Mais de 100 acidentes foram registrados em rios do Acre neste ano

Autoconfiança é um dos fatores que interfere nos cuidados ao navegar, alerta major. Em 2017, foram 136 ocorrências registradas pelos Bombeiros.

Os rios são essenciais para muitas comunidades ribeirinhas do estado e se tornam o principal meio de locomoção em alguns locais. Porém, muitas vezes, os navegantes acabam esquecendo dos riscos que as águas podem oferecer, tendo em vista que uma embarcação é um veículo como qualquer outro que precisa de cautela ao ser conduzido.

O Corpo de Bombeiros divulgou, nesta terça-feira (6), que foram registrados 105 acidentes envolvendo embarcações nos rios do estado somente este ano – desses casos, cerca de 15% acabaram em mortes, o que equivale a quase 16 óbitos.

Em 2017, 136 ocorrências foram registradas. Os principais acidentes são de colisão entre embarcações ou em barrancos e bancos de areia que ocasionaram naufrágios; acidentes em embarcações com perda de bens (especialmente o motor da embarcação); quedas de pessoas das embarcações nos rios; naufrágios por ancoragens deficitárias e incêndios.

A maioria desses acidentes são no interior do Acre. Especialmente nos municípios de Feijó, Tarauacá, Sena Madureira e Cruzeiro do Sul, no Vale do Juruá.

“Das ocorrências, temos um percentual entre 12% a 15% de mortes. O que recomendamos é jamais navegar à noite em locais desconhecidos. É necessário também usar as margens do rio e não navegar no meio, porque muitos usam o meio do rio para economizar combustível, mas isso gera um risco muito grande”, alerta o major do Corpo de Bombeiros Cláudio Falcão.

Outro grande problema é a ingestão de bebida alcoólica por quem está conduzindo a embarcação. O major lembra que estar familiarizado com o rio não garante que um acidente não aconteça.

“A autoconfiança é uma das principais causas. As pessoas que têm hábito de pilotar embarcação estão sujeitas a acidentes graves e menos graves. Há também aqueles que ancoram a embarcação durante a noite, que é quando há um aumento no nível do rio, então, há muito perdas de motores. O que acontece também quando há uma falta de amarração e fixação melhor da embarcação”, orienta.

Quando um motor se perde no rio, os bombeiros fazem mergulho e, na maioria dos casos, consegue recuperar o bem, mas o major destaca que seguindo alguns cuidados muitos transtornos acabam sendo evitados. Outro dica importante é que se amarre uma boia no motor para que, caso ele se solte, possa ser localizado facilmente.

A orientação é evitar bebidas alcoólicas e usar Equipamento de Proteção Individual (EPIs), principalmente o colete salva-vidas. “Toda e qualquer pessoa deve vestir o colete salva-vidas, principalmente as crianças que são transportadas nessas embarcações”, acrescenta Falcão.

Outra dica é evitar transportar material inflamado dentro dos barcos, o que pode causar explosões.

Plantão 3 de Julho Notícias 15ª Edição

Veja neste Vídeo: Colono desaparecido dentro da selva é localizado vivo cerca de 11 dias depois. Uma grande operação realizada por quase cinco dias, envolvendo homens dos Bombeiros, Polícia Militar e Exército Brasileiro, obteve êxito com apoio de moradores das comunidades do Guanabara e Icuriã, em localizar o colono Pedro Soares, de 49 anos, que havia saído de casa para caçar e não mais retornou.

Por Tácita Muniz , G1 Acre

Esta notícia está na categoria Geral. Marcar o link.