Governo entrega reforma e ampliação da histórica Fundação do Bem-Estar Social

Investimento do governo de R$ 1,2 milhão entregou uma Funbesa reformada e ampliada para aplicação de políticas de assistência social.

Por Samuel Bryan 

O governador Tião Viana entregou na manhã desta quarta-feira, 2, as obras de reforma e ampliação da Fundação do Bem-Estar Social (Funbesa), um espaço histórico criado em 1968 que tem como objetivo a formulação, implantação e execução de programas e serviços da política do bem estar social no Acre, além de ser referência nos serviços de artesanato.

Com um investimento de R$ 1,2 milhão, além de toda a recuperação do espaço, a Funbesa conta agora com um amplo auditório e uma nova loja de artesanato. Ambientes como o teatrinho e o conselho universitário tiveram melhorias nas instalações.

“Essa é a memória da vida social do Acre. Esse trabalho é muito marcante em todas gerações e nós tínhamos esse dever de deixar esse ambiente recuperado, com dignidade para atender aqueles que são mais vulneráveis. Nós temos o dever de dar o melhor pela sociedade, agora com um prédio que engrandece a comunidade e a qualidade da assistência social”, conta o governador Tião Viana.

A Funbesa é um espaço tradicional de assistência dos povos acreanos e está localizada na Estação Experimental, um bairro fundado na década de 40, em Rio Branco. O secretário de Desenvolvimento Social (Seds), Gabriel Maia, explica que o atendimento será a principal melhoria.

“Essa é uma obra que tem uma simbologia, porque ela homenageia a população de Rio Branco, os servidores de assistência social e todos aqueles que trabalham a inclusão social. É um momento de alegria e agradeço ao governador Tião Viana pela sensibilidade na revitalização desse espaço”, destaca Maia.

Artesanato fortalecido

Entre os serviços ofertados na Funbesa destacam-se, por exemplo, o acompanhamento dos artesãos que trabalham com cerâmica na região. Com o crescimento e destaque do artesanato acreano nos últimos anos, participando de feiras e eventos nacionais e internacionais, esse espaço ganhou uma loja ampla, climatizada, com uma marcante coleção de peças, que está aberta ao público durante horário comercial.

Aos 11 anos, Carlos Afonso começou a frequentar a Funbesa com a curiosidade de aprender o artesanato em cerâmica nos cursos oferecidos no local. Hoje, pai de família, ele tira dessa atividade todo o seu sustento e agradece o papel que a Fundação desempenhou na sua vida.

“Na época que eu entrei aqui tinha cursos e colônia de férias. E eu continuei aqui, né? A Funbesa hoje é minha vida. Daqui que eu sobrevivo, tudo que eu tenho é através da minha arte. E ela que me deu esse apoio”.

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.