Indígena tenta matar o próprio primo em aldeia de Cruzeiro do Sul

Cacique diz que suspeito está enfrentando problemas psicológicos. Vítima teve que passar por cirurgia.

O indígena Marcos Cruz, de 21 anos, foi atingido com uma faca na região lombar na manhã deste domingo (23), na Aldeia Katukina, e foi levado ao Pronto-Socorro de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, onde teve que ser submetido a uma cirurgia de emergência.

O acusado da tentativa de homicídio, Márcio de Souza, de 22 anos, é primo da vítima e, de acordo com lideranças da comunidade, sofre de problemas mentais.

A tentativa de homicídio ocorreu às 7h deste domingo (23) na casa da própria vítima. Segundo o cacique da Aldeia, Fernando Katukina, Cruz estava escovando os dentes logo que despertou pela manhã e, sem motivo aparente, foi surpreendido por seu primo que mora na casa ao lado.

“Sem motivo. O rapaz estava até escovando os dentes de manhã cedo e ele foi por trás e meteu a faca no rapaz”, contou o cacique.

O jovem que levou a facada foi conduzido ao Pronto-Socorro pelo cacique e teve que passar por uma cirurgia de emergência ainda durante a noite de domingo. Segundo o líder Katukina, a vítima teve o pulmão perfurado.

Até a manhã desta segunda-feira (24), Cruz permanece internado na clínica cirúrgica do Hospital do Juruá.

O autor da tentativa de homicídio foi detido pelo cacique e ficou durante a manhã de domingo na casa de Fernando. No entanto, devido á ameaças por parte um grupo de integrantes da aldeia, Souza foi transferido para outra comunidade. Nesta segunda-feira (24), o cacique compareceu a delegacia de Polícia Civil para informar do ocorrido.

O líder da aldeia também prestou queixa na Fundação Nacional do Índio (Funai) e na Polícia Federal. Às 10h desta segunda, uma equipe de agentes federais se deslocou com o representante da Funai, Luiz Souza, para a aldeia que fica na BR-364, a 90 quilômetros da cidade, com objetivo de conduzir o acusado até a delegacia.

Segundo Fernando Katukina, o autor da tentativa homicídio há algum tempo já demonstrava um comportamento agressivo na comunidade por ser um indígena que tem problemas psicológicos. Souza é paciente do Centro de Atendimento Psicossocial e toma medicação controlada há mais de um ano.

“Ele tem problema mental e faz tempo que toma remédio controlado. Faz tratamento, mas parece que o remédio não faz mais efeito. Já tentou matar até seus irmãos pequenos e a mãe dele e já tentou agredir quase todos da comunidade”, revelou o cacique.

Do G1 Acre

Esta notícia está na categoria Geral. Marcar o link.