Parceria entre governo, Peixes da Amazônia e Embrapa viabiliza produção de ração para pirarucu

O diretor-presidente da Peixes comemorou a parceria: “Foi uma articulação muito importante para nós.

Da Assessoria

“Temos um desafio enorme, porque nós temos talvez a melhor carne de peixe de água doce do mundo, que é o pirarucu, mas com a fragilidade da ração. Agora temos a decisão de uma parceria que vai gerar um produto da melhor qualidade em um ano, dando novo encorajamento e impulso à aquicultura no Acre e a partir daí teremos grande escala de expansão para o Brasil”, destacou o governador Tião Viana, sobre a consolidação de uma parceria entre governo, Peixes da Amazônia, Embrapa Pesca e Aquicultura de Tocantins e Embrapa Acre.

Acompanhado pelo chefe-geral da Embrapa Acre, Eufran Amaral, e do chefe-geral da Embrapa no Tocantins, Alexandre de Freitas, o diretor-presidente do Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia, Inácio Moreira, esteve no Gabinete Civil nesta terça-feira, 25, para apresentar a proposta de termo de cooperação para experimentos com a ração para o pirarucu com viabilidade de resultados.

A parceria prevê que dentro de um ano a Embrapa realize a transferência de tecnologia, de modo que se promovam experimentos com a ração já existente e fases de testes em áreas de campo até que se chegue a um produto que leve o selo de qualidade da instituição a nível nacional.

Eufran Amaral resumiu a importância da qualificação do produto para o Acre: “Isso é bom para o estado que garante um produto de qualidade, para a Embrapa que transfere a sua tecnologia e bom para a sociedade acreana, que consegue avançar nessa cadeia produtiva”.

Por ser especialista na área, a Embrapa Tocantins deve desenvolver junto à Peixes da Amazônia sua expertise para subsidiar o fortalecimento da piscicultura por meio da inovação. “Transferir e agregar tecnologia para tornar os cultivos mais rentáveis é o grande objetivo, primeiro por se tratar da espécie do pirarucu e depois pela natureza da Peixes da Amazônia, que tem esse cunho que envolve o público, o privado e o comunitário na sua formatação”, informou Alexandre.

O diretor-presidente da Peixes comemorou a parceria: “Foi uma articulação muito importante para nós, que vamos compartilhar nossas experiências e teremos à nossa disposição toda a parte técnica e laboratórios da Embrapa para avaliar biometria, impactos e outros aspectos. Isso nos representará, sobretudo, agregação de valor e abertura de novos mercados”, conclui Inácio.

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.