MDB decide voltar aos braços de Gladson e Bittar pede tempo para decidir se vai ser candidato

Os caciques do MDB se reuniram na tarde desta quinta-feira (22) e decidiram voltar a aliança que apoia a pré-candidatura de Gladson Cameli (Progressistas) ao governo do Acre.

Apontado como o pivô dos desentendimentos entre emedebistas, progressistas e tucanos, após a indicação de Major Rocha (PSDB) como vice de Cameli, Márcio Bittar pediu um tempo para conversar com suas bases e sua família para decidir se mantém ou retira sua pré-candidatura ao Senado, em um cenário cercado de interesses pessoais e desavenças políticas.

O ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, foi um dos responsáveis pela manutenção do apoio do MDB a Gladson Cameli. Sales destaca que a decisão de voltar ao bloco de partidos que defende a pré-candidatura progressista contou com o apoio dos presidente municipais, os seis prefeitos, os 32 vereadores, os dois deputados estaduais e os dois deputados federais eleitos pelo partido. O retorno do MDB aos braços de Cameli acontece após sucessivos blefes capitaneados pelo presidente regional da sigla, o deputado Flaviano Melo.

“Eu jamais sereia obstáculo para unidade das oposições no Acre”, disse Vagner Sales (MDB), que antes da decisão da cúpula do MDB, reuniu seu grupo político e bateu o martelo que manteria o apoio a Cameli, mesmo que o partido seguisse outro caminho. “Não há racha no MDB. Os debates acontecem naturalmente porque a divergência de opiniões alimenta a democracia no partido”. Sales ressalta que o fechamento de questão em torno da pré-candidatura de Cameli deverá acontecer durante o fórum de debates com a militância de todo Estado.

Vagner Sales destaca que iria esperar a realização do fórum de debates do MDB para se posicionar, mas para encerrar as especulações, ele e os prefeitos do interior se antecipam ao evento e declaram apoio integral à pré-candidatura de Gladson Cameli (Progressistas) ao governo do Acre. O emedebista disse que um dos motivos para ele ficar ao lado de Cameli é que a candidatura do progressista vem sendo trabalhada há muitos anos por lideranças emedebistas do interior.

Questionado pela divulgação da foto de uma festa que poderia indicar o apoio do MDB a Coronel Ulysses (sem partido), Sales afirma que “o MDB preza pela liberdade de expressão e opinião de seus filiados. Todos podem opinar e propor debates dentro do partido. Em nenhum momento eu afirmei que estava rompendo com o Gladson. O diálogo com o Coronel Ulysses é um fato normal, já que ele diz que faz oposição ao governo do PT. A direção não disse que tinha fechado questão em apoiar uma candidatura de terceira via”, ressalta.

Questionado sobre o destino de Marcio Bittar, Vagner Sales disse que Bittar foi a única voz discordante na reunião. “O Márcio pediu uma semana para pensar. Ele disse que vai sentar para conversar com suas bases de apoio e sua família. O MDB mantém as portas abertas para ele compor a chapa majoritária. O partido respeita a decisão, mas precisávamos tomar uma decisão para colocar um ponto final nas especulações. A candidatura de Gladson Cameli poderá decretar o fim do plano de se eternizar no poder acalentado pelos petistas”, destaca.

Apesar de participar da reunião do MDB, nos bastidores políticos circularam diversas informações que Márcio Bittar estaria tentando articular sua candidatura ao Senado fora do MDB. Na primeira tentativa, ele recorreu ao Democratas, quando acompanhado de Bocalom, ele conversou com Agripino Maia, para ser candidato do DEM em uma chapa encabeçada pelo Coronel Ulysses, mas teve o plano frustrado por ACM Neto, que colocou o deputado federal Alan Rick na presidência do DEM e levou a sigla para aliança de Cameli.

A segunda alternativa de Bittar seria tentar emplacar uma candidatura no Solidariedade, partido comandado por sua esposa, Marcia Bittar, mas o PPS, um dos partidos de seu bloco de apoio, já estaria disposto a fechar com Gladson Cameli, desta forma daria chances reais de eleição para Rosana Nascimento, que é pré-candidata a deputada federal. A decisão do MDB evidencia que os caciques emedebistas não estariam dispostos a bancar sua briga com o seu desafeto, Major Rocha, que também entrou em conflito com Vagner Sales na última eleição.

O ex-prefeito Vagner Sales releva as brigas políticas com Major Rocha – que resultaram na prisão de seu chefe de gabinete pela Polícia Federal na disputa municipal de Cruzeiro do Sul — e pedirá votos para o líder tucano que deixou como herança vários processos para o cacique emedebista responder após a eleição de Ilderlei Cordeiro. Sales justifica que os interesses do Estado estariam à frente das desavenças. “Eu sempre apoiei a candidatura do Gladson e vem sendo trabalhada há muitos anos por lideranças emedebistas do interior”.

Apesar dos blefes de Flaviano Melo e o desejo de vingança de Márcio Bittar, o ex-prefeito Vagner Sales acredita que a oposição dará uma grande demonstração de unidade. “Pode ter certeza que vamos dar a maior demonstração de união que este estado já viu desde a vitória proporcionada pelo MDB na capital. Não contem com um MDB fraco e dividido, nós estaremos juntos percorrendo cada canto do Acre para mostrar para nosso povo que o momento é de alternância de poder para implantarmos um verdadeiro projeto de desenvolvimento”, finaliza.

Fonte: Por Ray Melo / ac24horas

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.