi no Amapá, com 62,5%, que passou de 24 km² desmatados para 39 km². Mas, proporcionalmente, o aumento mais expressivo foi no Amazonas: variação de 55,22%, com área total derrubada de 2.347 km² em um ano. O levantamento é preliminar e será confirmado no primeiro semestre de 2022.

Na COP26, a conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, o Brasil assinou um acordo sobre florestas que prevê zerar o desmatamento até 2030.

Suely Araujo, especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima e ex-presidente do Ibama, observa que “o Amazonas passou Mato Grosso, que tradicionalmente fica à frente. Há alguns tem se intensificado o desmatamento no sul do Amazonas. É uma espécie de área sem lei, sem dono, sem governo. O número do estado chama a atenção porque quase tudo está concentrado nessa região sul”.

Araujo também destaca o índice alto no Pará (5.257 km²), Estado que permanece em primeiro lugar na lista e é responsável por quase 40% do desmatamento na Amazônia Legal, além de índices expressivos em Roraima (386 km²), onde ela cita problemas com a indústria madeireira local.

Leia Também:  Filme premiado em Sundance, sobre luta do povo indígena Uru-Eu-Wau-Wau na Amazônia ganha traile

Compromissos do Brasil na COP26

Na cúpula realizada em Glasgow no começo deste mês, perguntado pela BBC News Brasil se o governo reconhece erros na política ambiental, o ministro Joaquim Leite se limitou a responder que o “desmatamento é um desafio” e que “todos os países têm desafios” na área do meio ambiente.

Leite também não respondeu se o governo vai retirar apoio a uma série de projetos de lei no Congresso que prejudicam compromissos de redução do desmatamento assumidos pelo Brasil na COP26.

Uma das propostas é o PL 191/20, de autoria do governo Bolsonaro, que autoriza mineração em terras indígenas; uma outra é o PL 510/21, que regulariza invasões ilegais de terras ocorridas até 2011; e o PL 490/2007, do chamado “Marco Temporal”, só permite demarcação de terras ocupadas por povos indígenas até 1988.

“O governo vai atuar para incentivar uma nova economia verde. Mineração, quando bem feita, pode proteger florestas. Você pega vários exemplos de mineração sustentável em que não existe desmatamento ilegal. Tem projetos de mineração que protegem floresta”, disse o ministro do Meio Ambiente.

A associação de produtos do agronegócio brasileiro ao desmatamento já estaria prejudicando negócios no exterior. O Itamaraty atua para convencer o governo de que uma guinada na visão ambiental seria necessária para viabilizar parcerias econômicas internacionais, como o acordo de comércio entre Mercosul e União Europeia.

Área disponível para desmatamento

Segundo um estudo da organização WWF (World Wide Fund for Nature), 70 milhões de hectares estão “disponíveis” hoje no Brasil para desmatamento de forma legal.

Se essas áreas forem destruídas, haverá o lançamento adicional de 5,8 bilhões de toneladas de CO2, o que colocaria em xeque a meta assumida pelo Brasil na cúpula do clima de reduzir em 50% suas emissões de gases do efeito estufa até 2030, na comparação com 2005.

Leia Também:  Raimundão, uma das lideranças que lutou pelos extrativistas e pela floresta ao lado de Chico Mendes

A pesquisa mostra ainda que 3,25 milhões de hectares de florestas, que armazenam 152,8 milhões de toneladas de CO2, estão atualmente sob forte pressão de serem exploradas para agropecuária, por estarem próximas a estruturas de transporte e armazenamento de grãos.

