Prefeito de Cruzeiro do Sul viaja e deixa irmã sem nomeação respondendo pela prefeitura

Um observado político disse que no Vale do Juruá o estado democrático de direito ainda não tinha chegado.

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderley Cordeiro (MDB), que o diga. Ele é o protagonizador do maior estupro institucional na história republicana brasileira: o alcaide viajou e deixou a sua irmã, Idelcleide Cordeiro, respondendo por todas as ações da instituição, embora ela não tenha sido eleita ou nomeada.

A nossa reportagem foi à sede da prefeitura e comprovou que Ildecleide estava despachando na sala do prefeito. Comentava-se nos corredores que ela teria ido de sala em sala avisando de sua presença. “O prefeito é um tosco, mas a irmã dele já foi superintendente do extinto Ibama, o que, a meu ver, formou-se um conluio familiar para dilapidar o patrimônio público, declarou um vereador da base do prefeito, que preferiu o anonimato.

Uma vez que o vice-prefeito Zequinha Lima também está ausente do município, o natural prefeito seria o presidente da Câmara de Vereadores Romário Tavares (PMDB). A nossa reportagem fez uma verdadeira peregrinação, mas não encontramos o parlamentar para fala sobre o assunto.

Comunicado sobre o episódio, o procurador jurídico, Jhonatas Donadoni, disse que estava em audiência e não poderia falar com a reportagem. Procuramos ainda o também procurador Carlos Moreira, que, de tão inusitado ser o fato, pensou que se tratava de um trote. “Eu estou surpreso. Isso é algo inadmissível”, declarou.

O jurista José Wilson Leão disse que no artigo I, parágrafo único da Constituição Federal, traz uma seguinte redação: todo poder emana do povo e seu nome será exercido através de representantes eleitos ou diretamente nos ternos desta constituição, ou seja, só pode assumir cargos quem foi eleito. “Isso é uma aberração jurídico-administrativa que nunca existiu no Brasil”, declarou o Leão, para quem o prefeito está terceirizando as suas atribuições.

O outro lado

Diante da repercussão negativa da notícia, o prefeito entrou em contato com a reportagem e negou o fato. “O prefeito em exercício é o presidente da Câmara Romário Tavares”, enfatizou. Recebemos um ato administrativo, escrito à mão, no qual existem as assinaturas do secretário de Ilson Lourenço, de Romário Tavares e do prefeito Ilderlei cordeiro. Este último sem a assinatura.

Por Jorge Natal – O Juruá em Tempo

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.