Jovens usam roupas longas para ‘valorizar mulher’ e rebatem rótulo de radicais

‘Mulher não é só um corpo’, diz jovem que encabeça movimento. Apesar de incentivarem o uso de roupas que escondam o corpo, elas evitam entrar em polêmicas e dizem que o assédio não está ligado apenas à vestimenta.

Natáli, Annem e Lara aderiram a moda modesta como forma de valorização do corpo da mulher e também de tradição e virtudes católicas (Foto: Arquivo pessoal)

Há dois anos um grupo de jovens católicas que vive em Xapuri, no interior do Acre, resolveu adotar como vestimenta apenas roupas longas, com mangas, folgadas, sem transparência e que não revelem coxas, barrigas ou seios.

Elas defendem o que chamam de ‘movimento moda modesta’ e buscam a ‘valorização’ da mulher pela forma de agir e pensar e não pela exposição do corpo.

No município de pouco mais de 16 mil habitantes, o movimento é encabeçado pela bióloga de 25 anos, Annem Monteiro. Ela, a irmã Isís Monteiro, e outras duas primas, a química Natália Rodrigues Lima, de 22 anos, e a estudante Lara Monteiro, de 20, adotaram o estilo ‘recatada’ de se vestir e querem incentivar outras jovens a fazer o mesmo. O movimento, elas garantem, existe em todo o Brasil.

“Fomos conhecendo mais sobre essa virtude e quis aderir ao jeito de se vestir modestamente. O significado dela [moda modesta] para a gente é que a mulher se valorize, que não é só um corpo, mas tem uma alma, mente e valores. É uma maneira de valorizar o corpo, mas sem mostrar o corpo da mulher”, esclarece a bióloga.

Jovens usam véus durante as missas dominicais e se vestem com decoro e pudor para serem reconhecidas por valores e forma de agir (Foto: Arquivo pessoal)

Antes de aderir ao estilo, as jovens tinham no guarda-roupa calças compridas, shorts e saias curtas. Porém, afirmam que já se sentiam incomodadas em usar tops ou peças muito curtas e até evitavam.

Os biquínis também estão entre as peças que sumiram do armário delas. Quando frequentam banhos, procuram usar roupas que sejam mais leves, ou de tecidos apropriados, mas que cubram o corpo. No entanto, reconhecem que ainda é difícil encontrar peças desse tipo e acabam improvisando.

“Também procuramos lugares ou dias em que [os banhos] sejam menos frequentados, pois, como falamos, a modéstia não depende só da maneira de vestirmos, depende também da maneira como olhamos para os outros”, afirma Annem.

As primas desenvolvem atividades na igreja católica, na catequese, e também com músicas, mas afirmam que não é necessário ser ou ter a intenção de freira, nem mesmo ser um religioso para aderir.

“É mais fácil [aderir a moda modesta] quando você está na igreja porque você tem um objetivo. Você quer fazer aquilo porque agrada ao nosso senhor. Mas, se você não faz parte dela, também é convidado a viver a moda modesta para se sentir melhor, mais elegante”, convida Natália.

Pensamento radical

Jovens católicas lembram que viam modelos de roupas na internet e pediam que costureiras fizessem iguais (Foto: Arquivo pessoal)

Por pensarem assim, as jovens são tidas como conservadoras e radicais até mesmo pelos próprios católicos. Mas, seguem enfrentando as pessoas contrárias ao movimento.

“É uma coisa que a gente realmente encontra dificuldade, pois os leigos não conhecem sobre a modéstia, sobre as virtudes da sua igreja, então, nós somos vistas como pessoas que querem ser radicais, sendo que na verdade é uma coisa natural da igreja católica”, lamenta.

Apesar de incentivarem o uso de roupas que escondam o corpo, elas evitam entrar em polêmicas sobre o tema e avaliam que o assédio contra as mulheres não está ligado apenas à vestimenta.

“Podemos citar alguns fatores como sair na madrugada ou com desconhecidos. Podemos observar essa cultura do assédio até mesmo na literatura. Esses fatores facilitam sim, mas o maior problema do Brasil continua sendo a segurança pública”, destaca.

Dificuldades para achar roupas

Por morarem numa cidade pequena, elas encomendam roupas de costureiras e até pela internet. Elas afirmam que já tiveram mais dificuldade para encontrar vestimentas adequadas, mas com a chegada da moda “midi” a situação melhorou. Além disso, algumas lojas já começaram a trabalhar com o estilo de roupas mais longas.

Quanto às cores das vestimentas, elas costumam optar por tons mais sóbrios, mas sem esconder a personalidade de quem as veste.

“A modéstia, apesar de ser algo que nos cubra, é algo que vai muito da nossa personalidade. Então, cada uma escolhe as suas cores, é lógico, tudo com a devida prudência de estar ornando. Mas tudo de acordo com a sua própria personalidade, não tem algo obrigatório, quem determina é você”, destaca Natália.

Do G1 Acre