Esses territórios, diz a WWF, muito possivelmente serão desmatados até 2025, se não houver um compromisso de zerar a destruição de florestas. Veja mais no Correio Braziliense

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: “Nós não podemos nos curvar diante disso [possível interferência de Bolsonaro no INEP]. Por isso que estamos tomando todas as medidas cabíveis para que o INEP seja preservado, sobretudo, a juventude brasileira, que precisa que o Enem seja realizado com muita lisura”, disse Leo de Brito durante entrevista coletiva, no salão verde da Câmara dos Deputados. A coletiva reuniu os líderes da oposição ao governo Bolsonaro para anunciar ações de proteção ao Enem, entre elas, o afastamento do presidente do INEP, acusado de assédio moral.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Amazônia

A exuberância das águas coloridas do Juruá: Os ricos mananciais, inúmeros açudes e igarapés no Acre

Publicados

em

Os ricos mananciais, inúmeros açudes e igarapés com tons de águas esverdeados, azulados, águas pretas e amareladas são uma atração à parte desse lugar – Fotos: Marcos Vicentti

Planeta Amazônia – Com um caiaque na bagagem pode-se realizar uma das viagens mais lindas pelo interior do Acre, para explorar os principais balneários da região de Cruzeiro do Sul, distante da capital Rio Branco 680km, com potencial de turismo ecológico em crescimento, atraindo a cada ano mais visitantes.

Os ricos mananciais, inúmeros açudes e igarapés com tons de águas esverdeados, azulados, águas pretas e amareladas são uma atração à parte desse lugar.

As opções de lazer são variadas: navegar pelo Rio Juruá e explorar as belezas do lugar, como praias de água doce, fotografar os botos que dançam na frente dos pescadores ou conhecer a árvore chamada de “apuí banho de inverno” – que tem esse nome porque, quando acontece a cheia do rio, os meninos da região aproveitam para saltar de seus altos galhos e brincar no local.

Nas margens do rio rico em peixes encontramos João Francisco, pescador sorridente com seu peixe na mão, exibido como um troféu – Fotos: Marcos Vicentti

Das águas do Juruá sai o sustento de muitas famílias; nas margens do rio rico em peixes, encontramos João Francisco, pescador sorridente, com seu peixe na mão, exibido como um troféu.

Na travessia das catraias encontramos seu Manoel de Souza, um pescador que hoje é catraieiro e oferece alguns passeios pelo rio, sempre contando belas histórias, guiando para um lugar conhecido como “boca do Rio Moa”, uma comunidade com vários pescadores e praias belas no meio do rio.

Manoel de Souza, pescador que hoje é catraieiro e oferece alguns passeios pelo rio, sempre contando belas histórias, guiando para um lugar conhecido como “boca do Rio Moa” – Fotos: Marcos Vicentti

A comunidade do Rio Croa é um dos atrativos do Juruá que ganham popularidade a cada ano que passa.

O acesso à localidade se dá pela estrada da BR-364, a pouco mais de 20km de Cruzeiro do Sul (indo para Rio Branco), e é possível passar ali o dia todo, ou mesmo se organizar para dormir, negociando previamente com os moradores que já disponibilizam essa opção.

Leia Também:  Acre tem aumento no número de mortes e queda nos registros de nascimento

A Comunidade do Rio Croa é um dos atrativos do Juruá que ganha popularidade a cada ano que passa. O acesso à comunidade Rio Croa se dá pela estrada da BR-364, a pouco mais de 20km de Cruzeiro do Sul, indo para Rio Branco – Fotos: Marcos Vicentti

Atualmente, a comunidade já voltou a receber visitantes, e o turismo está se tornando uma fonte de renda aos moradores do Rio Croa, fazendo surgir opções de trabalho na oferta do transporte de catraia, restaurante, guiamento e hospedagem.

O grande atrativo natural é o fenômeno do “tapete verde”, formado pela vegetação sobre as águas do rio, além das belíssimas vitórias-régias, e também as imponentes sumaúmas que há na floresta do entorno do rio.

A formação do “tapete verde” fica mais exuberante no verão amazônico, de junho a novembro – Fotos: Marcos Vicentti

O Balneário do João Machado é também uma das mais conhecidas e frequentadas áreas de atrativo natural voltadas ao turismo de lazer em Cruzeiro do Sul.

