Empresa da família Cameli se livra de pagar R$ 36 milhões por danos em terra indígena

A informação foi divulgada na edição deste domingo (20) do jornal “Folha de São Paulo”, que trouxe reportagem especial sobre o povo Ashaninka. 

Por Fabio Pontes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), proferiu na semana passada decisão que livrou a Madeireira Cameli do pagamento de multa de R$ 35 milhões por crimes ambientais na terra indígena do Rio Amônia, do povo Ashaninka.

A Madeireira Cameli foi denunciada pelo Ministério Público Federal por extração ilegal de madeira na terra dos Ashaninka. A empresa foi condenada em primeira instância e recorreu aos tribunais superiores, com o processo se arrastando há 30 anos.

Em 2017, o próprio Alexandre de Moraes já tinha tomado decisão favorável aos índios. Agora, o ministro reviu sua decisão e deu ganho de causa à Madeireira Cameli. Ao jornal paulista, o advogado da empresa disse que está disposto a negociar acordo com os indígenas.

Já o advogado dos Ashaninka informou que vai recorrer da decisão monocrática do ministro Alexandre de Moraes.

A Madeireira Cameli é uma das empresas da família Cameli, do senador e pré-candidato ao governo do Acre Gladson Cameli (PP).

Telejornal 3 de Julho 11ª Edição

Veja nesta edição: Jogador Valder Melo mais conhecido por cabeção do time Revolução Clube fez o gol mais bonito até o momento do Campeonato Regiçaneo Moura de Brito; Abertura dos Jogos Escolares 2018 em Brasileia tem início no Ginásio poliesportivo Eduardo Lopes Pessoa, Ministério Público vai apurar supostas irregularidades na aquisição de merenda escolar em Epitaciolândia,Policia Militar de Assis Brasil prende quatro indivíduos acusado de tráfico de entorpecente com emprego de arma de fogo para resguardar a boca de fumo e outras, curta a nossa página do facebook e inscreva-se no nosso canal do YouTube.

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.