A propriedade é da família Machado e é aberta ao público há mais de dez anos. O espaço é equipado com quiosques espalhados pelo ambiente, churrasqueiras e restaurante com oferta de comida regional. Um amplo ambiente sombreado pelos buritis.

Balneário do João Machado é também uma das mais conhecidas e frequentadas áreas de atrativo natural voltadas ao turismo de lazer em Cruzeiro do Sul – Fotos: Marcos Vicentti

A estrada de acesso é o caminho para o Deracre em Cruzeiro do Sul, via Comunidade Japãozinho, a cerca de 30km do centro da cidade, onde o ramal é trafegável também para carros de passeio, motocicletas e bicicletas.

O balneário Banho da Alegria, do seu Antônio Roque, é também um espaço familiar, aberto  a todos os visitantes que chegam à “Princesa do Juruá” – cognome afetivo da cidade de Cruzeiro do Sul. O espaço conta com quiosques ao redor do açude, restaurante com comida regional, boias para flutuação, espaço para camping e um amplo estacionamento.

Está localizado na Vila São Pedro, a 500m da Escola Maria de Nazaré Santiago, na zona rural de Cruzeiro do Sul. O acesso é possível para todos os tipos de veículos.

Balneário Banho da Alegria, do seu Antônio Roque, é também um espaço familiar, aberto a todos os visitantes que chegam à “Princesa do Juruá” – Fotos: Marcos Vicentti

Leia Também:  Maior campeão acreano, Rio Branco-AC tem pior campanha da história na era profissional

No Sitio Recanto das Águas, localizado no Ramal Jabutirana, distante de Cruzeiro do Sul 28km, o turista encontra dois belos açudes com águas em tons esverdeados, de propriedade de João Macapá, um ex-seringueiro que teve a ideia de fazer um açude para criar peixe e ficou surpreso com a cor da água. A estrada que dá acesso a esse paraíso está toda asfaltada, permitindo acesso fácil.

No local, os estudantes de Medicina Iago Bessa e Ana Beatriz estavam conhecendo o lugar juntamente com familiares. “É a primeira vez que visito a região do Juruá e estou encantando com todas as belezas naturais. Com certeza irei voltar outras vezes”, planeja o estudante.

No local, os estudantes Iago Bessa e Ana Beatriz conheciam o lugar juntamente com familiares. A estrada que dá acesso a esse paraíso está toda asfaltada, permitindo acesso fácil – Fotos: Marcos Vicentti

Já o Igarapé Preto desperta a atenção de quem visita Cruzeiro do Sul. Um dos balneários localizados ao longo do curso do igarapé fica bem próximo ao Aeroporto Internacional, sendo o cartão de visitas da cidade. Além de escura, a água é bem mais fria do que de todos os outros mananciais da região de floresta do Vale do Juruá.

O recanto é bastante visitado por turistas e moradores locais que buscam se refrescar, principalmente no período de verão amazônico, quando a temperatura chega aos 38 graus.

Informações turísticas:

Passeio no Rio Croa: A área turística do Rio Croa tem sua entrada localizada na BR-364, no quilômetro 17, no sentido Cruzeiro do Sul-Rio Branco. O espaço funciona todos os dias, com duas pousadas e três restaurantes sob agendamento prévio.

Os pagamentos dos passeios de catraia e os outros serviços são realizados apenas em espécie.

(68) 98412-8780, (68) 99612-3009 e (68) 98428-5328

Restaurante Croa Sabor e Lenha: (68) 99924.2783 – Damiana

Barqueiro do Croa: (68) 99233.3958 – José

Passeio no Rio Juruá: barqueiro Manoel de Souza: (68) 99609.0790

Passeio Recanto das Águas – João Macapá;(68) 99223.8439

O Igarapé Preto desperta a atenção de quem visita o município de Cruzeiro do Sul – Fotos: Marcos Vicentti

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

POLÍTICA

POLÍCIA

EDUCAÇÃO

CONCURSO

ESPORTE

MAIS LIDAS DA SEMANA